Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

A Austrália aqui tão perto

 

Os australianos Howling Bells estrearam-se este Verão em palcos nacionais, no Festival Paredes de Coura, onde apresentaram o seu segundo e novo álbum, o recomendável "Radio Wars".

 

Foi aí que falei com dois elementos do quarteto, a vocalista Juanita Stein e o baixista Brendan Picchio, e partilho parte da conversa no vídeo abaixo, que tanto incide nos discos do grupo como na nova pop australiana:

 

 

Entrevista aos Howling Bells

 

Estreia da semana: "Sacanas sem Lei"

 

O grupo de militares judeus cujo nome é também o título do novo filme de Quentin Tarantino, "Sacanas sem Lei", acaba por nem ser o elemento central de mais uma experiência delirante do cineasta de "Pulp Fiction" ou "Kill Bill".

E ainda bem, porque mesmo que este esquadrão de caça (e mata) nazis numa França ocupada pela Alemanha gere algumas personagens com piada - a melhor talvez seja o já icónico boneco de Brad Pitt -, todas ficam aquém daquelas interpretadas por Christoph Waltz e Mélanie Laurent, talvez as duas grandes surpresas do filme.

 

Ele, actor austríaco veterano mas até aqui confinado a papés secundários, consegue ser magnético, hilariante e revoltante na pele de um tenente nazi - e uma das personagens mais tagarelas de Tarantino, o que por si só já seria digno de nota.

Ela, jovem actriz francesa e uma excelente revelação, concede a dose certa de intensidade, mistério e determinação a Shosanna, judia e a única sobrevivente de um massacre à sua família - e que, como muitas figuras femininas do universo do realizador, não descansa enquanto não se vinga.

 

Mas "Sacanas sem Lei" é mais do que uma história de vingança, já que esta é apenas uma desculpa para Tarantino edificar aqui uma ode ao cinema, tanto ao que tem de romântico como de mais visceral.

O resultado não chega a atingir o brilhantismo de alguns dos seus títulos anteriores, o que também não é grave quando, ao longo de mais de duas horas e meia, o filme saltita entre um humor certeiro e uma tensão de cortar à faca com um savoir faire irrepreensível.

 

Os diálogos, idiossincráticos como sempre, geram algumas sequências de antologia - a inicial ou a do encontro no bar -, embora a narrativa ainda contemple litros de sangue, suor e lágrimas para quem espera encontrar aqui um filme de guerra - devidamente estilhaçado, desconstruído e embrulhado num entretenimento de topo.

 

Outras estreias:

 

"A Minha Vida em Ruínas", de Donald Petrie

"Ponyo à Beira-Mar", de Hayao Miyazaki

 

 

e-Cinema: Quentin Tarantino e o seu bando de sacanas

 

guest(play)list #12

Summer Night Fever

 

Imagem: 'playing the violin while the wife knits', de Henry Yuen

 

DJ Ride - Moog Step

Outkast feat. Erykah Badu - Humble Mumble

Bran Van 3000 - So Fine

Nneka - Heartbeat

Santigold - Say Aha

M.I.A. - O... Saya

Brazilian Girls - Internacional

Róisín Murphy - Dear Miami

Grace Jones - William's Blood

Gossip - Love Long Distance

MSTRKRFT feat. John Legend - Heartbreaker

The Bombazines - This Song is for Tomorrow

Micro Audio Waves - 2night (U & I)

Hercules and Love Affair - You Belong

Kelis feat. Nas - In Public

Luscious Jackson - Let Yourself Get Down

Suzanne Vega - Tom's Diner (DNA Remix)

Amon Tobin - Slowly

 

Parabéns (um pouco atrasados) ao Rodrigo, que em dias como o de hoje comprova ser um amigo de fazer inveja (e mil perdões por não ter colocado música clássica na compilação).

 

Pág. 1/4