Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Há rave no ginásio

 

Por muito bem equipados que possam ser, os ginásios não são assim tão selectivos na altura de escolher a música ambiente. Ao contrário de outras cantoras pop, Annie dificilmente terá lugar cativo entre a playlist que acompanha aulas de step ou hidroginástica, mas o seu novo videoclip sugere que as canções da norueguesa fazem todo o sentido nessas situações. A ideia é especialmente reforçada pelo single "Tube Stops & Lonely Hearts", concentrado de electrónica tão doce como atlética com assinatura Xenomania e homenagem à cultura rave de Bergen e Londres na produção de sabor anos 90. Um prenúncio vitaminado para o álbum sucessor de "Don't Stop" (2009), que já tarda e poderá ter luz verde este ano:

 

Dançar como no Verão passado

 

"XII", o segundo álbum dos Parallels, já foi editado no Verão do ano passado mas ainda vai a tempo de ser (re)descoberto algumas estações depois. O trio de Toronto dá uma ajuda ao divulgar o videoclip do novo single, "Things Fall Apart", apetecível exemplo da sua synth pop com laivos de italo disco e Hi-NRG. As imagens de ambientes nocturnos complementam a melancolia dançável cantada por Holly Dodson (a fazer bem de Madonna dos 80s) e há muito mais para ver e ouvir no site oficial da banda, que disponibiliza os seus dois álbuns para audição gratuita. Enquanto não parece haver quem a traga cá, já não é nada mau...

 

Isto (não) é um filme de gangsters

 

"Em Bruges", a estreia de Martin McDonagh na realização depois de um considerável (e aplaudido) percurso de dramaturgo, conseguia, nos melhores momentos, pensar fora da caixa e trocar as voltas aos modelos dos filmes de gangsters. Quatro anos depois, "Sete Psicopatas" devolve o irlandês à sétima arte numa segunda obra igualmente lúdica, pessoal, tagarela (a atenção aos diálogos mantém-se entre os trunfos) e talvez ainda mais engenhosa.

 

McDonagh repesca Colin Farrell, agora na pele de um escritor que tenta iniciar o livro que dá título ao filme, e repesca também o gosto pela liberdade narrativa ao optar por uma lógica meta-referencial, saltitando entre realidade e ficção de forma cada vez mais auto-consciente (há quem compare as brincadeiras formais aos argumentos de Charlie Kaufman, mas a recente "Odisseia" de Bruno Nogueira e Gonçalo Waddington também não anda muito longe desta mistura de subversão, humor negro e melancolia).

 

Além de Farrell, o protagonista em crise de inspiração que vai unindo as pontas de histórias entrecruzadas, "Sete Psicopatas" sabe tirar partido de actores como Sam Rockwell, em modo expansivo e a roubar todas as cenas em que entra (e tem tido tão poucas oportunidades de mostrar o que vale), ou Christopher Walken, que no extremo oposto impõe respeito num estimável exemplo de contenção. Já Woody Harrelson tem rédea solta para compor um vilão tão caricatural como os dos filmes que McDonagh tenta desconstruir: às vezes o realizador ameaça dar um passo maior do que a perna, mas momentos como a delirante sequência de tiroteio mostram que "Sete Psicopatas" vale bem mais do que o pastiche Tarantino que pode parecer à partida (e até é bastante certeiro na sátira à irrisão exagerada e saturante de títulos como... "Django Libertado").

 

 

Sozinho em casa

 

Já não é de hoje que os Is Tropical se destacam, quase tanto como os OK Go, mais pelos videoclips do que propriamente pelos singles que os motivam (e basta relembrar o esgrouviado "The Greeks"). O tema de avanço para o segundo álbum dos britânicos, "I'm Leaving", agendado para 20 de Maio - sucessor do recente e divertido EP "Flags" -, volta a confirmar o que já vai sendo regra.

 

O videoclip de "Dancing Anymore", excercício electrónico virado para as pistas de dança, tem como protagonista um adolescente que tira partido das hormonas para combater o tédio de uma tarde rotineira. O resultado já foi censurado pelo Youtube e, mesmo que não seja caso para tanto, não é dos mais apropriados para espreitar no local de trabalho:

 

Pág. 1/2