Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

O ataque do clone

Onde termina a homenagem e começa a colagem? No caso de "STAR WARS - O DESPERTAR DA FORÇA", é difícil traçar a fronteira. E esse nem é o único problema de um filme tão aguardado quanto desapontante...

 

starwars

 

Seja num original como "Super 8" ou na revitalização da saga "Star Trek", o apreço de J.J. Abrams por histórias de ficção científica apontadas a públicos de várias gerações, com uma reverência óbvia por alguns clássicos dos anos 80, fez dele uma aposta natural para relançar aventuras de jedis e sabres de luz. E até aí nada contra, mesmo com um tropeção como "Além da Escuridão: Star Trek" pelo caminho.

 

Infelizmente, essa sequela, até agora o patamar mais baixo do seu currículo como realizador, tem agora concorrência à altura com um filme que tenta fazer a ponte entre convertidos e novatos. Mas apesar de algumas caras novas, "STAR WARS - O DESPERTAR DA FORÇA" pouco mais faz do que capitalizar nostalgia, com a colagem abusiva à obra inaugural da saga a comprometer o espírito de descoberta que fez dessa uma surpresa há quase 40 anos (e se muitos poderão reduzi-la a um pastiche de outras aventuras galácticas, na altura conseguiu fazê-lo com uma espectacularidade que mora longe do novo episódio, mais um entre tantos blockbusters de orçamento generoso).

 

As novas personagens até prometem, o filme é que não faz muito com elas. Rey e Finn são defendidos por dois jovens actores empenhados, com alguma química, mas a protagonista acaba por tornar-se em pouco mais de uma marioneta para reviravoltas do argumento, com a função de heroína intrépida e desenracasda. Precisamos de mais uma variação de Katniss, de "Os Jogos da Fome", ou Furioza, do último "Mad Max" (para não recuar mais)? Agradecemos, claro, personagens femininas com papéis de relevo, só que o esforço de Daisy Ridley não disfarça a heroína meio genérica que lhe dão (envolvê-la num novelo de segredos também não ajuda). Como ela, Finn desperta alguma simpatia, mas o dilema moral que o conduz é pouco convincente e ainda menos explorado. De qualquer forma, será sempre preferível ao "arco narrativo" de Poe, de longe um dos maiores desperdícios de actores dos últimos tempos - Oscar Isaac a passear pelos cenários sem personagem para agarrar.

 

oscar_isaac

 

Se no caso dos heróis ainda se nota, ainda assim, alguma tentativa de construção dramática - por muito que a maioria dos retornados da velha guarda, tirando um, pouco mais faça do que aparecer -, o mais frustrante deste novo episódio é mesmo o vilão. Como suceder a um ícone do gabarito de Darth Vader? Nunca com o esboço que se serve aqui, numa figura risível quando deveria ser temível. E como ela falha, falha também o suposto grande momento de tensão do filme, lá para o final, a milhas da gravidade que pretende ter (e quanto menos se falar do CGI do Supremo Líder, melhor...). Até porque, depois dessa cena, a aventura retoma a mistura de acção e humor, com as piadinhas da praxe a anularem qualquer construção de suspense. As coincidências fazem o resto, e se já é expectável contar com algumas, aqui o número de situações roça o absurdo - as desculpas para encontros das personagens ou fuga de ameaças seguem quase sempre pelas soluções mais preguiçosas, que deixam sérias dúvidas sobre a revisão do argumento.

 

Numa coisa, admita-se, "STAR WARS - O DESPERTAR DA FORÇA" não falha: Abrams consegue manter o ritmo ao longo destas mais de duas horas, mais enérgicas do que arrastadas, e até chega a entusiasmar na primeira metade. Mas bem espremidas, e passada alguma adrenalina, pouco fica: as relações entre as personagens evoluem de modo demasiado acelerado, com laços tão fortes como forçados; a sinalização do que está para trás (seja vénia ou cópia do capítulo inaugural, tanto faz) impõe uma estrutura demasiado reconhecível; e nem as sequências de acção chegam a ficar na retina (muito fogo de vista, muito dinheiro gasto, nenhum momento de antologia). Fica só mesmo um prólogo de longa duração, que se limita a lançar pistas para seguir nos próximos dois episódios. E nem sequer o disfarça, ao despedir-se com um cliffhanger na linha do pior cinema em série. Desta vez, a força não esteve com J.J. Abrams...

 

 

 

7 comentários

Comentar post