Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Há amor nestas canções

Bastaria "Rounds" (2003), o seu terceiro álbum, para Four Tet ter lugar cativo entre a galeria de ilustres da música electrónica recente. Mas é bom ver que a sua criatividade não se esgotou nesse disco, onde aliou como poucos beleza, simplicidade e experimentalismo.

 

De então para cá, as composições do músico/DJ/produtor nem sempre se mostraram tão vitais, apesar da sua colaboração com Burial no EP "Moth / Wolf Club", editado no ano passado, ter dado boas indicações que o seu quinto álbum, "There is Love in You", vem agora consolidar.

 

 

A parceria com o autor de "Untrue" (2007) parece, de resto, ter inspirado alguns dos caminhos e ambientes que o novo disco percorre.

Essa reminiscência revela-se sobretudo na aposta em samples vocais que condimentam a maioria destes instrumentais - mais uma vez esculpindo melodias cativantes assentes na repetição de ritmos e ténues desenvolvimentos de texturas.

 

Ao contrário de muita música de dança, aqui a repetição dificilmente se torna cansativa, mesmo quando é uma constante em canções que atingem quase dez minutos de duração.

A mais longa, "Love Cry", arranca em modo atmosférico até se ancorar numa batida à qual vai adicionando vários elementos - sendo o principal uma voz feminina manipulada que repete, de forma mais ou menos perceptível, o título da canção.

 

 

Já "This Unfolds" propõe uma viagem electroacústica que parte de territórios contemplativos e pós-rock para, aos poucos, ir acentuando uma cadência mais dinâmica, noutro exercício de minimalismo magnético.

 

Algures entre a fragilidade de uma caixinha de música e a euforia (muito controlada) de uma pista de dança, "Plastic People" propaga uma melodia absorvente e, mais uma vez, circular, em seis minutos de apelo imediato.

 

Ainda mais directa e saltitante, "Sing" quase podia ser resultado de uns Crystal Castles em modo intimista e com inspiração nas texturas espaciais de Alex Wilner (The Field).

 

Mas o episódio mais fascinante de "There is Love in You" acaba por ser "Circling", não por acaso um dos que mais remete para "Rounds" à medida que desenha ondulações hipnóticas, num belíssimo exercício de electrónica luminosa com Four Tet em estado de graça - e a melhor porta de entrada para um regresso que se mantém recomendável ao longo de todo o alinhamento.