Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

A rainha da noite

Tracey Thorn

 

Além de eterna voz dos Everything but the Girl ou de várias colaborações, TRACEY THORN tem-se destacado por um percurso em nome próprio com lançamentos ocasionais. Desde que a dupla que compunha com Ben Watt disse adeus na viragem do milénio, a britânica assinou três álbuns (dois de originais e um natalício), sucessores da mais longínqua estreia a solo "A Distant Shore", de 1982.

 

O próximo chega este trimestre, a 2 de Março, seis anos depois de "Tinsel and Lights", e deverá aprofundar a filiação numa pop electrónica dançável, à qual THORN é geralmente associada (apesar de uma fase inicial mais próxima da folk).

 

"QUEEN" dá o mote de forma directa e pulsante q.b., embora nem os sintetizadores nem a guitarra que se intromete a meio cheguem a ameaçar o protagonismo vocal, numa canção que convida Sella Mozgawa e Jenny Lee Lindberg, das Warpaint, para a percussão e baixo, respectivamente.

 

Corinne Bailey Rae e Shura são os outros nomes já confirmados para um disco que promete aliar o feminismo à pista de dança em faixas como "Smoke", "Guitar" ou "Dancefloor". Nada contra quando o aperitivo é um exemplo de synthpop redondinha e orelhuda, defendida por uma voz sem grandes paralelos no género:

 

 

O rock não morreu e ainda merece ser abraçado

Moaning

 

Foi desta que o rock morreu? A popularidade inegável do hip-hop junto do público mais jovem (e não só), o acomodamento de muitos veteranos ou a enésima réplica de glórias antigas no ADN de uma nova banda levam muitos a garantir que sim, mas convém não arrumar já as guitarras. Pelo menos enquanto continuarem a surgir revelações como uma das últimas apostas da (insuspeita) Sub Pop.

 

É verdade que não serão os MOANING a salvar, por si só, um género cuja morte tem vindo a ser decretada há décadas, até porque não trazem nenhuma novidade de maior nas suas primeiras canções. E se também é certo que a sua música convoca várias escolas em tempos tidas como alternativas - dos Joy Division aos Nirvana, passando pelo lado mais agreste dos Smashing Pumpkins -, há por aqui um sentido de urgência e uma coesão instrumental que tem faltado a muitas promessas.

 

Parte do efeito do power trio de Los Angeles nasce da forma como consegue juntar elementos pós-punk, góticos ou grunge na mesma canção, assim como sugestões de algum shoegaze (ou não fossem os Slowdive uma das influências assumidas), o que dá às primeiras amostras uma combinação equilibrada de familiaridade e imprevisibilidade.

 

A experiência em palco terá ajudado, já que Sean Solomon (voz e guitarra), Pascal Stevenson (baixo) e Andrew MacKelvie (bateria) têm tido presença regular na cena independente local nos últimos dez anos, desde que se conheceram na adolescência e aliaram a amizade à colaboração em projectos fugazes. Mas parece ser com os MOANING que irão mais longe, com um álbum de estreia em preparação desde 2014 e que conhece finalmente a luz do dia a 2 de Março.

 

O disco, homónimo, é produzido por Alex Newport (At The Drive-In, The Melvins, Bloc Party) e tem em "The Same", "Don't Go" e no mais recente "Artificial" três singles que sugerem estar aqui uma das surpresas de 2018 - além de revitalizante q.b. no campeonato das guitarras: 

 

 

 

 

Quando o sonho comanda a vida

Candidato húngaro a Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, "CORPO E ALMA" é um belo retrato de duas solidões partilhadas captado pela veterana Ildikó Enyedi. Entre o real e o onírico, está aqui um dos dramas românticos mais curiosos e sensíveis dos últimos tempos.

 

Corpo e Alma

 

Há quase 20 anos sem assinar uma longa-metragem - a mais recente até agora era "Simon mágus", de 1999 -, Ildikó Enyedi dedicou-se este milénio à realização de dezenas de episódios da série "Terápia" e de duas curtas, quando parecia deixar para trás um dos percursos mais celebrados do cinema húngaro contemporâneo (e com maior expressão internacional a partir de finais da década de 80).

