Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Pânico no túnel (e sombras, muitas)

 

Aos poucos, os Crystal Castles vão revelando mais detalhes sobre o seu próximo disco. Esta semana, a dupla canadiana anunciou que o terceiro registo de originais terá "(III)" como título e contará com edição física a 6 de Novembro (a edição digital chega um dia antes).

 

Alice Glass e Ethan Kath adiantam ainda que o novo álbum deverá ser sombrio - ou seja, seguirá os passos do anterior -, característica que a provável capa não contradiz:

 

 

Além de tornar, lá está, (ainda) mais sombria uma foto do espanhol Samuel Aranda - vencedora do World Press Photo Award 2011 -, a imagem é um cartão de visita tão surpreendente como arrojado, mas que acaba por ter muito a ver com o universo do duo.

 

Resta saber se a música estará à altura... Para já, não está nada mal, tanto no fresquíssimo "Wrath of God", que pode ouvir-se na página SoundCloud do grupo (e de preferência num palco), como no não menos lúgubre "Plague", tema conhecido desde Julho e cujo videoclip foi apresentado há poucos dias. Curiosamente, também aqui os Crystal Castles reaproveitam (e recontextualizam) imagens de terceiros: as do filme "Possessão" (1981), de Andrzej Zulawski, e em especial as de uma Isabelle Adjani atormentada no túnel de uma estação de metro, que inspiraram um fã da banda, Ivan Grbin, a traduzir em fotogramas os ambientes da canção. O fã parece ter acertado, já que a banda não só aprovou o resultado como o escolheu para videoclip oficial. Nada contra:

 

 

Dois dias em Nottingham

 

Não é por acaso que "Weekend" tem sido um dos filmes mais elogiados - e premiados - dos festivais por onde tem passado, sejam estes centrados em temáticas LGBT ou nem por isso. O mais curioso é que a segunda longa-metragem do britânico Andrew Haigh nem tenta revolucionar nada, tanto dentro como fora do chamado cinema queer. Limita-se apenas (o que não é pouco) a acertar onde muitos outros falham, retratando com sensibilidade, complexidade e inteligência os contornos de uma relação fortuita - entre dois homens - que acaba por levar a que os protagonistas reavaliem os seus percursos, prioridades e, em última instância, identidades.

 

A viagem emocional entre espaços públicos de Nottingham e o apartamento de uma das personagens, ao longo de um fim-de-semana que propõe um inesperado momento de viragem, surge de um casamento feliz entre a câmara e o argumento de Haigh - vincados por um realismo britânico invulgarmente caloroso, mas nunca açucarado, capaz de equilibrar melancolia e esperança - e a química entre Chris New e Tom Cullen, actores principais de um filme que praticamente dispensa secundários - com uma dupla destas, credível e empática, também nem precisa.

 

O salto de um one night stand para um relacionamento mais forte, tão tentador como assustador, dá o mote para um belo exemplo de cinema de câmara, atento aos gestos, olhares e palavras sem nunca cair na auto-indulgência contemplativa ou verborreica, preocupando-se mais em envolver-nos do que em impressionar-nos. "Weekend" só tropeça - felizmente, não muito - quando este estudo de personagens, quase sempre verosímil, ameaça derrapar para um painel de discussão das dificuldades e direitos da comunidade LGBT, com alguns diálogos "inspiradores" demasiado próximos de obras que, embora partilhem a temática, não a abordam com a subtileza e capacidade de observação deste pequeno grande filme.

 

 

 

"Weekend" foi o filme de abertura da 16ª edição do Queer Lisboa, que decorre até 29 de Setembro no Cinema São Jorge

 

Um veterano nada estereotipado

 

Tem passado a leste das atenções, mas "The Politics of Envy" é um dos bons discos de inícios deste ano e um regresso bastante digno de Mark Stewart, que deixa aqui mais um capítulo a solo depois de se ter destacado, há três décadas, com o The Pop Group.

 

O novo álbum do britânico mostra-o novamente bem acompanhado, agora com músicos/amigos/admiradores de várias escolas e gerações: gente como Daddy G (dos Massive Attack), Gina Birch (das Raincoats), Lee 'Scratch' Perry, os Primal Scream ou os mais novatos Factory Floor, estes últimos os convidados do segundo single. O tema chama-se "Stereotype", é um dos poucos momentos (relativamente) calmos de um disco denso e agora tem imagens como acompanhamento no videoclip oficial:

 

Pág. 1/2