Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

A pele (e câmara) onde eles vivem

Neneh Cherry 2018 2.jpg

 

"Fui ver a Neneh Cherry e toda a gente sacou dos telemóveis para a filmar, ao ponto de um homem pedir para me desviar porque estava à frente do telemóvel dele. (...) Em vez de comunicar através de ecrãs, parece que estamos todos a consumir através de ecrãs", recorda o realizador Akinola Davies ao explicar o que está na origem do novo videoclip de NENEH CHERRY, dirigido por ele.

 

Captadas em Beirute, as imagens que acompanham "NATURAL SKIN DEEP", o mais recente single retirado de "Broken Politics", dão seguimento à vertente declaradamente política da cantora sueca, já registada nas canções (e num videoclip) das apostas anteriores: "Kong", que abordava a crise dos refugiados, e "Shotgun Shack", centrado na violência e no acesso facilitado a armas.

 

Ao apresentar o novo vídeo, Davies diz que partiu das ligações entre o materialismo e a apatia para retratar uma profusão de telemóveis na capital do Líbano, num apelo que, não sendo especialmente inédito ou subtil, faz sentido no contexto do último álbum de Cherry. A canção, por outro lado, até está mais próxima da atmosfera dançável e agreste do disco antecessor, "Blank Project" (2014), do que tom contemplativo q.b. do novo. E tem ainda a particularidade de samplar "Growing Up", de Ornette Coleman, tema que contou com a colaboração de Don Cherry (padrasto da cantora), enquanto vai diluindo fronteiras entre o trip-hop e o jazz (mais uma vez com a produção de Four Tet).

 

"NATURAL SKIN DEEP" deverá ser também uma das canções a ouvir na estreia (finalmente!) de Neneh Cherry em palcos nacionais, no NOS Primavera Sound, no Porto, a 8 de Junho. Um dos concertos obrigatórios do festival, pelo menos se mantiver o nível das primeiras actuações centradas em "Broken Politics", no final do ano passado.

 

 

3 comentários

  • Imagem de perfil

    gonn1000 06.02.2019 13:42

    Também achei estranho, até porque era dos poucos nomes do cartaz deste ano que realmente queria ver.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 06.02.2019 17:29

    e ainda não percebi o J Balvin neste festival. Mas OK, vale pelo ecletismo.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.