Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Noite de concerto em lume brando

O concerto estava esgotado há já vários dias e a ocasião parecia justificá-lo. Afinal, era a primeira vez que a música de Jorge Palma surgiria acompanhada por um quarteto de cordas a cargo de Alexander Stewart, Regina Aires, Alexandre Delgado e Guenrikh Elessine, os quatro elementos do Quarteto Lacerda.

 

A conjugação da habitual guitarra e piano do cantor/compositor com dois violinos, violeta e violoncelo partiu do convite do Centro Cultural de Belém, que lhe deu carta branca para apresentar o alinhamento que quisesse no formato que entendesse.

As expectativas eram por isso consideráveis, e se em alguns momentos foram atingidas noutros tantos nem por isso, pois apesar da inegável competência técnica de todos os que pisaram o palco o resultado não foi tão surpreendente como a ideia inicial sugeria.

 

 

Embora a colaboração inédita fosse um bom ponto de partida para que as canções de Palma aceitassem novas contaminações - sobretudo da música clássica, que de resto também marcou a sua formação, mais centrada no rock -, o papel do quarteto foi mais o de se colar às estruturas das canções do que potenciar novos rumos ou recontextualizações.

Houve algumas excepções, como na óptima "Valsa de um Homem Carente", talvez o momento mais intenso da noite, mas no geral a mais-valia do quarteto esgotou-se ao fim de poucos temas, uma vez que o seu contacto com estes não sofreu grandes variações e acabou por gerar um alinhamento demasidado homogéneo, sobretudo na primeira metade do espectáculo.

 

Após a primeira meia hora os resultados foram mais estimulantes, curiosamente aqueles em que Palma actuou a solo, ao piano, nos obrigatórios "Frágil" e "Dá-me Lume", onde provou que afinal a sua música nem precisa de rendilhados, funcionando muito bem num formato minimalista e menos polido.

 

Igualmente convincentes foram os momentos em que partilhou o palco com o seu filho Vicente, quer para interpretar "Abrir o Sinal", um dos poucos os mais recente álbum, "Voo Nocturno", presentes no concerto, ou o emblemático "O Bairro do Amor".

Não foi por acaso que alguém do público gritou "Filho de peixe!", já que Vicente Palma criou uma das melhores versões do disco de tributo a Adriano Correia de Oliveira, editado há poucos meses, e ontem reforçou a boa impressão quer como pianista, guitarrista ou cantor.

 

 

Episódios como estes compensaram alguns dos primeiros da noite, mas os desequilíbrios regressaram na altura do encore, que apostou no omnipresente "Encosta-te a Mim", o single do último disco que já se tornou num dos maiores êxitos de Palma.

Nada contra, excepto o facto de que o tema já tinha constado do alinhamento do concerto, e ainda que tenha sido bem acolhido pelos espectadores nas duas ocasiões foi um desperdício repeti-lo quando há tantas canções do músico que ficaram de fora.

Pior foi o facto do encore contar apenas com mais outra canção, "Finalmente a Sós", encerrando abruptamente um espectáculo que estava, aos poucos, a tornar-se mais interessante e que assim não durou mais de uma (curta) hora.

 

Mesmo assim, a julgar pela frequência dos aplausos e em especial pela ovação no final, em que muitos fizeram questão de se levantar das cadeiras, esta "Carta Branca a Jorge Palma" foi um concerto que encheu as medidas da maioria dos presentes, e os muitos comentários que envolviam adjectivos como "excelente" e "fantástico", à saída, reforçaram essa impressão.

Talvez a boa aceitação encoraje a repetição de uma iniciativa semelhante, de preferência onde as canções de Palma sejam melhor aproveitadas numa actuação mais longa.

 

 

Pág. 6/6