Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Perto da vista, longe do coração

Christopher Nolan parece acreditar que o peso de um episódio verídico marcante chega, por si só, para conceder impacto dramático a "DUNKIRK". E por isso o tour de force técnico do seu primeiro filme de guerra é pouco mais do que um desperdício, tão vistoso como vazio.

 

Dunkirk

 

Se na viragem do milénio o autor de "Memento" foi ganhando lugar entre os realizadores mais curiosos a saltar das margens para o mainstream, nos últimos anos o britânico tem ficado aquém do efeito lúdico de "A Origem" ou da intensidade de "O Cavaleiro das Trevas". O terceiro mergulho no universo de Batman foi uma desilusão, a aventura espacial rocambolesca de "Insterstellar" continua a ter lugar cativo entre os filmes mais sobrevalorizados desta década e "DUNKIRK" fica agora como terceiro regresso decepcionante consecutivo.

 

A Batalha de Dunquerque, capítulo decisivo da Segunda Guerra Mundial, é retratada por Nolan em várias frentes (terra, mar e ar, cada uma com o seu arco narrativo), mas tirando a mais-valia didáctica do olhar sobre a evacuação de cerca de 300 mil soldados aliados da localidade francesa, a sensação saliente é a de oportunidade perdida. E é uma sensação ainda mais desapontante quando o filme até começa de forma promissora, seja pela tentativa de apresentar os acontecimentos recorrendo mais às imagens (dispensando o digital) do que a diálogos explicativos e, sobretudo, pela empolgante sequência de suspense na qual dois soldados transportam outro numa maca.

 

Dunkirk_3

 

Complementado pela música de Hans Zimmer, esse episódio inicial é uma montra do inegável poderio técnico de Nolan, capaz de conjugar os impressionantes valores de produção com acção filmada de forma ofegante mas sempre clara, logo aí a suplantar muita concorrência directa que aposta tudo numa câmara epiléptica.

 

Infelizmente, este arranque inspirado está longe de ter correspondência em grande parte dos que se seguem durante quase duas horas. Em vez de trunfo ocasional, a banda sonora acaba por ser adereço recorrente, e quase sempre em modo exaltado, numa sucessão de crescendos feitos à medida do argumento. A narrativa é pouco mais do que uma alternância de situações-limite, com Nolan mais preocupado em saltitar entre espaço e tempo do que em acompanhar a fundo as pessoas por detrás dos rostos que vai filmando.

 

É verdade que o forte do britânico nunca foi o de criar e desenvolver personagens particularmente interessantes e memoráveis - se o Joker será das poucas excepções, deve muito a Heath Ledger -, mas aqui essa limitação é ainda mais óbvia. E mesmo que se aceite que possa ser intencional, optando pelo retrato colectivo, "DUNKIRK" dá geralmente prioridade a malabarismos já esperados em Nolan, sejam cronológicos (aqui perfeitamente desnecessários e pura manobra de distracção) ou visuais.

 

Dunkirk_2

 

Não é que não haja uma mão-cheia de cenas de encher a vista, embora às tantas as dos pilotos, por exemplo, já sejam mero separador para insuflar expectativa em relação aos subenredos de três soldados (encarnados por actores revelação, entre os quais o muito falado Harry Styles, que Nolan nunca deixa ir muito longe) ou ao de um altruísta Mark Rylance, cujo talento e empenho mereciam outro fôlego dramático - mas se a sua presença aqui ainda é justificada, não se percebe porque é que Nolan recrutou Tom Hardy para fazer tão pouco (desperdício ao nível do papel de Oscar Isaac em "Star Wars - O Despertar da Força", outro piloto mais figurante do que personagem).

 

Sempre é melhor do que um Michael Bay ou um Zack Snyder, desculparão alguns. Claro que sim, Nolan tem uma sofisticação a milhas desse estardalhaço enquanto foge a armadilhas patrióticas (o soldado de Cillian Murphy ajuda a conseguir alguma ambiguidade) ou ao drama puxa-lágrima, expectáveis num filme de guerra que também quer ser filme-pipoca. Mas baixar tanto a fasquia para inflacionar "DUNKIRK" diz mais sobre o estado da oferta de muito cinema mainstream anglo-saxónico actual do que das qualidades da proposta de Nolan - que as tem, só não chegam para recomendar o filme e muito menos para o tornar obrigatório num ano de tantas boas estreias sem um décimo da atenção.

 

2/5