Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Licença para maçar

James Bond merecia melhor. Daniel Craig merecia melhor. Monica Bellucci merecia melhor. E, já agora, os espectadores também. Mas "007 SPECTRE" é mesmo o filme mais fraco da saga em muitos anos.

 

spectre

 

Entre um revigorante "Casino Royale" e um interessante (mas algo sobrevalorizado) "Skyfall", James Bond parecia bem lançado para se aguentar aos desafios do novo milénio, nomeadamente a concorrência de outros heróis e sagas de acção. E se entre um filme e outro "Quantum of Solace" chegou a beliscar essa boa forma, no episódio menos memorável desses três, a nova aventura vem comprometer ainda mais a consistência da personagem na pele de Daniel Craig, naquele que é o pior capítulo vivido pelo actor até agora.

Apesar de "007 SPECTRE" ter sido o mais caro de sempre da saga, chega a ser penoso constatar que também fica entre os momentos mais preguiçosos, com duas horas e meia em que Sam Mendes quase nunca sai do modo de piloto automático. Depois de ter reinventado parcialmente o protagonista em "Skyfall", adaptando-o aos nossos tempos sem deixar de honrar e homenagear o seu legado, o realizador de "Beleza Americana" confunde agora reverência com um mero desfile de citações a filmes anteriores de Bond, que até poderão ser divertidas para os fãs mais acérrimos mas em nada ajudam uma aventura indecisa entre o realismo, na linha das missões de Jason Bourne, ou um tom paródico com o qual choca de frente.

Por muito que esta aventura queira captar o zeitgeist, através de uma conspiração em que a tecnologia e os sistemas de vigilância são elementos decisivos, o argumento nunca sai de uma banalidade sisuda tornada ainda pior quando coloca o protagonista em situações-limite para o tirar delas da forma mais absurda. Essa opção aceita-se, por exemplo, em "Kingsman: Serviços Secretos", de Matthew Vaughn, que deve muito ao 007 de outros tempos e propôs uma revisão bem mais divertida e coerente. Não que esse seja um grande filme, como não o são os também recentes "Missão Impossível: Nação Secreta", de Christopher McQuarrie, ou "Mad Max: Estrada da Fúria", de George Miller, mas pelo menos deixaram uma mão cheia de cenas de acção impressionantes.

 

spectre_lea

 

Infelizmente, Mendes nem deixa lastro nas sequências mais cinéticas. A abertura, com o plano-sequência nas celebrações do Día de los Muertos, na Cidade do México, chega a prometer (embora possa ser acusada de exibicionismo). Só que é sol de pouca dura num filme forrado pela fotografia quase sempre sépia e sonolenta de Hoyte Van Hoytema, a acentuar ainda mais a modorra narrativa.      

Até a muito aguardada presença de Monica Bellucci como Bond girl desilude. Sobretudo porque é só mesmo isso, uma mera presença a picar o ponto num par de cenas, que no máximo ficará como nota de rodapé da saga. Admita-se que o argumento tenta dar mais peso dramático a Léa Seydoux, mas a evolução da sua relação com Bond é tão forçada que é difícil não sentir saudades da Vesper Lynd de Eva Green (e da atenção que "Casino Royale" lhe concedeu).

Outro nome que não deixa grande marca, Christopher Waltz tem o papel ingrato de vilão megalómano e vingativo, tão esterotipado como o brutamontes de Dave Bautista ou o acumular de situações de suposta tensão vistas e revistas, em especial num último terço que deita decididamente abaixo qualquer laivo de esperança de um filme decente. Já se sabia que Bond sairia a ganhar em "007 SPECTRE", mas era preciso ser pela lei do menor esforço?

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.