Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Fundo de catálogo (107): The Chemical Brothers

Antes de "Hey Boy Hey Girl", antes de "Star Guitar", muito antes de "Galvanize" houve "Block Rockin' Beats", tema de abertura do disco que levou os CHEMICAL BROTHERS para outra divisão. "DIG YOUR OWN HOLE", o segundo álbum da dupla britânica, tornou Ed Simons e Tom Rowlands nos maiores embaixadores do big beat na década de 90, ao lado dos Prodigy e Fatboy Slim, e é um dos clássicos que chega aos 20 anos em 2017.

 

dig_your_own_hole

 

É verdade que "Exit Planet Dust" (1995) já tinha aberto caminho para que o duo ganhasse lugar na produção electrónica desse tempo, sobretudo pela aproximação dos universos do rock, do hip-hop e da música de dança, mas a segunda investida teve outros contornos criativos e sobretudo mediáticos.

 

Afinal, foi com o álbum lançado a 7 de Abril de 1997 que os dois produtores de Manchester saltaram da Junior Boy's Own, editora mais assoaciada à música de dança, para uma fábrica de blockbusters como a Virgin, ou que chegaram ao lugar cimeiro do top britânico em dose dupla, com os singles "Setting Sun" e "Block Rockin' Beats". O primeiro tema até teve direito a um convidado de luxo, Noel Gallagher, que em plena fase áurea dos Oasis encontrou espaço na agenda para colaborar com a dupla depois de ter insistido para dar voz a uma das canções do disco - e também depois de se ter viciado no álbum anterior, e em especial na brilhante "Life Is Sweet", com a participação de Tim Burgess, dos Charlatans.

 

 

A guest list de "DIG YOUR OWN HOLE" não é das mais recheadas da discografia dos Chemical Brothers, mas dá conta dos horizontes que teriam outra ambição nos anos seguintes.

 

Kool Herc reforça a vénia da dupla ao hip-hop no colosso "Elektrobank", com videoclip icónico realizado por Spike Jonze em torno das acrobacias de uma muito jovem Sofia Coppola. No extremo oposto, Beth Orton consegue ser graciosa enquanto lida com uma ressaca no arranque quase bucólico de "Where Do I Begin", dando um segundo passo, depois da participação em "Exit Planet Dust", para se tornar na cúmplice mais habitual do duo. E Jonathan Donahue, vocalista dos Mercury Rev, toca clarinete no grande final a cargo de "The Private Psychedelic Reel", instrumental épico de quase  dez minutos e ainda um dos maiores prodígios de ritmos, melodias e texturas dos Chemical Brothers.

 

 

O início do alinhamento não é menos portentoso, com "Block Rockin' Beats", que apesar de alguma saturação ainda está entre os picos do big beat - tal como está a esquecida faixa-título, logo a seguir, cuja gestão de batidas faz sombra a muita produção EDM demasiado celebrada nos últimos anos.

 

A pista de dança impõe-se como destino de forma ainda mais demarcada na sequência de "It Doesn't Matter", "Don't Stop the Rock" e "Get Up on It Like This", cuja mescla techno, house e funk não sairá tão favorecida em audições caseiras mas dá conta da perícia de Rowlands e Simons na mistura e colagens. E ajuda a deixar claro o papel de "DIG YOUR OWN HOLE" na electrónica mais cinética do seu ano, ao lado de "Homework", dos Daft Punk, ou "The Fat of the Land", dos Prodigy, outros álbuns que não perderam a frescura depois da maioridade.

 

Fundo de catálogo (106): Blur

blur-1997

 

Há 20 anos, os BLUR disseram adeus aos trompetes. O quinto álbum dos britânicos, editado a 10 de Fevereiro de 1997, não é homónimo por acaso, ao ter surgido no período da ressaca da fama acumulada sobretudo por "Parklife" (1994) e "The Great Escape" (1995). Depois desses dois marcos da euforia britpop, o risco de a banda ficar refém de um público adolescente (entretido pela guerra com os Oasis alimentada por alguma imprensa) impôs um virar de azimutes de parto doloroso que redefiniu a identidade do projecto.

 

Graham Coxon propunha fazer um disco que ninguém quisesse ouvir. Damon Albarn não queria abdicar da melodia, mas acedeu ao interesse do guitarrista por algum rock alternativo norte-americano (o dos Pavement, Dinosaur Jr. ou Beck). E dessa influência resultou um álbum surpreendentemente agreste e enxuto, com uma sensibilidade lo-fi a milhas da pompa orelhuda de outros tempos. No Reino Unido, a crítica vaticinou o suicídio comercial, mas o primeiro single, "Beetlebum", teve resposta imediata e o segundo, "Song 2", tornou-se um clássico instantâneo e fez a ponte com o outro lado do Atlântico que o grupo tentava há muito:

 

 

Ouvido à distância de duas décadas, "BLUR" soa menos datado do que os antecessores e tem algumas das alianças mais desafiantes entre composição e produção do quarteto. O devaneio spoken-word de "Essex Dogs", a fechar, abre a porta à electrónica exploratória que teria mais peso no sucessor, o ainda melhor "13" (1999). A atmosfera entre o críptico e o melancólico de "Death of a Party" já deixava pistas do lado mais sombrio dos Gorillaz (basta contrastá-la com "Tomorrow Comes Today") enquanto que "Chinese Bombs" antecipava a faceta punk da banda cartoon. Já a discreta "You're So Great" encorajou o profícuo percurso a solo de Graham Coxon e ainda está entre as suas canções de antologia, tão simples como desarmante - e um dos momentos mais corajosos de um álbum que não se esgota nos singles.

 

 

Fundo de catálogo (104): George Michael

Como melhorar o que já era muito bom? GEORGE MICHAELde quem fomos obrigados a despedir-nos no domingo, deixou uma resposta possível numa versão/mashup/remistura que nem precisou de se desviar assim tanto dos originais para deixar a sensação de novidade e, sobretudo, de reinvenção inspirada.

 

george_michael

 

A história do parto de "KILLER / PAPA WAS A ROLLIN' STONE" é logo invulgar, uma vez que GEORGE MICHAEL já tinha o tema entre os trunfos das suas actuações desde 1991 antes de o editar em algumas versões do EP "Five Live", em 1993. O disco registava uma pequena parte do concerto de tributo a Freddie Mercury, na Wembley Arena, em Londres, no ano anterior, que juntou o ex-Wham!, os Queen e Lisa Stansfield, entre muitos outros, embora apenas tenham sido editadas as colaborações desses três artistas.

 

"KILLER / PAPA WAS A ROLLIN' STONE" nem fez parte do alinhamento desse espectáculo, mas de um outro de GEORGE MICHAEL no mesmo espaço, no qual o britânico apostou no cruzamento do single de Adamski que a voz Seal ajudou a tornar num sucesso global em 1990 com "Papa Was a Rollin' Stone", canção dos anos 70 originalmente interpretada pelos The Undisputed Truth que atingiria o estatuto de clássico através dos Temptations.

Revisitados num medley com tanto de atípico como de arriscado, os temas transfiguraram-se numa fusão capaz de ser tradicional e futurista, acústica e electrónica, mergulhando na acid house, na soul, no rock, no funk ou no gospel e convocando sopros, cordas, percussão, teclados ou sintetizadores, que acompanharam as vozes de GEORGE MICHAEL e de um coro feminino.

O resultado era demasiado bom para ficar confinado à memória dos que estiveram nos concertos ou que ouviram o registo gravado no EP, e felizmente ganhou novo embalo rítmico no retratamento dos P.M. Dawn, com duas misturas - uma de nove minutosoutra mais curta -, e sobretudo na versão finalmente editada em single, de longe a mais popular do tema.

 

killer

 

"Killer" contou aí com uma moldura menos robótica do que a da matriz de Adamski, à semelhança do registo dos palcos, e "Papa Was a Rollin' Stone" deu o mote com o arranjo sinfónico antes de se tornar dominante na segunda metade. E dessa combinação surgiu um dos melhores exemplos da abertura de GEORGE MICHAEL a uma pop de horizontes largos no seu percurso a solo, impensável para alguns dos que o tinham ouvido na dupla de "Last Christmas" ou "Wake Me Up Before You Go-Go".

Peça fulcral para que o single tenha lugar cativo entre os mais populares do seu tempo, o brilhante videoclip de Marcus Nispel retomou temas como a solidão, liberdade ou racismo, já presentes no original de "Killer" e sublinhados na discografia do autor de "Listen Without Prejudice Vol. 1" (1990) e "Older" (1996), cujo cunho social e politico estaria presente até "Patience" (2004).

GEORGE MICHAEL fez questão de não aparecer no vídeo, para que a sua imagem não tivesse mais peso do que a música, e o realizador alemão inspirou-se nos universos da publicidade ou da moda numa das peças audiovisuais mais icónicas da geração MTV, primorosamente fotografada a preto e branco - mas se na altura era presença constante no canal de música, hoje será mais fácil encontrá-lo noutras plataformas. Abaixo ficam duas versões da canção: a do single e a da actuação no Rock in Rio de 1991, mais próxima do registo do EP "Five Live". E são ambas essenciais, seja para fãs confessos do britânico ou apreciadores de alguma da pop mais desafiante das últimas décadas: