Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Pesadelo na sala de estar

honeyblood.jpg

 

Ao longo de dois álbuns - o primeiro, homónimo, de 2014, e o sucessor, "Babes Never Die", de 2016 -, as HONEYBLOOD foram o resultado da colaboração entre Stina Tweeddale e outros elementos de um projecto que foi mantendo o formato de dupla, com entradas e saídas sucessivas. Mas o terceiro disco, "In Plain Sight", encontra a cantautora escocesa sozinha pela primeira vez, num conjunto de canções apresentado como tentativa de resolução do seu puzzle pessoal, a propor um mergulho de cabeça em territórios inesperados.

 

As amostras da nova fornada não se desviaram muito, ainda assim, do rock despachado e de contornos indie dos registos anteriores - não seria difícil imaginar os singles "The Third Degree" e "Glimmer" no primeiros álbuns. "SHE'S A NIGHTMARE", o tema mais recente, também não traz mudanças radicais de percurso mas revela-se uma pista mais promissora, com uma efervescência pop que se dá bem com as zonas de sombra de letra (e a remeter para o livro de estilo de umas Dum Dum Girls).

 

O relato inspira-se na combinação de medo e fascínio dos pesadelos recorrentes de Tweeddale, dominados por uma mulher misteriosa e assustadora. O videoclip acaba por ser o exorcismo possível, cedendo o protagonismo a uma aproximação a essa figura entre um ritual caseiro à luz das velas - e pode ser visto aqui. Os outros contos, tão ou mais autobiográficos, chegam já a 24 de Maio.

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.