Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Um regresso de coração aberto

Bis

 

Cinco anos depois do último disco e 25 após a estreia, os bis protagonizam um dos primeiros regressos de 2019. "Slight Disconnects", o quinto álbum dos escoceses, chega a 15 de Fevereiro e promete retomar o formato mais lo-fi e do it yourself dos primeiros tempos, quando um EP como "Transmissions on the Teen-C Tip!" (1995) ou o primeiro longa-duração, "The New Transistor Heroes" (1997), os tornaram numa das sensações indie do momento enquanto também os atiraram para o palco do "Top of the Pops" ou para a banda sonora de "The Powerpuff Girls" (foram eles os autores da canção do genérico final da série do Cartoon Network).

 

"SOUND OF A HEARTBREAK", o tema de avanço, lembra em parte essa fase inicial mas também parece ser uma continuação directa do quarto álbum, "Data Panik Etcetera" (2014), que já recuperava guitarras da escola pós-punk depois de alguns registos tendencialmente electrónicos.

 

Não sendo dos singles mais viciantes que Manda Rin, John Disco e Sci-fi Steven já ofereceram (canções como "Eurodisco" ou "The End Starts Today" também deixaram o patamar elevado), o resultado não deixa de ser orelhudo, soa inequivocamente aos bis e dá vontade de acompanhar o regresso aos discos. E também de espreitar o reencontro com os palcos, a arrancar em três concertos agendados para Glasgow, já em Fevereiro, que terão alinhamentos diferentes (e material não falta, entre os álbuns, vários EP ou lados B). O novo videoclip dá uma ideia do que esperar, a partir da sala de ensaios:

 

 

Em equipa que ganha não se mexe

Kap Bambino

Foto: François Quillacq

 

Se a música dos KAP BAMBINO se sujeitasse ao desafio 10 years challenge, tendência da semana nas redes sociais, as diferenças entre a versão de 2009 e a de 2019 seriam mínimas. Pelo menos a julgar pelo novo single da dupla francesa, "ERASE", que poderia ter feito parte do alinhamento de "Blacklist", disco editado há dez anos.

 

A canção é a primeira de Caroline Martial e Orion Bouvier desde o já distante "Devotion" (2012), o quarto álbum, e abre caminho para o registo sucessor, "Dust, Fierce, Forever", anunciado para 12 de Abril. Sem propor viragens ao electropunk acelerado do duo, o tema compensa em eficácia o que lhe falta em novidade, com as palavras de ordem da vocalista e os sintetizadores do produtor a atestarem a pontaria de uma fórmula que funciona especialmente bem ao vivo.

 

Concertos em palcos nacionais, de Paredes de Coura ao Super Bock em Stock (mais uma vez, em 2009), não deixaram grandes dúvidas sobre a força contagiante da banda. Por isso, espera-se que a digressão deste ano, já garantida mas ainda sem datas avançadas, possa encontrar espaço numa sala ou festival por cá. Por agora, fica o consolo de um regresso tão familiar como certeiro, com a agitação sonora a ter complemento na estética agreste do videoclip:

 

 

Mulheres à beira de um ataque de nervos

Três das primeiras estreias do ano dão conta dos regressos de Maggie Gyllenhaal, Felicity Jones e Natalie Portman ao grande ecrã. Mas "A EDUCADORA DE INFÂNCIA", "UMA LUTA DESIGUAL" e "VOX LUX" são filmes de interesse muito variável...

 

The Kindergarten Teacher - Still 1

 

"A EDUCADORA DE INFÂNCIA", de Sara Colangelo: Estudo de personagem ambíguo e obsessivo, este drama que adapta "Haganenet" (2014), filme do israelita Nadav Lapid (que não teve estreia comercial em Portugal), oferece a Maggie Gyllenhaal um dos maiores desafios do seu percurso. E ela mostra estar à altura na pele de uma mulher cujo quotidiano rotineiro, com uma vida familiar e profissional em ponto morto, tem direito a novo fôlego a partir do deslumbre pelo potencial artístico (e literário e poético em particular) de uma das crianças do jardim de infância onde trabalha. À medida que esse fascínio inicial ganha intensidade e começa a dominar o dia-a-dia da protagonista, a realizadora não teme ir movendo o filme para zonas de sombra, embora com a sobriedade a impor-se a tentações de sensacionalismo (o que é especialmente assinalável num olhar sobre a exploração infantil). E da fuga para a frente da personagem de Gyllenhaal, sempre esquiva tanto para o espectador como para os que a rodeiam, nasce um retrato melancólico e adulto da frustração, sem julgamentos nem clichés do thriller psicológico (território do qual a acção se aproxima na recta final). Muito bem defendida por uma actriz capaz de traduzir essa ansiedade e inquietação, está aqui uma das boas surpresas recentes do cinema independente norte-americano - e uma nova chamada de atenção para uma cineasta depois da sua primeira longa-metragem, a pouco vista "Pequenos Acidentes", de 2014.

 

3/5

 

Felicity Jones stars as Ruth Bader Ginsburg in Mimi Leder's ON THE BASIS OF SEX, a Focus Features release.

