Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Amor com amor se paga

 

Depois de alguém ser abandonado pela namorada, qual a melhor forma de recuperá-la quando se envolve com outro homem? Seduzi-lo e fazer com que ele a traia, claro. Ou talvez não. Mas esta é a forma como Bruno tenta reconquistar Laura em "Plan B", a primeira longa-metragem do argentino Marco Berger.

 

O que aqui começa como uma comédia leve e irreverente acaba por ir ganhando densidade, assim como a pequena vingança que conduz o filme leva ao surgimento de uma inesperada cumplicidade entre os dois protagonistas - e a episódios cada vez mais tensos à medida que os limites entre a amizade e o amor são questionados.

 

Manuel Vignau e Lucas Ferraro, tanto nos momentos em que contracenam como naqueles em que têm a câmara só para si, dão às suas personagens a espontaneidade e inquietação que esta história pede (e que felizmente nunca os sujeita a juízos de valor).

 

E Berger, além de óptimo director de actores, apresenta uma primeira obra onde menos é mais, sabendo tirar partido de um orçamento limitado.

Desenhando um estilo lânguido e lacónico assente em longos planos fixos e num ritmo moroso, o realizador faz com que os frequentes compassos de espera, embora por vezes testem a paciência, sejam determinantes para o que o desenlace reserva às personagens (e aos espectadores).

E garante ainda que "Plan B" nunca se afogue numa sorumbática crise existencial graças a alguns diálogos directos, francos e espevitados, numa mistura de drama e humor que alguns cineastas latinos conseguem tão bem. Espera-se que os próximos planos mantenham a frescura desta estreia.

 

 

"Plan B" integrou a programação do Queer Lisboa 14, que decorreu de 17 a 25 de Setembro no Cinema São Jorge

 

Estreia da semana: "Bebés"

 

É certamente um dos fortes candidatos a filme mais fofinho do ano, daqueles para ser apresentado no programa de Oprah Winfrey e levar o público ao riso e/ou às lágrimas - o que, de resto, já aconteceu.

 

Mas "Bebés", do francês Thomas Balmès, também tem ganho alguma reputação internacional como um retrato oportuno, subtil e sim, emotivo, dos primeiros dias de quatro bebés (da Namíbia, Mongólia, Japão e Estados Unidos).

 

Seja como for, é um documentário com uma premissa suficientemente curiosa e, quem sabe, uma das surpresas da temporada.

 

Outras estreias:

 

"Adoro-te... À Distância", de Nanette Burstein

"Assalto ao Santa Maria", de Francisco Manso

"Depois da Vida", de Agnieszka Wojtowicz-Vosloo

"Jacuzzi, O Desastre do Tempo", de Steve Pink

"Lola", de Brillante Mendoza + "A History of Mutual Respect", de Gabriel Arantes e Daniel Schmidt

"Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme", de Oliver Stone

 

 

 

Stone e Douglas juntos novamente