Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

O filho pródigo

mommy

 

O primeiro embate com as personagens de "MAMÃ" não é fácil. Mesmo que os protagonistas dos filmes anteriores de Xavier Dolan tenham ficado a milhas de figuras especialmente simpáticas, a viúva e o filho adolescente deste quinto drama conseguem tornar-se insuportáveis logo nos minutos iniciais. E nem tentam dar muitas tréguas à paciência dos espectadores, o que parece dar razão a quem nunca se deixou seduzir pelo cinema do "enfant terrible" canadiano.

 

E no entanto, ao longo das mais de duas horas que se seguem, "MAMÃ" vai comprovando que a tendência do realizador de 25 anos para o histrionismo pode ser mais feitio do que defeito, mérito de uma narrativa menos dispersa e vazia do que a de títulos como "Amores Imaginários" (2010) ou "Laurence para Sempre" (2012). O recente "Tom na Quinta" já mostrava Dolan mais interessado nas dinâmicas das personagens do que na opulência formal, a sugerir um amadurecimento agora confirmado por este detentor do último Prémio do Júri em Cannes - ex-aequo com "Adeus à Linguagem", de Jean-Luc Godard, referência pela qual o canadiano confessa não sentir grande entusiasmo (desabafo sincero ou mera provocação que foi motivo suficiente para alimentar a desconfiança de muitos detractores).

 

Não é que "MAMÃ" deixe de lado o peso estético associado à obra de Dolan. Antes pelo contrário. A diferença é que opções como o ecrã no formato 1:1 (e só muito pontual e estrategicamente em 16:9) estão lá para servir a história e a forma como é contada em vez de serem lembretes vistosos das capacidades técnicas do seu autor. E se é verdade que também ajudam a desenhar alguns dos momentos mais melosos, como cenas dispensáveis em slow motion, esses ocasionais rendilhados dramáticos são amplamente compensados pelas muitas qualidades - não só da realização, mas também do argumento e da direcção de actores, sobretudo do trio Anne Dorval, Antoine-Olivier Pilon e Suzanne Clément.

 

mommy2

 

Depois de um arranque agreste, "MAMÃ" mantém-se quase sempre na corda bamba, com variações de tom à medida do dia-a-dia de Diane e Steve, adolescente com distúrbio de hiperactividade e défice de atenção que o levam a ter comportamentos extremos. Dolan não tem medo de atirar mãe e filho para um drama de faca e alguidar conjugado com uma candura por vezes desarmante, espelho de uma relação tão espinhosa como terna e capaz de chegar ao equilíbrio possível a partir da entrada em cena de uma vizinha, uma professora com um problema de fala e um trauma por desvendar. 

 

O retrato de famílias disfuncionais já vem de "J'ai tué Ma Mère" (2009) e "MAMÃ" volta a dar atenção especial à figura materna, agora com avanços notórios - e muitas vezes notáveis - na psicologia das personagens. Em vez da birra adolescente, há um olhar sem julgamentos que acaba por ir contrariando a desconfiança gerada pelas primeiras cenas. Há espaço para a empatia graças a uma mão cheia de episódios memoráveis, com a banda sonora a ter um papel determinante. Celine Dion e Andrea Bocelli dão voz a alguns, ainda assim superados por uma sequência de antologia ao som de "Wonderwall", dos Oasis, com Dolan a não resistir à tentação de um videoclip dentro do filme. Mas um videoclip que faz todo o sentido, respeitando a natureza e o arco dramático das personagens e resultando numa bela ode ao cinema e à música.

 

Mais impressionante (e bem mais angustiante) é um falso desenlace com um contraste brusco entre expectativas e realidade, talvez o pico emocional de um filme com tanto amor como desencanto. Sequência avassaladora, apresenta Dolan mais inspirado e seguro do que nunca e sugere que já faltou mais para chegar a um filme ao nível de achados como esse. Mas mesmo que não chegue, a sua perseverança face aos cépticos, tão destemida como a jornada de Diane, não deixa de ser admirável.