Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Miragens de um futuro com sombras do passado

automelodi.jpg

 

Ao longo de dois álbuns, os AUTOMELODI mostraram-se não só adeptos da synth-pop e da cold wave como se juntaram à lista dos que resgataram, com maior conhecimento de causa, algumas dessas heranças dos anos 80. Nem o álbum homónimo, de 2010, nem "Surlendemains Acides", editado em 2013, tentaram disfarçar muito quer a descendência da fase inicial dos Depeche Mode ou Human League quer a aproximação ao legado dos Indochine ou Etienne Daho (com o francês enquanto idioma dominante das letras).

 

O terceiro capítulo do projecto de Xavier Paradis, que agora também conta com o guitarrista Dillon Steele, promete aprimorar essa linguagem enquanto reforça o electrónico com o eléctrico, conforme avança a editora canadiana Holodeck Records. De "Mirages au futur verre-brisé", agendado para 6 de Maio, já tinham sido divulgadas as óptimas "La Poussière" e "Toujours de jamais (hors-temps)", que confirmaram essa intenção em canções tão dançáveis como soturnas, ao nível do melhor da dupla de Montreal.

 

"LES MÉTROS DISPARUS", o novo single, mantém o entusiasmo em torno do regresso entre um ritmo metronómico e uma atmosfera enigmática. E conta com uma convidada especial, Liz Wendelbo, vocalista dos Xeno & Oaklander, outro nome que tem sabido retomar a vertente mais sintética e densa da pop de há três décadas - e que também está de volta com um novo álbum, "Hypnos", editado há poucos dias.

 

As digressões das duas bandas vão, aliás, cruzar-se em algumas datas - como a de 25 de Maio, noite na qual partilham um palco em Paris. Por agora, vale a pena espreitar o encontro no novo videoclip dos AUTOMELODI, realizado por Kaspar’89 e cuja inspiração vai da estética VHS a realidades distópicas... sem esquecer, lá está, o lado mais surreal dos anos 80: