Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

O Inverno do nosso descontentamento

O mais surpreendente da sétima temporada de "A GUERRA DOS TRONOS" talvez seja o número (ainda elevado) de personagens que sobreviveram até aqui. Falta de risco de uma série conhecida por não poupar quase ninguém, doa a quem doer?

 

Sansa_Stark

 

O fim está próximo, garante "A GUERRA DOS TRONOS". O aviso não é novo e até tem sido repetido desde a primeira temporada da produção da HBO. Mas o desenlace da sétima época não deixa dúvidas, até porque depois da (impressionante) destruição da Muralha só faltam mesmo seis episódios até dizer adeus de vez aos Sete Reinos de Westeros - ou pelo menos até os quatro (ou mais) spin-offs lá voltarem para outras aventuras num passado remoto.

 

Um dos aspectos muito comentados da recta final tem sido, aliás, o ritmo bem mais acelerado do que aquele a que a série era associada - nem sempre de forma elogiosa, com alguns fãs a queixarem-se do tempo em que algumas personagens iam de A a B. A mudança é compreensível, tendo em conta o número limitado de horas reservado para o fecho da saga, mas em certos momentos a sétima temporada deixou a sensação de quebra do pacto narrativo com o espectador.

 

No sexto capítulo, "Beyond the Wall", esse contraste foi especialmente gritante e ajudou a tornar uma das jornadas mais promissoras (a que acompanhou o "Esquadrão Suicida" de Jon Snow nos domínios dos White Walkers) numa das mais frustrantes, embora nem tanto pelos quilómetros percorridos por várias personagens à velocidade da luz, mas pela preguiça de um argumento encostado a soluções Deus Ex Machina durante a grande batalha no gelo - com o regresso tão abrupto como conveniente de um Stark a destacar-se como manobra mais insultuosa.

 

Lannisters

 

No mesmo episódio, os guionistas jogaram ainda mais pelo seguro ao pouparem quase todas as personagens de uma missão particularmente perigosa, despachando apenas a mais irrelevante - e pela qual poucos fãs terão suspirado. Nada que não se tenha mantido ao longo de toda a temporada, que exceptuando Olenna Tyrell (numa despedida feita ao seu nível, deliciosamente truculenta) insistiu em livrar-se apenas de figuras mal amadas, das Sand Snakes a Littlefinger.

 

E falando do mestre da manipulação, a sua trama com Arya e Sansa Stark foi um exemplo infeliz de derrapagem para territórios de telenovela ou de mau romance de cordel, com uma reviravolta forçada que além de enganar Lorde Baelish, fez batota com o que mostrou ao espectador (mas podia ter sido pior e, pelo menos, a natureza das irmãs saiu incólume no final).

 

Também menos espontânea do que seria desejável, a aproximação entre Jon Snow e Daenerys Targaryen deixa dúvidas sobre se dar a muitos fãs aquilo que eles querem (ou esperam) será a melhor opção - não ajuda que Kit Harington e Emilia Clarke sejam dos actores menos convincentes do elenco. Por outro lado, enquanto algumas das personagens mais intrigantes tiveram uma participação reduzida - pobres Brienne of Tarth ou Melisandre, com tão pouco para fazer -, outras com mais tempo de antena são já meras muletas do argumento (Bran Stark, numa função que já vem de trás) ou estão a caminho disso (Sam Tarly e a sua nada credível cura de Jorah Mormont).

 

Theon_Greyjoy

 

Se entre tantas limitações o balanço pode parecer negativo, no seu melhor "A GUERRA DOS TRONOS" mostrou ser mesmo um caso à parte na televisão actual - e merecedora do culto invulgar que tem consolidado. Os primeiros episódios da temporada conseguiram conjugar intriga palaciana e injecções de adrenalina com uma habilidade assinalável, deixando momentos altos no ataque de Euron Greyjoy ao navio dos sobrinhos ou na batalha que opôs o exército de Jaime Lannister à Mãe dos Dragões.

 

Os reencontros dos Stark, há muito ansiados, sobressaíram entre os laços refeitos (tendência alargada no início do último episódio) enquanto que Cersei Lannister, sendo ou não a rainha, segue bem posicionada na corrida a vilã mais memorável da saga. A personagem da excelente Lena Headey é ainda das que têm um percurso mais coerente, ao lado do mais subestimado Theon Greyjoy, cujo caminho entre a perdição e a redenção manteve todas as nuances que ajudam esta saga a fazer a diferença. O maior desafio da oitava e última temporada, mais do que encher o olho com um combate entre os vivos e os mortos, é mesmo ser capaz de olhar desta forma para tantas (óptimas) personagens em tão poucos episódios...

 

3,5/5

 

O Inverno chegou, mas a tempestade está longe

a_guerra_dos_tronos_T7

 

O arranque foi uma daquelas prendas para os fãs - pelo menos para os adeptos da Casa Stark, que serão a maioria - e prometia um episódio bombástico. O final, não menos épico, apostou noutro tipo de grandiosidade, mais uma vez a fazer a ponte entre o passado, o presente e o futuro de uma mitologia já sedimentada.

 

Pelo meio, contudo, o primeiro capítulo da sétima temporada de "A GUERRA DOS TRONOS" não se desviou muito do baralhar e voltar a dar já habitual no inícios de época da produção da HBO. O que não será tanto defeito mas feitio, mesmo que a relativa proximidade do final da saga (falta apenas uma dúzia de episódios) talvez fizesse esperar outra urgência.

 

Por outro lado, também não são necessárias grandes reviravoltas para já quando este regresso soube equilibrar esses escassos picos de intensidade com momentos intimistas, mais preocupados em dar tempo e espaço às personagens em vez de fazer a narrativa avançar mecanicamente. Foi o caso das relações tensas entre irmãos, tanto nas cenas com Jon Snow e Sansa Stark como nos planos de Cersei e Jaime Lannister, através de discussões nas quais a estratégia se cruzou com a empatia para chegar a novas formas de jogar o jogo.

 

Euron_Greyjoy

 

A ideia que fica é que nesta altura já ninguém consegue jogar sozinho, como Sandor "Cão de Caça" Clegane também constatou num episódio que deu novas facetas à sua personagem. Igualmente a beneficiar do maior tempo de antena, Euron Greyjoy deixou provas do carisma que, agora sim, sugere poder estar aqui o grande vilão desta temporada, como tanto promete a equipa criativa - o desempenho do dinamarquês Pilou Asbæk ajudou e confirmou as melhores expectativas de quem o tinha visto na (óptima) série "Borgen".

 

Menos essencial, o alívio cómico a cargo de Sam Tarly ofereceu, ainda assim, uma sequência com a montagem mais inventiva (e razoavelmente divertida), além de abrir caminho para aquele que deverá ser um dos elementos-chave do desenlace da saga. Já a famigerada participação de Ed Sheeran, apesar de um início demasiado espertinho e ostensivo (compare-se com as passagens discretas dos Sigur Rós ou Mastodon pela série) acabou por resultar numa lufada de ar fresco para o arco narrativo de Arya Stark, que andava a rodar em seco há duas temporadas.

 

Posto isto, vamos começar?

 

35 de 2017

2017

 

A falta de grandes novidades da silly season é sempre bom pretexto para ir recordando aquilo que o ano foi oferecendo. E no primeiro semestre, 2017 deixou alguns filmes, discos e séries que vale a pena descobrir, registar ou revisitar. No cinema, parte das melhores surpresas não contaram com o merecido tempo em sala, culpa de uma distribuição desmesurada (houve semanas com uma dezena de estreias de interesse questionável) e de uma promoção às vezes nula, mas apesar de tudo filmes como "Corações de Pedra", "Homenzinhos" ou "A Tribo" tiveram a sua oportunidade (mesmo que alguns tenham estreado com um atraso incompreensível nos dias de hoje). A oferta televisiva talvez seja ainda mais variada, e se "The Americans" já ganhou lugar entre as maiores certezas dos últimos anos, é pena que "Humans" seja tão eclipsada por sagas de ficção científica (sobretudo no cinema) que vivem das glórias do passado. Por outro lado, o presente e o futuro passam pelos novos álbuns dos Austra, Blanck Mass ou (surpresa?) Goldfrapp enquanto Feist ou Mark Lanegan mantêm o sabor intemporal. Também de regresso, os Fischerspooner ou os GEMS deixaram amostras muito promissoras de discos a aguardar nos próximos meses. Enquanto não chegam esses e outros, fica a lista do balanço provisório de 2017:

 

 10 FILMES

mulheres_do_seculo_XX

 

