Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

O maluco do riso

"DEADPOOL" só não é o melhor filme de super-heróis em muito tempo porque rejeita esse rótulo ao tentar parodiar o género. E enquanto o faz, destaca-se como um blockbuster bem mais divertido do que a maioria, mesmo quando é vítima dos clichés que aponta.

 

deadpool_promo

 

Ao longo dos últimos 25 anos, o mercenário mais desbocado da Marvel conseguiu ir ultrapassando o seu estatuto inicial de personagem de terceira linha à medida que muitos adolescentes (e não só) foram alargando o culto em torno das suas aventuras. Primeiro em "New Mutants" e "X-Force" (duas revistas do universo X-Men) e depois a solo, as missões de Deadpool ofereceram doses generosas de humor e violência, alguma esquizofrenia e uma tendência para furar a quarta parede, com o anti-herói canadiano a dirigir-se directamente aos leitores (dispositivo que não sendo uma novidade nos comics da companhia, acabou por ficar mais associado a esta personagem do que a qualquer outra, com a eventual excepção da Mulher-Hulk).

 

Entre os adeptos da mistura irreverente/disparatada/subversiva/juvenil/politicamente incorrecta (riscar o que não interessa, dependendo do argumentista) e de tom muito auto-consciente contava-se Ryan Reynolds, que ao longo de mais de dez anos tentou levar o alter ego de Wade Wilson ao grande ecrã num filme que conseguisse manter a linguagem desbragada da BD. A primeira tentativa foi um desastre que muitos já terão esquecido, com Deadpool a surgir como um dos convidados no também desastroso "X-Men Origens: Wolverine", numa versão quase irreconhecível e a deixar alguma hesitação face a um reencontro do actor com a personagem (um filme como "Lanterna Verde" também não contribuiu para a boa reputação entre os fãs de super-heróis).

 

Sete anos depois do pior capítulo da saga mutante no cinema, a Fox e a Marvel parecem ter aprendido com os erros e cederam à insistência de Reynolds e restante equipa de "DEADPOOL", permitindo o carimbo de "Rated R" para o filme, mesmo que esta limitasse, à partida, o número de espectadores. E acabou por ser a opção mais certeira, não só a nível de mercado (com recordes batidos de semana a semana, superando as melhores expectativas) mas sobretudo na vertente criativa, não impondo grandes fronteiras ao tipo de linguagem, violência ou conteúdo sexual, o que faz todo o sentido tendo em conta a personagem.

 

DEADPOOL

 

Com um espaço de manobra pouco habitual em aventuras de super-heróis, tanto Reynolds como o realizador estreante Tim Miller e os argumentistas Rhett Reese e Paul Wernick (de "Zombieland", outra paródia bem sucedida) fazem finalmente justiça ao mercenário que consegue ser mais tagarela do que o Homem-Aranha (uma das inspirações óbvias para o seu fato, aliás). As piadas, quase sempre menos familiares do que as de Peter Parker, são mesmo o maior trunfo do filme, metralhadas a um ritmo mais alucinante do que as balas do anti-herói de moral duvidosa e dos vilões sem escrúpulos.

Há tiradas truculentas para todos os gostos, do bom ao mau (dispensavam-se algumas cenas infelizes num táxi), e mesmo que seja difícil apreciar ou digerir tudo, a entrega de Reynolds ao papel é evidente e dá valor acrescentado a muitos gags, sejam farpas sobre inúmeros recantos da cultura pop ou sátiras aos filmes de super-heróis - com piscadelas de olho mais fortes aos dos X-Men.

 

Dois elementos da equipa mutante são, de resto, coadjuvantes da missão de Deadpool no filme: o veterano Colossus, ainda sem grande espaço no cinema, e a novata Negasonic Teenage Warhead (sim, um nome de código rebuscado para acabar com todos os nomes de código rebuscados). Tal como a maioria das personagens secundárias do filme, não chegam a ir muito além da caricatura anunciada logo no genérico inicial (figura criada por CGI e adolescente cínica, respectivamente), embora funcionem como compasso moral (também ridicularizado pelo protagonista). Os vilões de serviço são outras vítimas desses simplismos, sem grandes sinais particulares, e aí "DEADPOOL" não chega a ser um filme tão transgressor como julga: não basta disparar sobre os lugares comuns dos filmes de super-heróis, convém ir mais longe e surpreender com alternativas mais entusiasmantes, como o fizeram, por exemplo, "Kick-Ass - O Novo Super-Herói" ou "Scott Pilgrim Contra o Mundo".

 

deadpool-movie-image

 

A realização não ajuda muito: Miller é pouco inventivo nas cenas de acção e ao início a história ameaça cair no espalhafato monótono da saga "Os Mercenários", com tiroteios intermináveis e violência gratuita sem travões (ainda que o exagero seja mais do que sublinhado). Quando as personagens guardam as armas, o filme ganha outro interesse, até porque, como Deadpool diz a certa altura, esta também é uma história de amor e de terror: o romance com Vanessa mostra que afinal há aqui um coração a bater (óptima química entre Reynolds e Morena Baccarin), a obrigatória recordação da origem cria alguma tensão para além do ruído (e chega a lembrar o esquecido "Darkman", de Sam Raimi). E graças a momentos como esses, o protagonista consegue ser mais do que o boneco sarcástico vendido pelo material promocional, com âncora emocional no desempenho de Reynolds (que mostra aqui ser capaz do melhor, tal como nos pouco vistos "Enterrado" ou "As Vozes").

 

Um anti-herói carismático e a invejável abundância de piadas, aliados a algumas viragens de tom, chegam para fazer deste o filme-pipoca mais conseguido e hilariante dos últimos tempos, e é essa energia que acaba por salvar o último terço, aquele em que "DEADPOOL" cede desavergonhadamente à rotina dos super-heróis. Não há jogada meta-referencial que disfarce a vénia às regras do jogo de uma batalha encenada de forma preguiçosa, com efeitos especiais que denunciam o ar relativamente barato do filme e cenários de destruição massiva que já não impressionam. Um diálogo entre Wade e Vanessa no apartamento, mais atrás, tinha deixado muito mais impacto. Por isso deixa-se agora o pedido para a sequela, já confirmada (vale a pena ficar até ao final dos créditos): da próxima, espera-se mais conversa e menos acção.

 

 

 

3 comentários

Comentar post