Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Confinados, mas não derrotados

"SWEET HOME", uma das novas séries sul-coreanas da Netflix, traz uma visão especialmente negra da experiência de um confinamento, cruzando terror e ficção científica de forma tão inesperada como inspirada - apesar de partir de premissas familiares. Imperdível para quem gosta do género (e recomendável mesmo para quem não gosta assim tanto).

Sweet Home.jpeg

Ainda a recuperar da morte dos pais e da irmã num acidente automóvel, Cha Hyun-su, um adolescente de Seul e protagonista de "SWEET HOME", é obrigado a encarar outra situação-limite quando a capital da Coreia do Sul começa a ser atormentada por criaturas bizarras. E o cenário complica-se quando o adolescente se junta à lista de infectados que se vão transformando em monstros aos poucos, o que faz dele uma figura temida pelos vizinhos num prédio que mostra resistência à invasão através da colaboração gradual entre os moradores.

Baseada na BD online homónima de Kim Kan-bi e Hwang Young-chan, editada desde 2017, a nova série sul-coreana disponível na Netflix é tão ou mais devedora de influências que vão da literatura ao cinema ou televisão, ao propor um derivado da mitologia dos zombies, de histórias de contaminações letais ou dos códigos do filme de cerco. E embora esse território tenha sido amplamente percorrido no pequeno ecrã nos últimos tempos - basta pensarmos em "The Walking Dead" e nas doses de mais do mesmo dos seus spin-offs -, "SWEET HOME" sobressai ao desenhar um universo personalizado, empolgante e muitas vezes inventivo (sobretudo na morfologia e tipos de ameaça das criaturas, que ao contrário dos mortos-vivos, são todas bem diferentes entre si).

Sweet Home 2.jpg

Aproximando-se da claustrofobia sugerida por "O Nevoeiro", de Stephen King, das visões pós-apocalípticas de George Romero ou do pânico de um jovem confinado do igualmente recente "#Alive", do conterrâneo Jo Il-hyeong (também disponível na Netflix), a série dirigida por Lee Eung-bok, Jang Young-woo e Park So-hyun sai-se bem a moldar a atmosfera com tanto de entreajuda como de desconfiança, acompanhando vizinhos obrigados a colaborar para sobreviver enquanto tentam gerir a convivência com o protagonista - autêntica bomba-relógio que tanto pode revelar-se o seu maior aliado como um atalho para o fim. Mérito de uma escrita capaz de dar tempo e voz própria às dezenas de personagens em jogo, todas tratadas como gente de corpo inteiro em vez de carne para canhão - mesmo quando o argumento  acelera na onda de tragédia na recta final destes dez episódios. E mérito, também, de um elenco que confere espessura a várias figuras memoráveis, de uma aspirante a bailarina insolente a um espadachim que insiste em seguir os valores do catolicismo no meio do caos, de mães que tentam manter a sanidade durante o luto dos filhos a um homem circunspecto que faz justiça pelas próprias mãos ou um líder estratega que procura conciliar razão e coração.

"SWEET HOME" é tão bom a desenvolver essas relações que a vertente íntima e dramática acaba por gerar a maioria das suas melhores cenas (e as mais comoventes), entre os momentos de descompressão de várias ameaças. E é admirável como se mostra capaz de conjugar essas sequências (que além da perda, são marcadas por casos de violência doméstica ou de abuso sexual) com a crueza gore de outras ou descargas de adrenalina ou suspense que obrigam a mudanças bruscas de tom, sem que a coesão narrativa esmoreça.

Sweet Home 3.jpg

Essa desenvoltura lembra a de filmes do conterrâneo Bong Joon-ho ("The Host - A Criatura", "Parasitas"), acessos de humor negro incluídos (não deixa de haver muitas situações hilariantes), embora a série mostre as costuras do orçamento nos efeitos digitais utilizados para dar vida a algumas criaturas - com o cenário a escorregar para o de um videojogo pouco convincente. Mesmo que não durem muito, esses momentos mais explosivos são, de longe, os menos entusiasmantes de uma saga que também sairia a ganhar sem uma canção-título a temperar tantas sequências - e a cortar a tensão de algumas. Mas nem estes beliscões pontuais impedem "SWEET HOME" de se manter num patamar habitualmente elevado de rasgo criativo, agilidade narrativa ou envolvimento emocional. Pode estar aqui uma das novas propostas de binge-watching mais viciantes em tempos de serões confinados - e felizmente menos atormentados do que os de Cha Hyun-su e seus vizinhos.

4/5

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.