Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Sensibilidade e bom sexo

A partir da educação emocional e iniciação sexual de um adolescente, "CHAMA-ME PELO TEU NOME" completa a trilogia de Luca Guadagnino dedicada ao desejo. E está entre os (bons) nomeados ao Óscar de Melhor Filme deste ano, mesmo que nem sempre sobressaia face a outros relatos boy meets boy.

 

Chama-me Pelo Teu Nome

 

Depois de "Eu Sou o Amor" (2009) e "Mergulho Profundo" (2015), o novo filme (e nova experiência sensorial, dirão alguns) do italiano Luca Guadagnino adapta o livro homónimo de André Aciman, com argumento trabalhado por James Ivory ("Quarto com Vista sobre a Cidade", "Os Despojos do Dia"), cineasta que quase assinou também a realização deste drama estival. 

 

Ambientado na Itália rural de inícios dos anos 80, "CHAMA-ME PELO TEU NOME" raramente se afasta muito da mansão luxuosa de uma família burguesa, centrando-se em particular no dia-a-dia do filho, Elio, um adolescente de 17 anos, durante as férias. O Verão longo, rotineiro, aparentemente interminável, impõe uma languidez que Guadagnino trabalha visual e emocionalmente a favor da relação que se vai desenvolvendo entre o protagonista e Oliver, um estudante norte-americano de 24 anos que passa alguns meses na sua casa para ajudar o pai, um professor de arqueologia reputado.

 

Se Elio reage aos primeiros contactos com algum distanciamento e desconfiança, aos poucos o par (que acabará por se tornar romântico) estabalece uma cumplicidade intelectual crescente, através de discussões sobre literatura ou música clássica, temas naturais num meio onde a erudição é palpável e a curiosidade é encorajada. Mas a maior lição deste Verão até virá a ser afectiva, quando o protagonista se depara com uma atracção tão repentina como inesperada, que o leva ao despertar amoroso e (homos)sexual.

 

Chama-me Pelo Teu Nome 2

 

Apesar do contexto singular, com um retrato local e de época bem desenhado por Guadagnino, "CHAMA-ME PELO TEU NOME" não se desvia muito, durante grande parte da sua duração, de outros retratos boy meets boy já vistos no grande ecrã. E tendo em conta que a duração até é relativamente longa - ultrapassando as duas horas -, o filme chega a acusar alguma redundância na segunda metade (a viagem na recta final, por exemplo, pouco acrescenta à narrativa e à dinâmica da relação).

 

Também não ajuda que, na sua tentativa de sofisticação formal, este drama afectuoso seja por vezes demasiado afectado (como nas sequências desnecessariamente almofadadas pela folkzinha agridoce de Sufjan Stevens). E infelizmente o cuidado com uma fotografia primorosa (assinada pelo tailandês Sayombhu Mukdeeprom, colaborador habitual de Apichatpong Weerasethakul) não tem correspondência na atenção às personagens secundárias, todas decorativas (com eventual excepção daquela que ganha outro peso numa das últimas sequências, através de uma conversa-chave que deita uma nova luz sobre o que está para trás).

 

Chama-me Pelo Teu Nome 3

 

Por outro lado, ajuda muito que o protagonista seja encarnado por Timothée Chalamet, actor revelação capaz de dar conta desta viagem interior entre a adolescência e a idade adulta, com passagem pelo deslumbramento e frustração do primeiro amor - e pelo desejo, claro, impulsionado pela inércia de dias soalheiros e sem horários. Armie Hammer, na pele de Oliver, não chega a ter um peso emocional comparável, embora o argumento também não se interesse tanto pela sua personagem, que surge como presença mais esquiva e enigmática (mas se o é para Elio, talvez não precisasse de ser para o espectador).

 

Se as opções de Guadagnino nem sempre são certeiras, a escolha de Chalamet é determinante para que a jornada coming of age (e, em parte, coming out) de "CHAMA-ME PELO TEU NOME" seja sedutora - e até refrescante quando finta sinais de homofobia à partida expectáveis.

 

Só é pena que a atenção generalizada de que o filme tem sido alvo, com direito a lugar na corrida às estatuetas douradas, pareça algo desmesurada quando outros relatos LGBTQ comparáveis, e até mais interessantes, tiveram estreias tão discretas há poucos meses. Mas já que não houve grande espaço para "Quando se tem 17 Anos""Corações de Pedra" ou "Homenzinhos", pelo menos é bom ver que o fenómeno "Moonlight", no ano passado, não foi o único caso a conseguir visibilidade global nos últimos tempos.

 

  3/5

 

 

1 comentário

Comentar post