Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Alice já não mora aqui

Arranque muito inspirado, o da nova aposta da Apple TV+. "LOSING ALICE" é a mais recente série israelita do serviço de streaming e traz um olhar perspicaz sobre uma realizadora assombrada pela crise de meia-idade e a frustração criativa. Mas em vez de um drama pesadão, os primeiros episódios moldam um thriller psicológico hipnótico.

Losing_Alice.jpg

Alice parece ter tudo o que muitos passam uma vida a pedir. Uma carreira aclamada enquanto cineasta, um marido dedicado e igualmente respeitado pelo percurso como actor, três filhas adoráveis e uma casa luxuosa que também é um feito arquitectónico (as paredes transparentes são todo um programa e fazem brilhar a direcção artística da série enquanto servem o argumento).

Mas tudo isso ainda não parece ser suficiente, ou então talvez até seja demais, sobretudo quando a protagonista de "LOSING ALICE" conhece Sophie, uma jovem e desprendida argumentista com uma rotina menos pacata e metódica. A genialidade e arrojo praticamente consensuais desse novo talento lembram-na de outros dias, muito antes de o conforto familiar e a veterania desinspirada terem conduzido a um quotidiano repetitivo. E de uma relação de admiração mútua que junta percursos profissionais começa a nascer uma dinâmica revigorante, ainda que assente num modelo de sedução e manipulação progressivas.

Losing_Alice_Photo_010204.jpg

Retrato do universo feminino criado por uma mulher, Sigal Avin, que assume as funções de argumentista e realizadora depois de uma experiência considerável no pequeno ecrã, "LOSING ALICE" demarca-se de grande parte das séries israelitas que têm concentrado atenções fora de portas nos últimos anos. Estamos longe dos ambientes policiais e militares de "Fauda", "Valley of Tears", "Our Boys" ou "Tehran" (esta também uma aposta da Apple TV+), e mesmo que os moldes do thriller ganhem terreno no que começa como um drama familiar, Avin opta por um olhar mais contido e introspectivo. Mas que não deixa de ser provocador q.b., ao desconstruir, com algum sentido lúdico, os códigos de histórias obsessivas e vincadas por um crescendo de erotismo.

À medida que tenta agarrar o fulgor de uma segunda juventude, a protagonista entra numa espiral de desejo e morte que promete acentuar-se, embora só seja sugerida nos três primeiros episódios - estreados na Apple TV+ na passada sexta-feira, depois de a temporada ter sido emitida pelo canal israelita Hot 3 em 2020.

Losing_Alice_Photo_010202.jpg

O rastilho para a auto-destruição, no qual o real, o ficcional e o ilusório se confundem, surge ao lado de um mergulho nos bastidores do cinema e da criação artística, a deixar no ar eventuais influências da obra de David Lynch "(Mulholland Drive" em particular) ou François Ozon. As camadas narrativas, com saltos temporais e história(s) dentro da história incluídas, reforçam essa aproximação, que pode alargar-se ao mais adocicado "Tully", de Jason Reitman. E a tensão que se vai gerando entre as protagonistas também lembra a de "Killing Eve", caso essa série trocasse o espalhafato pelo realismo.

Ayelet Zurer, actriz que participou em "Demolidor" ou "Homem de Aço", é brilhante na pele de uma mulher a tentar recuperar as rédeas da sua vida e Lihi Kornowski também convence ao encarnar a instigadora Sophie. Avin valoriza as suas interpretações numa narrativa paciente e intrigante, mais interessada na ambiguidade do que na reviravolta gratuita, enquanto Kate Bush se destaca na banda sonora, com "Hounds of Love" a ter acompanhamento visual perfeito na atmosfera turva e magnética desenhada pela realizadora. Esperemos que, ao contrário de Alice, Avin não se perca no caminho dos próximos cinco episódios...

Os três primeiros episódios de "LOSING ALICE" estão disponíveis na Apple TV+ desde 22 de Janeiro. A plataforma de streaming estreia um episódio todas as sextas-feiras.