Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Uma via sacra até à pista de dança

GusGus.jpg

Apesar de ser o novo single dos GUSGUS, "OUR WORLD" não é propriamente uma canção nova. A terceira amostra oficial para o 11.º álbum dos islandeses já tinha surgido no alinhamento de alguns concertos (pelo menos desde 2016) e nem mudou assim tanto na versão finalmente editada. Mas tem pelo uma diferença substancial: a participação de Margrét Rán, vocalista dos VÖK e a adição mais recente ao grupo.

A voz protagonista, ainda assim, é a de Daníel Ágúst Haraldsson, um dos elementos originais do colectivo e actual mentor do projecto ao lado de Birgir Þórarinsson, outro dos criadores da banda de Reiquiavique. Sucessor da frenética "Higher" e da mais contida "Stay the Ride", a nova aposta para um disco ainda sem título nem data de edição revelados (será o primeiro desde "Lies Are More Flexible", de 2018) está algures entre os ambientes desses dois singles, com um embalo rítmico que vai do techno ao trance e intercala intensidades sem nunca chegar a explodir.

O videoclip acompanha o vocalista em modo aparentemente sacrificial, mas acaba por terminar num cenário festivo, o que não é assim tão inesperado numa banda que junta hedonismo e alusões religiosas desde os tempos em que Haraldsson entoava "I am in love with God" no clássico "Starlovers" (1999). É bom ver que algumas coisas nunca mudam:

O "french touch" já lá vai, mas ainda há boas novidades musicais francesas

REQUIN-CHAGRIN-Andrea-Montano.jpg

Descontando uma ou outra revelação, como Christine and the Queens, e grandes estrelas internacionais, caso dos recentemente separados Daft Punk, a nova música francesa já não chega a Portugal com a regularidade e dimensão de outros tempos (sejam os do "frech touch" electrónico, na década de 90, ou os dos universos da new wave e da chanson, mais lá para trás). Mas não será por falta de artistas interessantes. Nos últimos anos, Irène Drésel, Alice et Moi, Baptiste W. Hamon, FAUVE ou Modern Men, entre muitos outros, têm mostrado que há canções e discos merecedores de atenções fora de portas - da pop ao rock, da folk à música de dança.

Outro nome a acompanhar, REQUIN CHAGRIN é o projecto de Marion Brunetto, uma das apostas da KMS Disques - a editora de Nicola Sirkis, vocalista dos veteranos Indochine -, que depois de dois álbuns que justificam a (re)descoberta já anunciou o terceiro. Apontado para Abril, tem em "DÉJÀ VU" uma primeira amostra a sugerir que a dream pop, já presente nos registos antecessores, vai ganhar maior protagonismo. E a cantautora confirma-o ao salientar a influência dos Beach House, ainda que esta canção, dominada por teclados e sintetizadores, seja mais cintilante do que o registo habitual da dupla norte-americana.

O videoclip, a aliar simplicidade e elegância, mantêm o mar como ambiente natural, como já acontecia nas imagens de "Sémaphore", outro belo cartão de visita para um disco que valeu a espera, há dois anos.

Do Festival da Canção aos Pauliteiros de Miranda (via pop electrónica)

Filipe_Keil.jpg

Embora já contasse com temas editados desde 2014, FILIPE KEIL tornou-se um nome mais familiar para muitos ao ter sido um dos concorrentes da edição de 2019 do Festival da Canção, na qual apresentou "Hoje". Mas essa balada assente na voz e no piano nem será a mais representativa de uma sonoridade que deu os primeiros passos num EP vincado por ecos da new wave, "Keil" (2014), com o cantautor a expressar-se em português e inglês, ao qual se seguiu o acústico "Sonhador" (2017), este já a optar apenas pela língua materna - escolha que se tem mantido desde aí.

Alguns singles volvidos, "(A)CORDA" propõe agora mais quatro canções inéditas e alarga consideravelmente os horizontes líricos e sobretudo sonoros do artista nascido em Chaves há 30 anos (e que além de manter um percurso musical, editou no ano passado "A Salvação da Primavera", livro que escreveu e ilustrou).

Conforme explicou em entrevista ao SAPO Mag, no novo EP FILIPE KEIL parte de uma combinação de tradição e contemporaneidade, da música de Trás-os-Montes à pop electrónica, enquanto canta sobre identidade, crescimento e liberdade. Pelo caminho, também questiona conceitos de masculinidade (como aliás já fazia no registo de estreia, em "Cry Boy, Cry!") e atira-se a territórios inesperados no momento mais agreste do disco, "Hora", a sugerir audições atentas dos Nine Inch Nails - e a mostrar-se capaz de integrar essa eventual herança numa linguagem que vai definindo como sua.

A escolha para tema de apresentação, no entanto, recaiu sobre "O AMOR COMO É?", também ele a denunciar sinais de mudança. Inspirado pelo som do bater dos paus dos Pauliteiros de Miranda, é um single contagiante - talvez a canção mais dançável do flaviense até aqui - e chega com um videoclip assinado pelo cantor que aposta num sentido estético mais personalizado. A tradição dos Caretos de Podence também se faz notar nas imagens, curiosamente numa altura em que esse legado marca uma das concorrentes mais fortes do Festival da Canção deste ano. E ajuda a sinalizar, numa das boas surpresas da pop nacional da temporada, que o caminho do FILIPE KEIL de 2021 já está bem distante dos tempos de "Hoje".

De homem para homem

MAN ON MAN.jpg

Além de ser teclista dos Faith No More (e co-compositor de canções como "Be Aggressive"), Roddy Bottum tem tido um caminho com várias aventuras paralelas nas quais assumiu outros papéis, da voz à guitarra, em grupos que incluem os Imperial Teen, Nastie Band, CRICKETS ou o que mais o tem ocupado nos últimos meses, MAN ON MAN.

Criado com o seu companheiro, Joey Holman (ex-elemento da banda alternativa cristã Cool Hand Luke), o duo norte-americano estreou-se no ano passado com "Daddy", single centrado no amor (e no sexo) entre dois homens que chegou acompanhado de um videoclip ilustrativo da proposta do projecto: a representação pouco ou nada estereotipada de um casal homossexual, a dispensar protagonistas "bonitos, jovens e depilados", conforme assinalou Bottum em entrevista à Rolling Stone.

man-on-man-album-cover.jpg

"Baby, You're My Everything", a segunda canção da banda, teve um videoclip mais uma vez protagonizado pela dupla, tal como volta a acontecer em "1983", o novo avanço para o disco de estreia, anunciado esta semana. O álbum, homónimo, é o resultado criativo de meses de confinamento a dois, na Califórnia, inspirando-se também numa viagem entre a costa Este e Oeste dos EUA ou experiências de luto recentes - ambos os músicos perderam as mães nos últimos meses.

Agendado para 17 de Maio, o primeiro longa-duração do projecto que se define como sendo tão visual como musical parece ser mais dominado pelas guitarras do que pelos teclados que tornaram Bottum um nome célebre no rock (embora estes não deixem de estar presentes). Pelo menos a julgar pelas primeiras amostras, cujos momentos mais distorcidos lembram a efervescência de algumas escolas indie dos anos 90.

É por essas coordenadas que segue "1983", canção tão propulsiva como melódica, com harmonias vocais próximas dos primeiros dias de uns Dandy Warhols e irreverência lírica comparável, ainda que os MAN ON MAN apostem noutros retratos. Aqui, o foco é uma relação casual com direito a videoclip de Steven Harwick (fotógrafo e criador da fanzine Bound Leather) parcialmente filmado no Vale de Cashmere, no Prospect Park de Brooklyn, local de cruising gay homenageado pelo duo:

Pág. 1/3