 

Mas se o regresso ao grande ecrã demorou, não tem passado despercebido: "CORPO E ALMA" foi dos títulos europeus mais elogiados de 2017, contou com o Urso de Ouro do Festival de Berlim entre as muitas distinções e está bem colocado na corrida ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro, sendo um dos nove finalistas. E traz de volta a obra da cineasta a salas nacionais, onde teve distribuição irregular ao longo dos anos.

 

O regresso também se faz sem pressas na própria acção do filme. Enyedi leva o seu tempo a apresentar as personagens e sobretudo a interligá-las com as sequências centradas em veados numa floresta, à partida pouco mais do que separadores do olhar sobre o quotidiano de um matadouro nos arredores de Budapeste. O director financeiro da empresa, um homem reservado de meia-idade, e a recém-chegada inspectora de qualidade, ainda mais circunspecta e tímida, além de algumas décadas mais nova, são alvo de especial atenção num drama assente na esfera laboral e pessoal - que se tornam cada vez mais próximas pelas viragens oníricas da narrativa.

 

Corpo e Alma

 

Ao acompanhar a rotina diurna e nocturna da dupla protagonista, "CORPO E ALMA" vai movendo um par improvável entre a solidão e a comunhão, com os avanços e recuos que não andam longe da dinâmica de uma comédia romântica. Só que aqui o humor é quase sempre tão árido e subtil como o drama e o romance nunca se instala como uma solução fácil e milagrosa para a inadaptação quase irredutível das personagens.

 

Se noutras mãos o cruzamento de um tom clínico com aproximações ao realismo mágico poderia resultar indigesto, Enyedi prova saber sempre como quer apresentar e para onde quer levar esta história, num retrato nem impossivelmente esperançoso nem demasiado desesperado. Talvez não precisasse de duas horas para a contar: a meio o filme acusa alguma redundância, em cenas como as muitas dos protagonistas nos seus apartamentos, à noite, nas quais a solidão parece ser a única companhia para a vida. Mas o último terço confirma que quem sabe nunca esquece, em particular numa sequência ao som de um tema de Laura Marling, provavelmente a mais perturbante (e na qual o filme poderia autodestruir-se se conduzido por uma cineasta menos capaz).

 

Muito bem defendido pelos desempenhos de Géza Morcsányi, sexagenário que se estreia aqui na interpretação, e da mais jovem Alexandra Borbély, uma revelação num papel ainda mais extremo mas que nunca cai numa amostra de tiques, este estudo de personagens e das suas dificuldades de socialização justifica a (re)descoberta de uma realizadora e, por arrasto, de uma cinematografia que bem podia passar mais vezes por cá. Talvez a noite dos Óscares até acabe por ajudar desta vez...

 

 3/5

 

 

Rastilho para um regresso

Keep Razors Sharp

 

Em equipa que ganha não se mexe e a dos KEEP RAZORS SHARP mantém-se intacta, quatro anos depois do álbum de estreia (que continua a poder ser ouvido e descarregado gratuitamente aqui).

 

Afonso (Sean Riley & The Slowriders), Rai (The Poppers), Bráulio (ex-Capitão Fantasma) e Bibi (Pernas de Alicate) voltaram a juntar-se para um dos discos a aguardar entre a produção nacional de 2018, ainda sem data de lançamento mas já com uma pista do que aí vem.

 

"ALWAYS AND FOREVER", o single de apresentação, retoma a efervescência do grupo num portento psicadélico de travo shoegaze, directo e propulsivo, com o contraste de vozes e guitarras a levar a uma vertigem de três minutos (e a mostrar potencial para sair ampliada ao vivo). O refrão orelhudo também ajuda, mesmo que não seja tão pegajoso como o de um tema na linha de "Can't Get You Out of My Head" (sim, a canção de Kylie Minogue que teve direito a uma tremenda versão da banda).

 

O videoclip, realizado por Leonor Bettencourt Loureiro, foi filmado nos Blacksheep Studios, em Mem Martins, mas a música atira-nos mais facilmente para o deserto norte-americano num dia agreste q.b. e com eventual mergulho em demónios interiores. Para começar a aquecer o ano enquanto abre caminho para o álbum, não está nada mal: