Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Spielberg vai a jogo (e o cinema sai a perder)

Nem divertimento escapista nem reflexão digna de nota: "READY PLAYER ONE: JOGADOR 1" traz a assinatura de Steven Spielberg, mas mal se distingue dos produtos descartáveis de muitos tarefeiros de Hollywood. Desde já, uma das desilusões de 2018...

 

Ready Player One

 

O problema talvez já venha do livro homónimo de Ernest Cline que o filme adapta, editado em 2011 e promovido a bíblia de muitos devotos da cultura pop em geral e dos videojogos em particular, embora o ponto de partida não sirva de desculpa para o resultado final. "READY PLAYER ONE: JOGADOR 1", na verdade, parece estar mais na linha de alguma ficção científica light e juvenil dos últimos anos - a de sagas como "Os Jogos da Fome" ou "Maze Runner", também com raízes literárias -, do que dos clássicos do autor de "E.T." que inspiraram gerações desde os anos 80.

 

Não que o filme não tenha ecos dessa década (ou da seguinte, ainda que menos dominantes). É, aliás, um dos exemplos recentes mais descarados de capitalização da nostalgia, com o argumento a ser pouco mais do que um inventário de referências e citações associadas à infância e juventude de muitos dos que cresceram com Spielberg. E se na primeira metade a narrativa ainda consegue ir revisitando, com alguma energia, vários universos em tempos considerados de culto mas hoje cada vez mais globais (da fantasia ao terror, passando pelo anime), a graça depressa se esgota e não sustenta as mais de duas horas de duração desta saga futurista onde o reconhecimento ganha quase sempre à surpresa.

 

Ready Player One 2

 

Mais problemática do que o concentrado de piscares de olho óbvios (ouça-se a lista de canções dos anos 80, especialmente preguiçosa e cansativa) é a trama distópica da qual está ausente a capacidade de maravilhamento indissociável dos melhores filmes de Spielberg, com a vertente lúdica sugerida ao início a ceder terreno a um jogo de pistas genérico e rotineiro, que nem sequer consegue dar novos mundos a cenários da realidade virtual (há uma sequência numa discoteca com algum esplendor, mas é a exceção que só confirma a regra).

 

Spielberg parece mais preocupado em oferecer uma colecção de "easter eggs" do que em desenhar personagens de corpo inteiro, num desperdício de actores que deixa Tye Sheridan entregue a um cliché geek (pós-Peter Parker, pós-Harry Potter e mais pobre do que ambos) e Ben Mendelsohn reduzido a uma presença sonolenta como vilão de serviço, tão esquecível como o que encarnou em "Rogue One: Uma História de Star Wars" (e tão longe de uma das interpretações mais magnéticas dos últimos anos, em "Bloodline").

 

Ready Player One 3

 

Mark Rylance tenta esboçar uma figura mais ambígua, embora acabe por ser só outra peça do tabuleiro. E é logo aquela através da qual "READY PLAYER ONE: JOGADOR 1" tenta vender um final entre a mensagem inspiradora e a epifania, mas que deixa um sabor a sentimentalismo pouco sincero, no qual é difícil de acreditar depois de tanta parafernália tecnológica pronta a encher o olho (com direito a batalhas e perseguições consecutivas num terceiro acto especialmente arrastado). Custa ver, aliás, como um cineasta habitualmente tão interessado em explorar laços familiares trata os que estão mais próximos do protagonista, o que só vem reforçar o esquematismo de um blockbuster tão revivalista quanto despersonalizado.

 

Se a ideia era conjugar referências do passado e deixar inquietações em relação ao futuro, Spielberg bem podia ter guardado o livro de Cline na gaveta enquanto espreitava "USS Callister" ou "San Junipero", episódios de "Black Mirror" que provam como alguma televisão pode ser mais subversiva, lúdica e inventiva do que muito cinema - e nem impinge óculos 3D para tentar disfarçar a fraca experiência uma sala grande...

 

 1,5/5

 

 

Gritos mudos

Fenómeno de culto instantâneo? Contra todas as expectativas, "UM LUGAR SILENCIOSO" tem sido um sucesso de público e de crítica e chama finalmente atenções para o percurso de John Krasinski atrás das câmaras. E à frente delas, o actor de "The Office" (versão americana) também não se sai nada mal nesta muito curiosa abordagem ao terror...

Um Lugar Silencioso

 

O que começou como uma proposta de argumento de Bryan Woods e Scott Beck, realizadores de terreno indie, acabou por ser abraçada por Michael Bay (sim, o de "Pearl Harbour" ou "Transformers"), que assumiu a produção antes de o projecto ir parar às mãos de John Krasinski - cujo entusiasmo foi partilhado pela mulher, Emily Blunt, ao ponto de o casal se tornar protagonista do filme.

 

Se estes nomes podem não parecer, à partida, os mais conciliáveis, já nos preparam para a estranha conjugação de ingredientes de "UM LUGAR SILENCIOSO", que junta o terror à ficção científica ou ao drama familiar e tem uma grande ideia na premissa: moldar um exercício de suspense dispensando quase por completo os diálogos ao longo de uns muito económicos (e certeiros) 90 minutos.

 

A eficácia de John Krasinski na realização, naquela que é a sua terceira longa-metragem (e de longe a mais popular), tem sido louvada, talvez até com algum exagero, embora se perceba porquê: há aqui uma vontade de fazer diferente mais assinalável do que em grande parte dos blockbusters recentes, como aliás a filmografia (tão ruidosa) de Michael Bay pode atestar.

 

Um Lugar Silencioso 2

 

Mas "UM LUGAR SILENCIOSO" nem precisa de tentar inventar a roda para ser uma proposta convincente: as influências (óbvias e assumidas) da saga "Alien" ou do cinema de M. Night Shyamalan ("Sinais" e "A Vila" em particular) não impedem que este olhar pós-apocalíptico encontre um lugar particular, sobretudo quando a família protagonista vai sendo cercada por criaturas cegas mas com uma audição apurada - capacidade que torna qualquer palavra proferida numa ameaça fatal.

 

Enquanto acompanha as peripécias do casal e dos dois filhos, Krasinski mostra saber dominar os códigos da série B, deixando algumas sequências de antologia sem descurar uma vertente dramática que ajuda a que as personagens não sejam mera carne para canhão (algo de que nem todos os exercícios do género podem orgulhar-se). E se Krasinski e Blunt estão ao nível do que se esperaria deles, os jovens Noah Jupe e Millicent Simmonds são boas surpresas na pele dos filhos (ela a dar que falar depois do também recente "Wonderstruck: O Museu das Maravilhas", de Todd Haynes).

 

"UM LUGAR SILENCIOSO" só é menos estimulante quando insiste em condimentar algumas sequências (sobretudo ao início) com uma banda sonora melancólica, que trai em parte a promessa de respeito pelo silêncio vendida pelo ponto de partida. O aumento repentino do som em alguns jump scares também nem sempre joga a seu favor, escorregão ao qual se juntam dois ou três momentos que comprometem a suspensão da descrença (quase todos relacionados com a gravidez da personagem de Blunt). Nada de grave, mesmo assim, quando no geral o resultado é tão escorreito e ocasionalmente inventivo. Uma surpresa a ver (e a ouvir), portanto, e merecedora do burburinho que tem vindo a alimentadar.

 

3/5

 

 

Os pequenos ditadores

Young Fathers 2018

 

E se o destino do mundo estiver entregue a uma brincadeira de crianças? A ideia dá o mote ao videoclip de "TOY", o novo single dos YOUNG FATHERS e um dos temas mais fortes de "Cocoa Sugar", o terceiro álbum do trio de Edimburgo.

 

Protagonizado por versões infantis de Kim Jong-Un, Mao Tse-Tung ou Idi Amin Dada, o vídeo dá um contraponto ligeiro, mas ainda assim inquietante q.b., a uma canção tensa e incisiva, nascida do cruzamento de linguagens do hip-hop com contaminações tribais e industriais - como já acontecia no mais melódico "In My View", o óptimo single anterior do grupo.

 

"Tendo em conta o panorama político dos nossos tempos, diria que a verdade é certamente mais estranha do que a ficção", aponta Salomon Ligthelm, realizador do videoclip que acompanha os jogos de poder de um grupo de crianças mimadas. E quando se espreitam algumas manchetes ou telejornais, é difícil não concordar pelo menos em parte: