Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

A caça

 

Depois de um filme tão barroco e exasperante como "Laurence para Sempre" (2012), era legítimo recear que o cinema de Xavier Dolan se contentasse em ser uma montra de efeitos e maneirismos - até porque a tentação exibicionista também já tinha passado por "Amores Imaginários" (2010), outro drama com mais estilo do que substância deslumbrado com uma colecção de citações cinéfilas.

 

Terminada a trilogia centrada em amores impossíveis - que arrancou com "J’ai Tué Ma Mère" (2009) -, "Tom na Quinta" talvez não encerre as opiniões polarizantes em torno do jovem realizador canadiano - se Cannes sempre o apoiou, alguma crítica ainda se mantém de pé atrás -, mas deixa motivos para que seja levado mais a sério.

Sem abdicar da vertente de exercício de estilo, esta entrada no thriller psicológico ambientada numa pequena localidade do Quebeque deita fora boa parte do artifício, com um minimalismo por vezes inesperado, e essa concisão a jogar quase sempre a seu favor deverá alguma coisa à peça de teatro homónima de Michel Marc Bouchard, aqui adaptada.

 

O que começa por parecer um filme sobre o luto esbarra com códigos do cinema de terror numa abordagem intrigante à síndrome de Estocolmo quando Tom, o protagonista, vai entrando numa relação tensa e ambígua com o irmão do seu ex-namorado, que tenta esconder da comunidade, e sobretudo da mãe, qualquer vestígio da homossexualidade deste durante o seu funeral. Tom adere ao jogo, mas à medida que a estadia na quinta se torna mais longa a quantidade de situações-limite vai aumentando, com o fantasma da homofobia sempre presente e a camuflar o despontar do desejo (mais sugerido do que sublinhado) com uma dependência violenta e doentia.

 

 

Capaz de manter um sentido atmosférico impecável, "Tom na Quinta" vive muito do cenário rural agreste e isolado que Dolan filma com nervo, mas preferindo a contenção ao espalhafato. Desta vez não há, por isso, tentativas de videoclips de pop electrónica (que preenchiam parte considerável de "Laurence para Sempre"), embora Tom não abdique de uma farta cabeleira loura quase na linha de Martin Gore, dos Depeche Mode, a fazer pendant com as plantações de trigo - paisagem de terror clássica a acolher uma obrigatória cena de perseguição, agora em modo queer, com pulsão homoerótica.

 

O elenco, encabeçado pelo próprio Xavier Dolan, está à altura do jogo psicológico. Pierre-Yves Cardinal, austero e magnético, sabe complementar a vulnerabilidade e hesitação do protagonista enquanto Lise Roy, na pele da mãe, compõe uma figura desolada pela perda e algo demente pelo estado de negação.

 

Apesar da solidez plástica e humana, "Tom na Quinta" não consegue fugir a algumas incoerências do argumento na recta final, lembrando que o também relativamente recente "O Desconhecido do Lago", por exemplo, percorreu território próximo com outro rigor e maturidade. Mas também deixa claro que Dolan é mais do que um esteta habilidoso, funcionando ainda como uma óptima forma de abrir caminho para o seu novo filme, o mais aplaudido "Mommy", último Prémio do Júri de Cannes ex-aequo com "Adieu au Langage", de Godard - outra controvérsia numa carreira a prometer juntar mais algumas...