Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Morrissey já merecia um Oscar

 

Fã dos Blur, ávido leitor de Douglas Coupland e recomendado por Neneh Cherry, Oscar junta a estes nomes pelo menos mais um que se impõe num contacto inicial com a sua música: Morrissey. Nas canções do EP "146b" e noutras que o britânico de 23 anos foi revelando, a voz de barítono dos Smiths parece ter aqui um descendente. Está longe de ser o primeiro (os Gene e mais algumas "glórias" esquecidas da britpop que o digam), mas embora Oscar Scheller também cante sobre os males do coração, raramente se leva muito a sério e ampara a melancolia em pequenos devaneios das palavras ou dos instrumentos.

 

Além de ser o título da sua primeira edição, "146b" é o nome do seu estúdio caseiro, em Londres, e temas como "Open Up" ou "Heartache", lo-fi mas orelhudos, soam fiéis a esse ambiente íntimo. O cantautor e multi-instrumentista tem dito que quis preservar a espontaneidade das demos, não fazendo grandes alterações a esses primeiros registos, e o resultado está longe de o envergonhar.

Os videoclips não traem o conceito e também têm um ar muito lá de casa. "Sometimes" é o novo e apresenta um single a lembrar os momentos mais descontraídos dos Strokes, mas a grande canção de Oscar (até agora) será "Never Told You", de tom mais confessional e nostálgico, a abrir o coração num refrão perfeito. E se os videoclips abaixo não chegarem, há mais para ouvir aqui.