Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Agora é que é?

Discreto, mas a merecer atenção, o terceiro álbum de NUNO PRATA sublinha que o ex-baixista dos Ornatos Violeta não tem menos méritos enquanto intérprete e, sobretudo, escritor de canções. Um disco a descobrir entre o ruído promocional da quadra natalícia.

 

nunoprata3

 

Apesar de uma agenda de palcos agitada q.b., de uma discografia em nome próprio que começa a consolidar-se e de participações recentes em "Corrente", dos Clã (para o qual assinou um tema), e na compilação "Voz e Guitarra 2" (com uma versão de "Cara Estranho", dos Los Hermanos), NUNO PRATA ainda se mantém um segredo demasiado bem guardado - não só quando nos lembramos de outros projeVtos de antigos elementos dos Ornatos Violeta, mas também face a muitos nomes associados à revitalização do pop-rock em português nos últimos tempos.

Admita-se que o lançamento do terceiro álbum, homónimo, na recta final do ano - quase sempre guardada para listas de balanços e edições natalícias -, também não será a mais favorável para que as novas canções do cantor, compositor e músico portuense tenham o eco merecido. E vale bem a pena dedicar alguma atenção ao sucessor de "Todos os Dias Fossem Estes/Outros" (2006) e "Deve Haver" (2010), novamente a revelar uma voz própria, segura na escrita e nos arranjos.

Gravado a dois, ao lado do multi-instrumentista Nico Tricot, colaborador habitual, numa pequena sala de um andar de escritórios, esta edição de autor (apoiada pela Cultura FNAC e Fundação GDA) mantém o ambiente intimista, talvez até mais do que os antecessores. À semelhança desses, "NUNO PRATA" intriga por uma diversidade instrumental que nunca equivale a canções balofas e ostensivas, até porque são sempre comandadas pelas palavras - às vezes sarcásticas, como em "Vai Andando Sobre as Águas", crónica do delírio coletivo pelo falhanço individual e contraste com a vulnerabilidade envolvente de "Simplesmente É Isso", tema que convida Manel Cruz.

 

 

Por vezes comparado a Sérgio Godinho ou Chico Buarque, o cantautor também não anda longe do despojamento dos Feromona ou do sentido de humor dos Clã, nomes mais aproximáveis do que a escola Ornatos. E se talvez possa ser cedo para falarmos de uma escola NUNO PRATA, há por aqui sinais de personalidade como a piscadela de olho de "Julgava Estar Resolvido (Inventa Agora um Refrão)" a "Refrão-Canção", um dos grandes momentos do álbum anterior, ambas debruçadas sobre a nobre arte (ou árdua tarefa?) de escrever canções ("Inventa agora um refrão/ É tempo já de o fazer/ Tens o quê para dizer?/ Conclui a dissertação").

Curtos e directos, quase sempre a rondar os três minutos de duração, estes temas servem pequenas narrativas centradas em episódios mundanos, como o das noites mal dormidas de "A Minha Inveja", com NUNO PRATA a convocar um ukulele para remoer frustrações. Mais descontraída, "As Voltas (Fiz Por Me Lembrar de Ti)" dança entre encontros e desencontros em modo acústico e com direito a assobio, reflexões na linha das de "Sentada À Minha Espera", em que os teclados tentam disputar o protagonismo da guitarra.

Embora comece bem, assente num dia desperdiçado em casa, a faceta lânguida de "Hoje É Feriado" não é tão certeira, culpa dos quase seis minutos que saem a perder face à concisão dos outros temas. Nada que o final do alinhamento não compense, graças à fuga para a frente de "Levanta-te e Anda", marcha obstinada e abrilhantada pelo xilofone, sininhos, ganzá ou ovinho. A hesitação entre procrastinar ou tentar a sério passa ainda por "Agora É que É", outra aliança inspirada entre cordas e percussão, com potencial de hino ainda maior caso encontre guarida em algumas rádios. Porque estas canções, apesar de valerem por si, também precisam de amigos.

 

 

Gelado de Inverno

chela

 

Os fãs de CSS, NYPC ou La Roux talvez não se importem que um rebuçado pop como "HANDFUL OF GOLD" chegue fora de época. O novo single de CHELA pede noites de Verão (ou pelo menos quentes q.b., como a do videoclip), mas não é difícil aderir a esta synth pop pegajosa noutros ambientes.

 

A australiana Chelsea Whitley, uma das revelações mais recentes da Kitsuné, continua a dar bom nome à editora francesa especializada em electrónica dançável e deverá editar o álbum de estreia em 2015, depois de um EP e vários singles. Se souber ir variando os sabores da receita, que não sendo nova ainda pode ser saborosa, talvez mereça destaques generosos nas próximas playlists veraneantes. "HANDFUL OF GOLD" abre o apetite, tanto pelo som, muito anos 80, como pela imagem, que parece recuar até à mesma época: