Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

O musical morreu, viva o musical!

Enquanto vai coleccionando nomeações e prémios, "LA LA LAND: MELODIA DE AMOR" tem sido celebrado como um milagre capaz de ressuscitar e renovar o musical. Mas essa vertente nem é a mais interessante do filme de Damien Chazelle.

 

la_la_land

 

As 14 nomeações para os Óscares cimentam o efeito de bola de neve mediática que "LA LA LAND: MELODIA DE AMOR" tem tido ao longo da temporada, tornando-o no filme mais falado dos últimos tempos, com direito à adesão incondicional de uns e ao repúdio visceral de outros. Nada de novo aqui e, mais uma vez, não é caso para tanto: a obra mais recente do autor de "Whiplash - Nos Limites" (2014) está muito longe da excelência mas também não é tão descartável como pode parecer ao primeiro contacto.

Basta recuar até "Chicago" (2002) para lembrar outro caso de euforia desmesurada em torno do renascimento do musical, entretanto já praticamente esquecida nos esforços seguintes de Rob Marshall por esses territórios - alguém tem saudades de "Nove" (2009) ou "Caminhos da Floresta" (2014)? Felizmente, não só Damien Chazelle é um realizador mais estimulante como nem pretende oferecer aqui um novo "Chicago", embora capitalize a nostalgia em torno de um género ao regressar à era dourada de Hollywood.

 

la_la_land_3

 

A homenagem a musicais e a outros clássicos toma conta da primeira metade de "LA LA LAND: MELODIA DE AMOR", a mais entregue à nostalgia cinéfila mas também melómana (há outra ode ao jazz depois do filme anterior), através de um desfile de citações mais ou menos óbvias entre o genuíno e o calculista - tanto deixa a sensação de um entusiasta com gosto pela partilha e redescoberta como a de um realizador que parece querer mostrar serviço e usar as referências como caução artística.

Mas aos poucos, enquanto o filme vai seguindo a relação de uma aspirante a actriz e de um músico ao ritmo das quatro estações, Chazelle vai mostrando que o seu olhar não se esgota no passado, num retrato deslumbrado e saudoso da "magia do cinema". As explosões de cores garridas e a música de tom festivo do arranque vão cedendo espaço a uma atmosfera mais crepuscular, o musical torna-se uma opção discutível para acompanhar os dilemas emocionais, artísticos e profissionais do casal protagonista.

Mais do que as cenas em que Emma Stone e Ryan Gosling cantam e dançam de forma apenas competente, captadas por um realizador habilidoso, "LA LA LAND: MELODIA DE AMOR" impõe-se pela química que o par consegue ter nos momentos intimistas - nas quais equaciona manter uma vida em comum apesar das aspirações distintas, com desafios que põem à prova o companheirismo e cumplicidade reforçados ao longo da enésima variação boy meets girl.

 

la_la_land_2

 

É verdade que Chazelle podia ter aprofundado mais o retrato e que os dilemas entre uma vida amorosa confortável e a entrega desmedida à arte já estavam no centro de "Whiplash - Nos Limites", mas é bom ver que o filme não se contenta só com um espectáculo de variedades para encher a vista. Daí a justificar tanto burburinho é que ainda vai alguma distância, sobretudo quando a música não é brilhante ou a suposta coolness do pianista de Gosling nem sempre joga a seu favor (está longe de ficar entre as suas interpretações mais memoráveis), embora Emma Stone mostre outra entrega - admita-se que a sua personagem também lhe oferece mais oportunidades para isso e o realizador sabe tirar todo o partido do seu olhar, que parece feito para sequências maiores do que a vida.

Apesar dos seus méritos, "LA LA LAND: MELODIA DE AMOR" só chega a aproximar-se do grande filme que os seus adeptos mais apaixonados defendem perto do final, num casamento perfeito das vertentes escapista e realista q.b. intercaladas até aí, opção arriscada para o que parecia ser candidato evidente a feelgood movie. Mas por muito bem-vindo que este remate agridoce seja, o que está para trás ainda fica muito longe, por exemplo, da sensibilidade e inspiração de "As Canções de Amor" (2007), de Christophe Honoré - esse sim, provavelmente o grande musical dos últimos anos e infinitamente menos celebrado...