Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Kickboxer melancólico

Afinal Van Damme até tem sentimentos. Ou pelo menos simula-os bem em "JCVD", certamente o filme mais inesperado do seu currículo, onde faz de si próprio e não tem medo de expor os altos e (sobretudo) baixos da sua carreira.

 

Com uma vida familiar a desmoronar-se e propostas profissionais cada vez menos apelativas - que o obrigam a aceitar sempre papéis pouco exigentes -, a estrela de filmes de acção de outros tempos é agora um homem desencantado que regressa à Bélgica, onde nasceu, apenas para se ver envolvido num assalto a uma estação de correios.

 

 

Além de ser um dos sequestrados por um trio de ladrões, um equívoco leva a que a polícia e população locais - que o idolatram - o considerem o cabecilha dos criminosos.

 

Mas em vez do habitual e previsível festival de pancadaria, "JCVD", do francês Mabrouk El Mechri, é antes um heist movie conjugado com comédia espevitada e, especialmente, uma oportunidade para projectar uma imagem renovada de Van Damme, que aqui não tem medo de se rir de si próprio nem de demonstrar a sensibilidade escondida atrás de acrobacias e pontapés.

 

Pena que a revele de forma por vezes forçada, como num monólogo a roçar a auto-comiseração, onde une um olhar de cãozinho abandonado a música saca-lágrimas.

 

 

E lamenta-se também que a oportuna carga auto-consciente do filme - com bons momentos na forma como a população belga lida com o actor ou nas farpas que atira a Steven Seagal ou John Woo - não tenha contraponto numa narrativa pouco arrojada.

El Mechri bem evita que esta seja linear, mas as cenas de suposta tensão entre assaltantes e polícia pouco diferem de outras já vistas e revistas muitas vezes.

 

E isto, aliado a um tom indeciso entre a ligeireza e a gravidade ou à irrelevância de qualquer personagem excepto o protagonista, faz de "JCVD" um filme menos refrescante do que parece ao início.

Mesmo assim, quem o vir dificilmente olhará para Van Damme da mesma forma: (quase) ninguém diria, mas aqui consegue ser convincente, e não só nas (raras) ocasiões em que a testosterona comanda a acção.

 

 

"JCVD" integra a programação da sexta edição do IndieLisboa, a decorrer até 3 de Maio

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.