Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Sube la temperatura

Liminanas Garnier.jpg

Peter Hook, Pascal Comelade, Emmanuelle Seigner ou Étienne Daho são alguns dos convidados especiais que se têm juntado à história dos Limiñanas, iniciada em 2009 e já com quase uma dezena de álbuns pelo caminho. O próximo, "De película", chega a 10 de Setembro e o título reforça o lado cinematográfico de uma música cujo potencial para filmes foi audível desde os primeiros dias e levaria a dupla francesa a compor bandas sonoras (a de "The World We Knew", thriller de Matthew Benjamin Jones e Luke Skinner estreado em 2020, foi a mais recente).

Apesar de as novas canções não terem o cinema em vista, não deixam de construir uma narrativa, uma vez que integram um álbum conceptual assente na viagem dois jovens amantes à deriva pela estrada fora - e em particular na fronteira entre França e Espanha -, com inspirações que vão de "O Acossado", de Jean-Luc Godard, a "Um Coração Selvagem", de David Lynch. Lionel e Marie Limiñana, também eles um casal, não fizeram a viagem criativa sozinhos e aceitaram a companhia de LAURENT GARNIER, figura de proa da electrónica francesa e um dos responsáveis pelo fenómeno french touch, capítulo marcante da música de dança dos anos 90.

De_pelicula.jpg

"De película", no entanto, não se esgota numa relação a três. Edi Pistolas, voz dos chilenos Pánico e metade dos Nova Materia, participa no novo single do disco, "QUE CALOR", consideravelmente distante de "Saul", primeiro avanço atmosférico e mais próximo dos cenários habituais dos Limiñanas (um rock psicadélico que deve tanto a Gainsbourg como a Morricone ou à iconografia de um Tarantino).

Canção agitada e dançável, a adicionar algum tempero latino (muito por culpa do registo irreverente e destravado de Pistolas), desvia-se de uma pradaria isolada e sem fim à vista para uma discoteca repleta, com percussão, teclados e sintetizadores a marcarem o ritmo - e a fazerem notar a mão de Garnier.

O videoclip, uma animação a juntar sexo, suor e festa, dá rédea solta ao hedonismo e ajuda a apontar aqui um dos singles mais esfuziantes deste Verão: