Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Há uma luz (alternativa) que nunca se apaga

leftfield2

 

Além dos Prodigy ou dos Chemical Brothers, os LEFTFIELD são outros veteranos da música de dança britânica que regressaram aos discos nos últimos meses. E com algum atraso: "Alternative Light Source" é apenas o terceiro álbum da então dupla (agora o nome fica por conta de Neil Barnes, depois da saída de Paul Daley) e chega 16 anos (!) depois do anterior, "Rythm and Stealth".

 

Tal como o segundo disco, este dificilmente terá o impacto da estreia, "Leftism" (1995), masterclass de house progressiva influente num tempo de tensão pré-milénio - mesmo que a popularidade do duo fora de portas tenha sido uma fracção da que conseguiram outros conterrâneos e contemporâneos em terreno electrónico (além dos nomeados acima, a lista pode incluir os Underworld ou Orbital).

 

De qualquer forma, neste caso quem sabe nunca esquece e "Alternative Light Source" tem não só algumas boas canções como umas quantas boas companhias. Channy Leaneagh, dos Poliça, e Tunde Adebimpe, dos TV on the Radio, estão entre as vozes da guest list, ao lado de Georgia Barnes, filha do mentor do projecto cujo percurso a solo, iniciado há pouco tempo, tem despertado atenções.

 

Menos obrigatória é a colaboração com os Sleaford Mods, também convidados do último álbum dos Prodigy. Não que "HEAD AND SHOULDERS" corra particularmente mal, e até vai melhorando com audições repetidas, mas a rispidez vinda directamente das ruas destoa num alinhamento que tem outra inspiração nos momentos mais espaciais - caso dos instrumentais "Dark Matters" e sobretudo da belíssima união de texturas e melodia de "Storm's End" (ainda com lugar cativo entre as melhores do ano). Mas se o peso dos convidados ajudar a dar outro destaque ao álbum, tanto melhor, e aí percebe-se a escolha do tema para single. Nem de propósito, o videoclip começa nas ruas e salta para o espaço mais para o final: