Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Vitamina pop

Após seis álbuns e mais de uma década de carreira, os Cardigans editam finalmente uma compilação com os seus maiores êxitos, com o muito esclarecedor título "The Best of".

 

Se para muitos artistas esta é uma mera jogada de oportunismo comercial, no caso da banda sueca esta edição até faz sentido, não só porque a longevidade já o justificava mas sobretudo porque, apesar de terem alguns álbuns interessantes no seu currículo, os Cardigans sempre convenceram mais pelos seus habitualmente certeiros singles.

Além disso, a compilação até contempla mais do que os inevitáveis êxitos, incluindo um disco extra com raridades.

 

 

 

Ao todo reúnem-se aqui 45 canções que traduzem bem o percurso do grupo, recolhendo exemplos das suas várias fases. Hits solarengos como "Rise and Shine" ou "Sick & Tired" recordam os primeiros álbuns, "Emmerdale" (1994) e "Life" (1995), que atiraram a banda para a lista de promessas da década de 90 e atestaram a sua eficácia no criação de agradáveis canções de travo descaradamente pop, com traços lounge, twee e easy listening.

 

Temas como esses, "Carnival" ou "Daddy's Car" continuam frescos e resistiram melhor do que os discos, cuja carga kitsch daria lugar à maior consistência de "First Band on the Moon" (1996), o álbum que lançou os Cardigans para o estrelato através de ainda mais catchy "Lovefool", que na altura demonstrou omnipresença nas rádios e televisões.

 

Não tão mediático mas decididamente mais entusiasmante, "Gran Turismo" (1998) abraçou a frieza electrónica e quase eliminou a aura poppy das composições da banda, que cedeu espaço a flirts com algum experimentalismo devidamente recordados em temas como "My Favourite Game" ou "Hanging Around".

 

 

 

Se este "The Best of" fosse para levar à letra, então deveria incluir mais canções do terceiro álbum da banda, o mais ousado e consistente, que esconde pérolas como "Explode", "Starter" ou "Paralyzed" - infelizmente, nunca editados como single por não terem, de facto, o perfil radiofriendly de tantos outros temas.

 

Recebida com hesitação tanto por grande parte da crítica como dos fãs, esta sonoridade foi substituída pela carga acústica e outonal de "Long Gone Before Daylight" (2004) e "Super Extra Gravity" (2005), discos com traços folk e alternative country seguidores do caminho iniciado pelo projecto a solo de Nina Persson, A Camp, onde colaborou com Mark Linkuous dos Sparklehorse.

 

Esse reforço da carga melancólica não foi incompatível com canções de sabor imediato na linha de "For What It's Worth", "Live and Learn" ou "I Need Some Fine Wine and You, You Need to Be Nicer" (um dos títulos mais inspirados dos últimos anos).

 

 

 

Recordando todas estas fases, o primeiro disco de "The Best of" oferece um cardápio sonoro relativamente versátil de algumas das melhores iguarias pop dos últimos anos, condimentadas por arranjos minuciosos, letras irónicas q.b. e, claro, a voz de Nina Persson, uma das vocalistas mais cativantes e carismáticas a emergir na década passada.

 

O segundo é menos oportuno, pelo menos para quem não seja fã acérrimo da banda, já que as suas mais de 20 canções são quase todas meras curiosidades - demos, lados-b ou inéditos, quase todos dos primeiros anos do grupo, que não precisavam de ter saído do arquivo dos seus elementos.

 

Há alguns momentos que fazem sentido, como "Deuce", que integrou a banda-sonora do filme "Ficheiros Secretos", ou canções sem ar de esboço como "Give Me Your Eyes" e sobretudo "Slow", arrepiante canção com uma absorvente carga soturna que ficou de fora do alinhamento de "Super Extra Gravity" (embora seja superior a qualquer tema desse álbum).

 

Mesmo desequilibrando o resultado geral, este segundo disco não compromete que esta colecção de canções funcione enquanto um bom retrato de uma banda que, não sendo das mais determinantes, tem mantido um percurso consistente que merece continuar a ser seguido.

 

 

 

The Cardigans - "I Need Some Fine Wine and You, You Need to be Nicer"