 

"UMA LUTA DESIGUAL", de Mimi Leder: Não há nada de especialmente falhado neste relato da história (ou parte dela) da juíza Ruth Bader Ginsburg, a segunda mulher e primeira judia a ocupar um cargo no Supremo Tribunal de Justiça dos EUA. Mas como em tantos outros biopics, também não há nada de especialmente inspirado. Admita-se que a perspectiva de Mimi Leder ("Favores em Cadeia", "O Pacificador") nem é tão maniqueísta como parece à partida, já que vai expondo a postura inicialmente exemplar da personagem principal a algumas contradições e tensões com a família ou com outros aliados da sua cruzada contra a discriminação feminina. Só que nem essa ambivalência ocasional chega para tornar muito estimulante uma narrativa formatada e sem grandes ideias de realização, apesar da óbvia competência de recursos - dos cenários impecavelmente polidos a alguns diálogos certeiros ou a interpretações que não comprometem. Felicity Jones até consegue ir mostrando a mulher por trás do símbolo, ainda que o argumento não lhe dê tantas oportunidades como ela ou Ginsburg merecem - ocupado entre saltos temporais ou a impor a mensagem (meritória e pedagógica) às personagens (maioritariamente esquemáticas). Armie Hammer, que nas primeiras cenas parece limitar-se a repetir a pose de "Chama-me Pelo Teu Nome", também convence como a outra metade do "power couple" no centro da história, com uma contenção que ajuda a orientar o percurso obstinado da protagonista. Mas nem o capital de simpatia da dupla eleva o resultado acima de cinema morno, tão bem intencionado como bem comportado, e a fechar com uma sequência que não se distingue muito das de demasiados filmes ou séries de tribunal. Pedia mais garra, esta luta...

 

2,5/5

 

vl_2003.dng

 

"VOX LUX", de Brady Corbet: O actor que se estreou atrás das câmaras com "A Infância de um Líder" (2015) não faz a coisa por menos: o seu segundo filme chega com a pretensão de deixar "um retrato do século XXI". E não começa mal, no primeiro de três capítulos que acompanha, de forma intrigante q.b., uma adolescente aspirante a cantora que sobrevive um massacre no seu liceu, deixando pistas sobre as ligações que podem nascer entre a tragédia e a arte, a inadaptação e a procura de um rumo (pontes complementadas pela voz off de Willem Dafoe e a banda sonora de Scott Walker). Mas Corbet rapidamente se perde num ensaio sobranceiro que parte da carreira da protagonista, entretanto transformada numa estrela pop planetária, para colocar em cheque o individualismo e a falta de comunicação na era das redes sociais, com um olhar cínico sobre a fama e a sociedade de consumo ao qual não falta, como no arranque, um paralelo com a ameaça terrorista. Infelizmente, "Vox Lux" assenta numa personagem desinteressante e estereotipada, e mesmo que o seu narcisismo e futilidade sejam deliberados, o olhar do realizador sobre ela não é muito melhor. A faceta pessoal e profissional da figura interpretada por Natalie Portman (com uma postura tão afectada como em "Jackie"), na idade adulta, e antes por Raffey Cassidy, que regressa para encarnar a filha desta (com uma interpretação muito mais espontânea), tem uma tensão dramática aquém da que o filme procura e só realça que o seu autor tem pouco a dizer - ou que não encontrou aqui a forma mais conseguida de se expressar. O desenlace sublinha ainda mais a sensação de experiência falhada, ao apontar sugestões de um musical pós-moderno baseado em canções inéditas de Sia, tão medíocres que as cenas em palco chegam a tornar-se penosas. Decididamente, Corbet não faria mal em afinar a voz criativa...

 

1,5/5

 

A noviça rebelde

Cherry Glazerr 2019

 

Longe vão os dias em que os CHERRY GLAZERR se contentavam com um rock de garagem pachorrento através do qual Clementine Creevy, a mentora e vocalista do grupo, fazia a crónica do quotidiano (geralmente entediante) da sua adolescência, entre pequenas odes gastronómicas ("Grilled Cheese") ou despedidas a animais de estimação ("Glenn the Dwag ").

 

Das vinhetas despretensiosas de "Haxel Princess" (2014),os californianos saltaram para "Apocalipstick" (2017), disco no qual se levaram mais a sério enquanto fizeram sobressair preocupações feministas cruzadas com experiências sobre a entrada na idade adulta, mudança que se fez acompanhar por uma moldura sonora mais musculada e outra atenção à produção.

 

Os singles mais recentes do trio, "Juicy Socks" e "Daddi", já tinham insinuado que esse seria o caminho a seguir no próximo álbum e a nova canção não vem trair a suspeita. Com uma sonoridade mais saturada do que nunca, "WASTED NUN" retoma a escola de algum rock alternativo de meados dos anos 90, através de guitarras efervescentes e refrão orelhudo, e será uma amostra fiel do que esperar em "Stuffed & Ready". De acordo com a vocalista, o álbum agendado para 1 de Fevereiro será o mais portentoso da banda ao partir da pressão sobre as mulheres e de crónicas de frustração, auto-destruição e revolta.

 

Fica o alerta, juntamente com um videoclip cuja mistura garrida do sagrado e do profano parece ter qualquer coisa do universo neo-noir de Nicolas Winding Refn, o realizador de "Drive - Risco Duplo", "Só Deus Perdoa" ou "O Demónio de Néon":

 

 

Pág. 1/2