"A Minha Vida de Courgette", Claude Barras
"A Tribo", Myroslav Slaboshpytskyi
"Aquarius", Kleber Mendonça Filho
"Corações de Pedra", Guðmundur Arnar Guðmundsson
"Esta Terra é Nossa", Lucas Belvaux
"Glória", Kristina Grozeva e Petar Valchanov
"Homenzinhos", Ira Sachs
"Moonlight", Barry Jenkins
"Mulheres do Século XX", Mike Mills
"Vale de Amor", Guillaume Nicloux

 

10 DISCOS

Goldfrapp

 

"Future Politics", Austra
"Gargoyle", Mark Lanegan Band
"Império Automano", PZ
"Kelly Lee Owens", Kelly Lee Owens
"Pleasure", Feist
"Polaar", Maud Geffray
"Ripe Dreams, Pipe Dreams", Cameron Avery
"Silver Eye", Goldfrapp
"Spirit", Depeche Mode
"World Eater", Blanck Mass

 

 10 CANÇÕES

Gems

 

"Alphabet Block", Marnie
"Automaton", Jamiroquai
"Become the One", Goldfrapp
"Free Fall", GEMS
"Gaia", Austra
"Have Fun Tonight", Fischerspooner
"No Longer Making Time", Slowdive
"Please", Blanck Mass
"Polaar", Maud Geffray
"Thinking of a Place", The War on Drugs

 

5 SÉRIES

Humans

 

"Dear White People" (T1), Netflix
"Humans" (T2), Channel 4/AMC
"Master of None" (T2), Netflix
"The Americans" (T5), FX
"The Son" (T1), AMC

 

Aprender a ser feliz

Actor, realizador, argumentista, produtor: Aziz Ansari continua a acumular funções na segunda temporada de "MASTER OF NONE". E se a série volta a ser autobiográfica (e até umbiguista) q.b., também deixa mais algumas vinhetas - quase sempre inspiradas - sobre uma certa geração urbana em permanente adaptação à idade adulta.

 

master_of_none_T2

 

Os dez novos episódios da comédia dramática criada por Aziz Ansari e Alan Yang (que também é um dos actores secundários) levam mais longe as possibilidades criativas que uma plataforma como a Netflix permite. Embora o dia-a-dia de Dev Shah, um comediante nova-iorquino de ascendência indiana (tal como o actor que o encarna), seja quase sempre o centro dos acontecimentos, o formato está muito longe da linha de montagem da sitcom ou da linearidade narrativa de uma série dramática convencional.

 

Como já era regra na primeira temporada, de 2015, há aqui espaço para variações de tom e de duração (cada capítulo ronda os 30 minutos mas um arrisca os 60) enquanto a jornada pessoal e profissional do protagonista se vai cruzando com questões como a discriminação, religião, sexismo, homofobia ou fossos geracionais, raramente forçando a nota. Se na época anterior alguns diálogos soavam demasiado escritos, sobretudo quando se debruçavam sobre a forma como os indianos são vistos e retratados, à segunda "MASTER OF NONE" consegue outra fluidez ao falar de coisas sérias sem abdicar da leveza - mas afastando-se quase sempre da ligeireza.

 

Ligeirinhos, ligeirinhos, só mesmo os dois episódios iniciais, que encontram Dev no interior italiano, cumprindo assim a promessa do (surpreendente) final da primeira temporada. Infelizmente, os dias do protagonista em Modena, apesar de encantadores, servem pouco mais do que uma versão de postal turístico "alla italiana", com uma abundância de lugares comuns a combinar mal com uma série que tenta fugir aos estereótipos. Das mil formas de cozinhar pasta à sucessão de belas paisagens, passando pela ode ao "dolce fare niente" ou pela homenagem a "Ladrões de Bicicletas", de Vittorio De Sica (incluindo fotografia a preto e branco e citações directas), a sensação é mesmo a de déjà-vu. E até o (des)encontro repentino de Dev com uma turista, que tenta injectar alguma melancolia no meio de tanta luz, acaba por ser apressado e mal aproveitado.

 

master_of_nome_2017

 

A sensação não será estranha para quem viu a primeira temporada, que também demorou algum tempo a arrancar antes de oferecer alguns episódios de antologia, como se fossem médias-metragens integradas num quadro maior (com destaque especial para uma viagem a Nashville ou um dia a dois sem sair do quarto). Mas Dev não demora muito a voltar a Nova Iorque e parece ser aí que "MASTER OF NONE" faz mais sentido: Ansari e Yang são especialmente bons a dar novos ângulos sobre cenários e situações já muitas vezes percorridos, desvendando recantos geográficos e sobretudo emocionais na cidade que nunca dorme.

 

O episódio "New York, I Love You" é dos casos mais evidentes, ao dispensar as personagens habituais para contar três histórias - interligadas por uma estrutura narrativa em mosaico - centradas naqueles que raramente têm tempo de antena (na ficção e não só). É verdade que a série já costuma deixar um olhar atento sobre as minorias (as comunidades indianas e asiáticas em particular), mas aqui acompanha um segurança negro, uma empregada de loja surda e um taxista imigrante to Burundi fazendo-se valer de um sentido de observação apurado, trocando a condescendência pelo humor e deixando um dos maiores exemplos de liberdade formal (vale a pena salientar o segundo segmento, a provar que o experimentalismo pode ser lúdico).

 

master_of_none_denise (2)

 

Outra conjugação engenhosa de tempo e espaço surge em "Thanksgiving", relato sobre a descoberta sexual de Denise, uma das amigas de Dev, e a homofobia familiar - que parte de uma mãe impecavelmente interpretada pela pouco vista Angela Bassett. Com a acção a desenrolar-se no Dia de Acção de Graças entre 1995 e 2017, é talvez o episódio mais dramático da série, embora o humor também volte a ser fundamental nesta história que mostra que "Moonlight" não esgotou o potencial da abordagem de questões LGBTI na comunidade afro-americana.

 

Além das famílias dos amigos, Dev volta a olhar para a sua e passa em "Religion" por outro tema fracturante (o título é auto-explicativo). Ou que talvez fosse fracturante noutra ficção, já que aqui a sua herança muçulmana não é olhada nem com reverência nem com escárnio, antes de forma calorosa e espirituosa - e na qual a vontade de comer carne de porco pode ser o tudo ou nada do equilíbrio familiar. É dos episódios em que "MASTER OF NONE" revela ter o coração no sítio certo, mesmo que o casting deixe muitas reservas - os pais de Aziz voltam a fazer de pais de Dev, gesto simpático mas que resulta em alguns dos diálogos mais forçados da temporada (e infelizmente o actor que encarna o primo não é muito melhor).

 

Estes cruzamentos de temas, por onde passa ainda a vida profissional do protagonista - que na segunda temporada o encontra na apresentação de um concurso televisivo de cupcakes - vai sendo desenvolvido em paralelo com a costela de comédia romântica da série - que já vem, aliás, da temporada anterior. Veja-se "First Date": além de um exemplo de montagem impecável, é um ensaio hilariante sobre os absurdos dos relacionamentos modernos, com ênfase na frivolidade da utilização sem reservas de aplicações de encontros online.

 

master_of_none_T2

 

Mas à medida que se aproxima do final, o arco da vida amorosa de Dev vai ganhando outra gravidade ao discutir as fronteiras entre a amizade e o amor, a cumplicidade a carência, a liberdade e a solidão. Aziz Ansari reconheceu a influência de "Antes do Amanhecer", de Richard Linklater, bem como das suas duas sequelas, e não é difícil pensar em Ethan Hawke e Julie Delpy ao ver os passeios do protagonista e de uma amiga regressada em longos planos-sequência (ou, por exemplo, no muito amado episódio de "Looking" que segue um dia de Patrick e Richie). 

 

Apesar dessa proximidade, será justo reconhecer que "MASTER OF NONE" ocupa seu próprio espaço, nem que seja ao retomar nos últimos capítulos as heranças italianas do arranque (e de forma mais arejada, seja um visionamento a dois de "A Aventura", de Antonioni, ou a dança ao som de uma canção não menos clássica). Esta recta final também impõe um tom dolente com o qual Aziz Ansari estão tão à vontade como no cómico, à medida que distracções como as exigências do telemóvel ou os roteiros de restaurantes da moda vão perdendo terreno. E quando Itália também já não é um refúgio possível, pelo menos terá sempre Nova Iorque... e as possibilidades de novos episódios, oportunidades e destinos logo ao virar da esquina, nos quais uma série destas consegue fazer acreditar como poucas.