Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Quem é aquela rapariga?

ema_future_void_2014

 

Privacidade, vigilância, tecnologia e ligações entre o real e o virtual eram temas que alimentavam boa parte de "The Future's Void", o segundo álbum de EMA, editado este ano (e, até ver, a merecer destaque na lista dos melhores). Peça decisiva do alinhamento, "3Jane" estava entre os momentos mais marcados por essas questões - inspirado pela forma como se comunica, ou não, nas redes sociais - e serve agora de nova chamada de atenção para um disco que não tem tido muita.

 

Depois do caos industrial de "Satellites" e da pop com sabor grunge de "So Blonde", o novo single é uma balada atmosférica com direito a videoclip futurista (ou talvez nem tanto) cujo andróide baseado em Erika M. Anderson reforça a aproximação ao universo de William Gibson (a canção tem o nome de uma das personagens da "bíblia" cyberpunk "Neuromancer"). Além deste retrato de uma mansão quase vazia com ecrãs e drones à mistura, há mais ficções/visões/premonições a caminho, já que a norte-americana está a colaborar num filme - com ligações à acção do videoclip - ao lado do realizador Y2K. Por agora, as imagens servem bem o tema:

 

 

Nascidos para matar

1231428 - FURY

 

Por um lado, "Fúria" revisita situações e cenários próximos dos de outros filmes de guerra, com "O Sargento da Força Um" ou "O Resgate do Soldado Ryan" à cabeça, movendo-se por vezes em terreno demasiado reconhecível. Por outro, a nova obra de David Ayer surpreende por ser um monolítico de crueza e desencanto - tão seguro e à prova de bala como o tanque no qual decorre grande parte da acção - que talvez não se esperasse tendo em conta a filmografia do seu autor.

"Fim de Turno" já tinha apresentado um drama envolvente, então com dois polícias, mais equilibrado do que o que estava para trás, e o realizador norte-americano sai-se igualmente bem neste mergulho nos finais Segunda Guerra Mundial centrado em cinco soldados dos Aliados na Alemanha.

Do quinteto, a dupla do sargento e do recruta mais jovem merece atenção especial e lembra a dinâmica entre veterano e novato já vista e revista - em filmes de guerra e noutros, como "Dia de Treino", de Antoine Fuqua, com argumento de Ayer. Mas Brad Pitt e o muito promissor Logan Lerman (aqui a tentar afastar-se da imagem adolescente de Percy Jackson) são tão convincentes, tanto nos momentos de choque como de empatia, que a abordagem de "Fúria" acaba por parecer mais fresca do que o que realmente é.

Os outros soldados não são menos credíveis e, também por isso, é pena que o filme nunca lhes dê tanto tempo de antena. Ainda assim, todos acabam por ter espaço para brilhar: Michael Peña cumpre, mesmo sem poder mostrar o que vale como em "Fim de Turno", Shia LaBeouf comprova que há actor para além das polémicas e Jon Bernthal chega a roubar algumas cenas aos protagonistas na pele da personagem mais imprevisível e explosiva do grupo.

 

furia_2

 

Além de escolher os actores a dedo, Ayer sobressai pelo realismo e intensidade, temperados com algum humor negro, que injecta na maioria destas mais de duas horas pouco preocupadas em apontar inocentes ou culpados - quem esperar um filme de guerra patriótico e insuflado de heroísmo não o encontra aqui, uma das maiores vantagens face ao sobrevalorizado título de Spielberg no qual se poderá ter inspirado.

A forma metódica, rigorosa, e no entanto nervosa com que o realizador filma sequências de combate também eleva "Fúria" acima de boa parte da concorrência - no departamento de blockbusters, então, é cada vez mais raro termos direito a cenas de acção tão bem orquestradas como a do confronto entre dois tanques, a milhas do registo de videoclip hiperactivo com câmara à mão. Mais surpreendente é o abandono do tanque para concentrar a tensão na casa de duas alemãs, pico dramático de um filme a espaços demasiado convencional e linear mas capaz de compensar em desvios como esse - e a ocasião sublinha, talvez como nenhuma outra, a aliança inabalável entre realizador e elenco.

Contasse o desfecho com uma sequência desse fôlego e "Fúria" teria um impacto mais forte e inquietante. Infelizmente, e apesar das valências técnicas de Ayer na sucessão de disparos (já agora, a fotografia cor de chumbo com que Roman Vasyanov forra o filme não lhe fica atrás e não podia ser mais apropriada), os últimos minutos tornam-se mais arrastados do que empolgantes. Mas se o arco narrativo do quinteto podia ser mais bem resolvido, o final não chega a diluir o impacto emocional de uma viagem com muito a reter.

 

Para uma rave ao anoitecer

dusky

 

A vénia dos Dusky a alguma música de dança dos anos 90 já era uma das marcas do duo londrino, mas num single como "Yoohoo" é especialmente inegável. Da estrutura rítmica 4/4 à presença do piano, o tema resulta num pedaço de deep house tão directo como os que Alfie Granger-Howell e Nick Harriman têm vindo a deixar, tanto no álbum de estreia ("Stick By This", de 2011) como nos vários EPs.

 

Não por acaso, o sample vocal é de "Catch", dos Kosheen, banda que também deve alguma coisa à electrónica dançável de há duas décadas, e o videoclip, com animação retro inspirada em flyers de festas desses tempos, não destoaria na programação do saudoso "Chill Out Zone", da MTV. Mas nem é preciso ter experiência em raves para aderir ao crescendo de euforia (o título não engana), seja na versão original ou na editada, com metade da duração:

 

 

Pág. 1/3