Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

PROFUNDO AZUL

Se a espaços o filme quase se perde em cenas demasiado contemplativas, compensa-as noutras com uma forte intensidade emocional e visual, de onde sobressaem os expressivos olhares das protagonistas ou a cuidada iluminação com frequentes (e hipnóticos) tons azulados.
A bela banda-sonora instrumental composta por Para One, uma das sensações da nova electrónica francesa, sedimenta a elegância cenográfica e ajuda a que algumas sequências remetam para a carga sensorial da obra de Sofia Coppola, embora Céline Sciamma também mostre o que Catherine Breillat poderia ter atingido em "Para a Minha Irmã!" se não tivesse o propósito de chocar. E assim apresenta uma primeira longa-metragem que surpreende pela maturidade demonstrada e deixa curiosidade quanto a futuros - e breves, espera-se - passos na realização.

Marie, magra e circunspecta, e Anne, obesa e imatura, são duas amigas de quinze anos cuja fisionomia está longe dos estereótipos de beleza seguidos pela maioria dos jovens com quem convivem, e que se coadunam mais com a figura esbelta e delicada de Floriane, não por acaso a adolescente mais disputada do bairro.
Invejada pela maioria das raparigas, esta acaba por gerar alguma cumplicidade com Marie, facultando-lhe o acesso às suas aulas de natação sincronizada em troca de ajuda para que os pais a deixem sair de casa (levando-os a pensar que estão juntas quando na verdade Floriane vai encontrar-se com o namorado).
De um regular ciclo de favores nasce uma relação de amizade que as marca de formas distintas: a Marie porque lhe permite conviver com alguém que admirava em segredo, a Floriane porque lhe garante uma confidente feminina que não almeja tomar o seu lugar.
Os contactos destas duas conhecidas tornadas amigas, assim como as reacções de Anne, são o cerne de "Naissance des Pieuvres", segura estreia na realização da francesa Céline Sciamma, que aqui deixa um atestado de maturidade neste relato do universo da adolescência feminina, partindo de personagens e situações reconhecíveis sem no entanto cair em domínios óbvios.
A realizadora oferece um envolvente estudo de personagens, seguindo os episódios quotidianos de três jovens para quem a infância ainda é um espaço recém abandonado e de difícil articulação com as obrigatoriedades que a adolescência lhes impõe, em particular a forma de se relacionarem com o despontar da sexualidade.



E O VEREDICTO É: 3/5 - BOM

Filme apresentado na 8ª Festa do Cinema Francês, a decorrer até dia 15 no Cinema São Jorge, em Lisboa



Para One - "Finale"

 

Debruçando-se sobre os fantasmas que nascem do modo como as personagens lidam com as mudanças do corpo, tanto em privado como em público - onde a piscina surge como território decisivo -, "Naissance des Pieuvres" incide também nos dilemas que moldam e influenciam a construção das suas personalidades, o que leva a que os laços de amizade sejam cada vez mais voláteis, ainda que dolorosos, sobretudo quando se confundem com outras emoções.

Céline Sciamma concede a esta história de auto-descoberta uma tridimensionalidade invejável, para a qual contribuem as muito convincentes interpretações do jovem trio de actrizes e uma atmosfera realista e intimista, fruto de um sóbrio trabalho de realização e fotografia.

TV SPOTTING

Adrien Brody em 'Verão Escaldante'

Chamada de atenção para a sessão tripla de luxo desta noite no canal Hollywood: "O Candidato da Verdade", sólido thriller de Jonathan Demme, às 19h; a admirável obra-prima "Verão Escaldante", de Spike Lee, às 21h30; e a boa estreia na realização de Vincent Gallo, "Buffalo 66", à meia-noite. Para quem preferir cinema francês, a RTP2 propõe "Alice e Martin", competente drama de André Téchiné; e "India Song", fastidioso soporífero de Marguerite Duras.

FUNDO DE CATÁLOGO (4): ASH

Consta que a banda irlandesa tem novo álbum, que ainda não foi ouvido por estes lados nem se aguarda com muita expectativa, ou não fosse este um grupo que vale mais pelos singles do que pelos discos. E mesmo no caso dos singles, há já alguns anos que os Ash não apresentam um que fique na memória, ao contrário do que aconteceu nos seus primeiros dias em que "Girl From Mars" ou "Jesus Says" os apontaram como promessas a seguir.
Tal como esses, também "Numbskull" (tema do álbum "Nu-Clear Sounds", de 1998) era uma das presenças regulares do saudoso programa "Alternative Nation", no tempo em que a MTV ainda merecia alguma atenção e podia ser considerada um canal de música.
Uma canção portentosa com videoclip a condizer, a recordar aqui em baixo, mas pouco recomendável aos mais impressionáveis.



Ash - "Numbskull"

ESTREIA DA SEMANA: "PLANETA TERROR"

Gajas. Motas. Zombies. Uma protagonista com uma metralhadora em vez de uma perna. Estes são alguns dos elementos, aliciantes talvez, de "Planeta Terror" (Planet Terror), a metade do projecto díptico "Grindhouse" que Robert Rodriguez concebeu com Quentin Tarantino.

Se "À Prova de Morte", o filme do autor de "Pulp Fiction", já tinha chegado cá no Verão, o do realizador de "Sin City - A Cidade do Pecado" só estreia agora, e tal como esse concorre para o lugar de experiência cinematográfica mais esgrouviada do ano.
Esta homenagem à série Z conta com um elenco encabeçado por Rose McGowan, Freddy Rodriguez (o Rico de "Sete Palmos de Terra") e Naveen Andrews (o Sayid de "Perdidos"). A ver com tremoços e cerveja.

Outras estreias:

".45", de Gary Lennon
"Estás Cada Vez Mais Frito, Meu!", de Steve Carr
"Fados", de Carlos Saura
"O Caminho do Guerreiro Pacífico", de Victor Salva
"O Mal Casado", de Bobby e Peter Farrelly



Trailer de "Planeta Terror"