Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

A sedução continua

 

Não tem o sabor electropop dançável dos primeiros tempos da banda nem o sentido de urgência de "Velocifero" (vénia), mas "White Elephant" volta a sugerir que os Ladytron não sabem fazer uma má canção.

 

O tema é o segundo avanço para "Gravity the Seducer", o quinto disco do grupo de Liverpool, e tal como o single anterior, "Ace of Hz", faz crer que esse vai ser o registo mais denso e atmosférico do quarteto (enquanto 9 de Setembro tarda em chegar, fica só mesmo a suspeita, que de resto a banda tem alimentado).

 

"White Elephant", revelado em Maio, não é o avanço mais recente - entretanto já ouvimos também o muito promissor "Ambulances" -, embora conte com um videoclip acabado de estrear. À semelhança da canção, não é das coisas mais veraneantes dos últimos tempos, mas mostra que a imagem dos Ladytron também continua bem tratada (e mais retro do que nunca):

 

 

Fundo de catálogo (69): R.E.M.

 

O novo disco dos R.E.M., "Collapse Into Now", terá os seus momentos (e até nem são assim tão poucos), mas ainda não é o álbum que faz crer num regresso a sério da banda de Athens (que já anda a tardar desde o saudoso "Up", de 1998).

 

Sem acrescentar muito ao universo do grupo, o disco não deixa de contar com algumas particularidades, caso da colaboração com Patti Smith, em "Blue", tema que fecha o alinhamento.

Infelizmente, a canção também confirma que estes não são mesmo os tempos mais inspirados do grupo de Michael Stipe, ficando muito aquém da primeira colaboração com a autora de "Horses": estávamos então em 1996 e o resultado foi "E-Bow the Letter", talvez o momento mais memorável de "New Adventures in Hi-Fi".

 

Tão icónico como o single, o videoclip mostrou-se um acompanhamento visual perfeito - apesar do óbvio baixo orçamento, ou talvez por causa dele. Quinze anos depois, ainda não há assim tantos capazes de tornar o lusco-fusco urbano tão poético e envolvente:

 

Pág. 1/4