Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

O mentiroso compulsivo da Marvel está de volta

De supervilão a anti-herói, o Deus da Mentira muda de estatuto e aventura-se em nome próprio na nova minissérie da Marvel no Disney+. O primeiro dos seis episódios de "LOKI" vale-se do carisma de Tom Hiddleston e abre mais portas da Casa das Ideias, embora também insista no recapitular da matéria.

Loki.jpg

Antagonista de Thor e dos Vingadores (apesar de algumas alianças pontuais), Loki ganha finalmente o estatuto de personagem principal, papel que a entrega de Tom Hiddleston já merecia, mesmo que nem sempre tenha sido valorizada pelo argumento de alguns filmes que antecederam a nova minissérie da Marvel.

Mas esses filmes são importantes, alguns até decisivos, para quem aceder ao convite destes seis episódios. Se "WandaVision" e "O Falcão e o Soldado do Inverno", as apostas anteriores no Disney+, já dependiam muito da cronologia do Universo Cinematográfico Marvel, "LOKI" parte directamente de uma cena de "Vingadores: Endgame" (2019), o que a torna numa minissérie particularmente imprópria para iniciados nestas andanças.

Loki_2.jpg

A nova aventura do asgardiano também vem comprovar que a morte vale muito pouco por aqui, o que aliás já era uma limitação da BD de origem. Loki pode ter sido assassinado por Thanos na sua última aparição, sequência que partiu o coração de muitos fãs, mas isso não é nada que não se resolva com a criação de uma nova linha temporal. Quem aceitar conveniências de argumento como essas, talvez possa divertir-se com um primeiro episódio no qual o protagonista é obrigado a responder à Autoridade das Variações Temporais (AVT) num cenário onde os seus truques de ilusão habituais de pouco ou nada lhe valem.

Isolado do núcleo de Asgard e também de outros mundos já conhecidos do Universo Cinematográfico Marvel, Loki tem aqui direito a um recomeço que talvez seja o que de mais interessante lhe aconteceu em muitos anos. Afinal, a alternância de alianças mantida até aqui já se tinha tornado arbitrária, com a personagem a ser pouco mais do que uma muleta narrativa - e com quase toda a sua graça esvaziada entre o primeiro filme de Thor e a missão inicial dos Vingadores.

Loki_3.jpg

Na minissérie, o Deus da Mentira vê-se obrigado a confrontar-se consigo próprio (em mais de um sentido) e o primeiro episódio é sobretudo funcional ao apresentar as regras de um jogo do gato e do rato com contornos distintos dos desafios anteriores. O showrunner Michael Waldron, um dos argumentistas de "Rick and Morty", injecta aqui algum humor absurdo e surreal, à medida da personagem, e embora não consiga fugir à overdose de diálogos explicativos, tanto com recapitulações da matéria dada como com o modus operandi das variações cronológicas (aceitáveis num capítulo introdutório), pelo menos apresenta-os com alguma imaginação, caso de um delicioso vídeo de animação didáctico a lembrar a escola Hanna-Barbera.

O tom vintage mantém-se na direcção artística de Kasra Farahani captada pela câmara de Kate Herron ("Sex Education"), com o centro de operações da Autoridade das Variações Temporais a ter inspiração visual de alguma ficção científica dos anos 60 ou 70. Já a participação de Owen Wilson, astuto e eloquente na pele de agente interrogador de Loki, sugere que esta história também vai aceitar uma lógica de buddy movie, à semelhança de "O Falcão e o Soldado do Inverno". Mas espera-se que, ao contrário dessa, não abra a porta a tantas possibilidades que se esqueça da personagem que tem no centro...

O primeiro episódio de "LOKI" está disponível no Disney+ desde 9 de Junho. A plataforma de streaming estreia novos episódios todas as quartas-feiras.