Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Mulher do século XXI

Retrato familiar a partir de uma mulher à beira de um ataque de nervos, "COMO NOSSOS PAIS" é já a quarta longa-metragem de Laís Bodanzky mas a primeira a ter honras de estreia por cá. E parece dar razão a quem vê na realizadora um dos nomes a não deixar passar do cinema brasileiro dos últimos anos.

 

Como Nossos Pais

 

Autora de títulos elogiados como "Bicho de Sete Cabeças" (2000) ou "As Melhores Coisas do Mundo" (2010), além de curtas e documentários, Laís Bodanzky conta com um currículo prolífico desde finais da década de 90 - que inclui também passagens pelo pequeno ecrã -, embora deste lado do Atlântico não tenha tido grande repercussão. Mas no ano passado o seu drama mais recente, "COMO NOSSOS PAIS", foi acolhido com algum entusiasmo no Festival de Berlim e terá funcionado como porta de entrada para a obra da realizadora junto de muitos - daquelas que deixam curiosidade em conhecer o que está para trás.

 

No papel, a situação de Rosa, a protagonista, não é muito diferente das de mulheres de muitas telenovelas, tendo em conta o caos instalado na sua vida pessoal e profissional. O filme arranca logo com um almoço de família que se pretende harmonioso mas no qual, claro, tudo vai de mal a pior. E entre a chuva que se intromete, as discussões dos adultos e as birras das crianças, ainda há espaço para uma revelação capaz de destruir relações, cortesia da mãe de Rosa - que juntamente com o marido da protagonista, parede destinada a personagem pronta a odiar.

 

Como Nossos Pais 2

 

A notícia acaba por ser a machadada final num ciclo de ansiedade que, como o filme vai dando conta, já domina a vida desta mulher perto da casa dos 40 há muito e chega agora a um ponto de viragem, obrigando-a a reavaliar todos os seus laços e compromissos - seja com um emprego na qual não se sente realizada (e que a força a adiar a paixão pela escrita de ficção), com um homem que fica aquém das responsabilidades familiares e financeiras ou com a mãe, figura de temperamento e postura nos antípodas dos seus.

 

Se este ponto de partida pode sugerir um dramalhão, "COMO NOSSOS PAIS" vai revelando mais nuances do que aquilo que o primeiro embate dá a entender, mostrando-se tão realista quanto perspicaz enquanto segue uma protagonista que tenta lidar com as expectativas criadas por si e pelos outros. E deste fosso entre controlo e liberdade, ordem e transgressão, sai um olhar sobre a classe média brasileira capaz de um compromisso entre o singular e o universal, ao qual Laís Bodanzky confere especificidade sem impedir que os dilemas de Rosa correspondam ao de muitas mulheres fora de portas.

 

Como Nossos Pais 3

 

A ligação da protagonista ao clássico "Casa de Bonecas", de Henrik Ibsen, não é muito subtil ao fazer a ponte entre os desafios das mulheres de hoje e os que enfrentavam há dois séculos, mas felizmente o filme também não promove Rosa (nem outras figuras femininas) a joguetes de um panfleto feminista ou de um estudo sociológico. As personagens são, aliás, dos maiores trunfos de "COMO NOSSOS PAIS", já que nem a principal é caracterizada como vítima das circunstâncias nem as secundárias ficam reféns dos seus momentos menos felizes. E o elenco está à altura, de Maria Ribeiro como protagonista incansável e inquieta a uma imperial Clarisse Abujamra, na pele de mãe que não pede desculpa por ser como é, passando por Paulo Vilhena como marido demasiado ausente mas imune a julgamentos do argumento.

 

Embora estique a corda da plausibilidade em duas ou três ocasiões (nos subenredos do desvendar de um segredo do passado ou de uma nova hipótese de relacionamento amoroso), Bodanzky sai-se muito bem nas cenas domésticas, como as do casal protagonista ao lado das filhas (algumas das mais comoventes, seja nos episódios mais doces ou nos mais tensos) e compensa uma certa dispersão em duas ou três lições de economia narrativa - visíveis na sequência de um funeral ou nos planos fixos que focam dois quartos da casa de Rosa em simultâneo. E ao conciliar esse rigor formal com uma história claramente dirigida ao grande público, "COMO NOSSOS PAIS" vem dar continuidade a outros retratos familiares da classe média (e com mulheres no centro) nos quais o cinema brasileiro tem sido relativamente fértil em tempos recentes - de "Que Horas Ela Volta?", de Anna Muylaert, a "Aquarius", de Kleber Mendonça Filho. Alguns realizadores portugueses bem lhes podiam prestar atenção...

 

3,5/5

 

"COMO NOSSOS PAIS" é o filme de abertura do FESTin 2018, que arranca esta terça-feira no Cinema São Jorge, em Lisboa, e tem estreia nacional a 15 de Março.

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.