Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

O rock não morreu e ainda merece ser abraçado

Moaning

 

Foi desta que o rock morreu? A popularidade inegável do hip-hop junto do público mais jovem (e não só), o acomodamento de muitos veteranos ou a enésima réplica de glórias antigas no ADN de uma nova banda levam muitos a garantir que sim, mas convém não arrumar já as guitarras. Pelo menos enquanto continuarem a surgir revelações como uma das últimas apostas da (insuspeita) Sub Pop.

 

É verdade que não serão os MOANING a salvar, por si só, um género cuja morte tem vindo a ser decretada há décadas, até porque não trazem nenhuma novidade de maior nas suas primeiras canções. E se também é certo que a sua música convoca várias escolas em tempos tidas como alternativas - dos Joy Division aos Nirvana, passando pelo lado mais agreste dos Smashing Pumpkins -, há por aqui um sentido de urgência e uma coesão instrumental que tem faltado a muitas promessas.

 

Parte do efeito do power trio de Los Angeles nasce da forma como consegue juntar elementos pós-punk, góticos ou grunge na mesma canção, assim como sugestões de algum shoegaze (ou não fossem os Slowdive uma das influências assumidas), o que dá às primeiras amostras uma combinação equilibrada de familiaridade e imprevisibilidade.

 

A experiência em palco terá ajudado, já que Sean Solomon (voz e guitarra), Pascal Stevenson (baixo) e Andrew MacKelvie (bateria) têm tido presença regular na cena independente local nos últimos dez anos, desde que se conheceram na adolescência e aliaram a amizade à colaboração em projectos fugazes. Mas parece ser com os MOANING que irão mais longe, com um álbum de estreia em preparação desde 2014 e que conhece finalmente a luz do dia a 2 de Março.

 

O disco, homónimo, é produzido por Alex Newport (At The Drive-In, The Melvins, Bloc Party) e tem em "The Same", "Don't Go" e no mais recente "Artificial" três singles que sugerem estar aqui uma das surpresas de 2018 - além de revitalizante q.b. no campeonato das guitarras: