Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Depois do poder, a violência

Grimes.jpg

 

Longe vão os tempos em que GRIMES era um segredo bem guardado e partilhado através de rebuçados dream pop como "Vanessa" ou "Crystal Ball". Sete anos depois de "Visions", terceiro álbum e alavanca de uma maior projecção internacional, cada nova canção (ou até cada demo) do projecto de Claire Boucher é recebida e dissecada nas redes com uma expectativa que "Art Angels" (2015), ainda o álbum mais recente da canadiana, ajudou a reforçar (apesar do alinhamento desequilibrado).

 

Nem sempre é falada pelos melhores motivos: "We Appreciate Power", revelada em 2018, não escapou a várias alusões à relação da cantora com Ellon Musk. Mas era um single que mostrava que a música ainda contava mais do que as produções fotográficas ou os videoclips, ferramentas que se foram tornando mais decisivas neste percurso.

 

Menos musculado e sem descendência tão evidente da electrónica industrial, "VIOLENCE", a nova amostra do próximo disco, mantém a moldura sintética numa colaboração com o DJ e produtor i_o. É das canções mais directas de GRIMES, e uma forma eficaz de ir mantendo o compasso de espera até "Miss_Anthrop0cene" (prometido para este ano, mas o adiamento já vai longo). Quem quiser entrar no fim de semana pela pista de dança, pelo menos, não ficará mal servido com um single que sobrevive às primeiras audições e se vai tornando viciante. O videoclip dá o mote e sugere a coreografia:

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.