Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

E depois da guerra?

É facilmente um dos melhores filmes de François Ozon: entre o drama e o suspense, a culpa e a redenção, "FRANTZ" mostra que a I Guerra Mundial continua a ser terreno fértil para novos olhares (mesmo quando partem de histórias já contadas).

 

Frantz

 

Algo vai mal quando um dos filmes mais aconselháveis de François Ozon (cineasta tão intrigante como irregular) estreia por cá com dois anos de atraso e só tem direito a duas salas na primeira semana de exibição (acabou, vá lá, por ser distribuído em mais cidades na segunda). Tendo em conta que o número de obras a reter entre as novidades despejadas sem critério (às vezes perto da uma dezena por semana) parece inversamente proporcional à quantidade, a chegada de "FRANTZ" merecia outra atenção.

 

O filme de 2016 do realizador francês merece juntar-se a "O Tempo que Resta" (2005) ou "Dentro de Casa" (2012) ao apresentá-lo no seu melhor, apesar de partir de cenários pouco habituais no seu percurso. Inspirado na peça "L’homme que j’ai tué" (1930), de Maurice Rostand, que já tinha servido de base para uma das obras menos celebradas de Ernst Lubitsch, "O Homem que Eu Matei" (1932), arranca numa pequena localidade da Alemanha de 1919 e acaba por rumar até França, medindo o pulso aos dois países logo após a I Guerra Mundial.

 

Frantz 2

 

Se o universo bélico era território inexplorado na obra de Ozon e o do filme de época também não era dos mais típicos, "FRANTZ" sai-se muito bem ao evitar traços de academismo demasiado associados a muitas dessas ficções. Embora o resultado seja mais sóbrio e contido do que o de alguns títulos através dos quais o cineasta se fez notar, também é dos mais amadurecidos e elegante - sem que essa contenção seja sinónimo de um autor acomodado.

 

Ao seguir o relacionamento entre um soldado francês, que sobreviveu à guerra mas vive atormentado pela culpa, e a noiva de um oficial alemão que morreu em combate, Ozon vai desenhando uma combinação envolvente entre o drama familiar e um exercício de suspense sem deixar de ter em conta o que move as personagens ou o peso do contexto que as influencia.

 

É certo que parte do que aqui mostra já tinha sido retratado na peça e filme que antecederam "FRANTZ", mas o que acrescenta não é menos digno de nota. Sobretudo quando a segunda metade da história vai dando protagonismo a Anna, uma das heroínas mais fascinantes da obra de Ozon (já de si forte em personagens femininas complexas) e muito bem defendida pela revelação Paula Beer (com um misto de fragilidade, resiliência e subtileza à medida do filme).

 

Jean-Claude Moireau - Foz/Courtesy of Music Box Films

 

Todo o elenco é, aliás, impecável, desde os veteranos Ernst Stötzner e Marie Gruber, na pele dos pais do soldado desaparecido (e nos antípodas dos estereótipos da frieza alemã) a Pierre Niney, cuja figura, caracterização e linguagem corporal parecem ter saído de um filme dos tempos de Lubitsch. E se interpretações deste calibre ajudam a dar peso dramático a uma das obras mais comoventes do realizador - sem tentações de manipulação fácil pelo meio -, a belíssima fotografia de Pascal Marti (quase sempre a preto e branco, tirando alguns momentos estratégicos) e a música de Philippe Rombi (nada intrusiva) são decisivas para o efeito sensorial de "FRANTZ", particularmente sedutor.

 

Nem uma reviravolta talvez demasiado telegrafada, a meio, belisca muito o equilíbrio de um filme tão contundente como gracioso, no qual o embate com a tragédia e o pior da humanidade convive com uma vertente romanesca e esquiva, tão cara a Ozon (aqui a instigar uma teia de segredos e mentiras pacientemente delineada). E é curioso ver como este olhar sobre o conflito e a perda ganha outra ressonância nos dias de hoje, com a Europa (e não só) a ser palco de focos de nacionalismo alarmantes (Ozon nem precisa de forçar a nota para que o paralelismo se insinue). Também por isso, está aqui uma estreia a não deixar passar, apesar do atraso e dos limites da distribuição...

 

 3,5/5

 

 

Viagens a Itália

Duas novidades, uma revisitação: "Cuori Puri", "Happy Winter" e "A Melhor Juventude" foram três eventuais portas de entrada para a 11ª FESTA DO CINEMA ITALIANO, que arrancou há quase uma semana em Lisboa e está prestes a espalhar-se pelo país (e fora dele). 

 

Cuori puri

 

"CUORI PURI", de Roberto De Paolis: Estreia nas longas-metragens de um realizador até aqui com experiência nas curtas, é uma bela história de amor em tempos de crise (económica, mas também familiar ou de fé) que equilibra com sensibilidade a vertente pessoal e comunitária. A relação entre uma estudante, cuja rotina está entregue à Igreja e ao voluntariado, e um rapaz mais velho, segurança de um parque de estacionamento, é acompanhada com um realismo à flor da pele, palpável nos actores ou nos espaços, e surge como porto de abrigo para um quotidiano sem grandes horizontes à vista.

 

Mas aqui nem o amor salva tudo e "CUORI PURI" tem a perspicácia de não oferecer soluções fáceis, conseguindo também evitar juízos sobre a religião (a ambiguidade da mãe "beata" da protagonista é um dos trunfos, assim como a eloquência inspiradora do catequista) ou a marginalidade (o filme não desculpabiliza as personagens, mas dá conta da espiral descendente que a falta de oportunidades pode encorajar). A crise migratória, e a relação com a comunidade cigana em particular, também passa por aqui, sem que De Paolis sujeite o argumento ao peso desse ou de outros temas: no final fica um retrato cru, verosímil e comovente de união e sacrifício, com um realizador e dois jovens actores (Selene Caramazza e Simone Liberati) a reter.

 

 3,5/5

 

Happy Winter

 

"HAPPY WINTER", de Giovanni Totaro: Não falta potencial visual e humano ao cenário que este documentário explora, mas a primeira vertente acaba por entusiasmar mais do que a segunda. O que é pena, porque o passeio pela praia de Modello, na Sicília - que acolhe mais de mil cabanas habitadas por outras tantas famílias ao longo de todo o Verão - resulta cansativo ao longo de noventa minutos. Uma hora de duração seria mais do que suficiente, tendo em conta que Giovanni Totaro é demasiado redundante no que mostra e sobretudo no que tem para dizer, deixando um olhar que se fica muitas vezes pelo anedótico.

 

Há belas imagens, mas a estética (e profundidade) é mais condizente com a de um videoclip, território no qual a narrativa parece cair quando recorre à música como condimento. Nada contra, só que enquanto documentário talvez o resultado fosse mais proveitoso caso apostasse numa gravidade que só se insinua mais para o final, sobretudo nas cenas com um vendedor de gelados e refrigerantes (a "personagem" mais forte de um relato que se torna disperso entre as conversas de amigas de meia-idade ou a campanha de um aspirante a político local). Afinal, a festa comunitária estival é, para muitos turistas, uma resposta (ou pelo menos um escape) ao desemprego, mas os espectadores nunca chegam a mergulhar a fundo nesse filme.

 

 2/5

 

A Melhor Juventude

 

"A MELHOR JUVENTUDE", de Marco Tullio Giordana: 15 anos depois da estreia, a saga que está entre as mais celebradas do cinema italiano recente teve direito a reposição, em duas sessões muito concorridas e com a presença do realizador. Percebe-se o motivo do culto que atravessa gerações: quem não se deixar intimidar pelas mais de seis horas de duração (divididas em duas partes) encontra aqui um melodrama de recorte superior, centrado na história de uma família da classe média desde os anos 60 até à viragem do milénio.

 

Foi claramente um "labour of love" para o realizador e para a equipa, com as origens televisivas (começou por ser pensado como uma série da RAI) a não deixarem grandes vestígios num resultado final que é muitas vezes grande cinema, ancorado num elenco em estado de graça e num cineasta generoso, que lhe dá tempo, espaço e atenção. Apesar do óptimo nível interpretativo, torna-se difícil não destacar os protagonistas: Luigi Lo Cascio na pele de Nicola, Alessio Boni como Matteo, os dois irmãos em torno os quais as outras figuras orbitam. O primeiro, idealista e altruísta, é o que estará mais próximo da visão do mundo proposta pelo filme - assente num optimismo obstinado, embora não ingénuo nem imune a crises. Mas é o segundo que acaba por se impor como personagem mais magnética e intrigante, a motivar o olhar sobre uma solidão e inquietação viscerais, contraponto irónico de um filme que também deixa uma ode sincera e calorosa aos laços familiares.

 

A crónica deslumbrada do crescimento, lado a lado com dor da perda, convive com um retrato das mudanças na sociedade italiana ao longo de décadas, do qual a abordagem à doença mental ou às revoltas juvenis (e à iniciação no terrorismo) vai ganhando um peso particular. Pode parecer demasiada ambição, mas Giordana nunca cai em tentações épicas e opta antes pelo drama de câmara, embora nunca sisudo - pelo contrário, há aqui uma vivacidade contagiante. Obra-prima? Talvez não chegue a tanto: a primeira parte leva o seu tempo a acertar o passo, a segunda tem mais dificuldades em separar o essencial do acessório - e nunca consegue recuperar a urgência depois do adeus a uma das personagens centrais. Mas não haverá outro filme assim, dentro ou fora de portas.

 

4/5

 

Laços de sangue

Drama familiar, filme de tribunal, thriller psicológico? "CUSTÓDIA PARTILHADA" não fica refém de nenhum desses formatos, mas o que mais surpreende é a segurança com que o actor Xavier Legrand se move entre eles na sua primeira longa-metragem atrás das câmaras.

 

Custódia Partilhada

 

Do título ao trailer, passando pelas imagens promocionais, "CUSTÓDIA PARTILHADA" sugere uma variação contemporânea e europeia de "Kramer Contra Kramer" (1979), de Robert Benton, ao confrontar um casal que lida com a disputa legal de um dos filhos durante um processo de divórcio conturbado. Mas essa aproximação cedo se revela enganadora, na primeira de muitas pistas de um filme que não tem medo de pisar territórios inesperados enquanto retrata uma dinâmica familiar na qual nem tudo é o que parece à partida.

 

Depois da curta "Avant que de tout perdre" (2013), Xavier Legrand retoma na sua primeira longa-metragem como realizador e argumentista o tema da violência doméstica, fazendo notar a ambição de fintar lugares comuns de outros olhares ficcionais. E a ambição é tanta que "CUSTÓDIA PARTILHADA" chega a ser, por vezes, demasiado seco e cerebral, com o exercício de estilo a ameaçar sobrepor-se à assinalável carga dramática nascida, sobretudo, da relação entre o pai e o filho - e do jogo de forças, segredos e mentiras que se vai desenhando ao longo de uma hora e meia com um nervoso miudinho em crescendo.

 

Thomas Gioria

 

Felizmente, o realizador francês também mostra ser mais do que um experimentador formal engenhoso, já que a direcção de actores é tão ou mais convincente. E numa história com estes contornos esse é um elemento especialmente decisivo, ao impedir que as personagens se fechem em retratos óbvios e prontos a servir. Os protagonistas são antes figuras esquivas, que o argumento leva o seu tempo a ir revelando e ainda assim deixa zonas de incerteza mesmo depois de um final de antologia (aí com Legrand a deixar uma pequena masterclass de gestão do espaço e do som, com o filme finalmente numa situação-limite).

 

Até Julien, o rapaz de 11 anos cuja custódia é disputada, é uma personagem mais ambígua do que a de outros relatos tematicamente próximos. O espectador pode vê-lo como vítima, mas dificilmente o reduz a esse papel quando o encontra tão integrado numa lógica familiar vincada pela repressão e manipulação. Mérito de Thomas Gioria, pequeno grande actor-revelação, capaz de conferir camadas a uma figura que noutras histórias poderia ser só uma marioneta, mas também de um argumento que não o torna alvo de simpatia imediata e obrigatória.

 

Léa Drucker e Denis Ménochet, na pele da mãe e do pai, respectivamente, também são inatacáveis: ela com uma frieza e distância difíceis de descortinar, mas afinal justificadas; ele bastante mais impulsivo ao nem tentar disfarçar o caos emocional entre a carência e a desconfiança. Já a filha, apesar de bem interpretada por Mathilde Auneveux, parece ficar algo desamparada num argumento que talvez resultasse mais coeso sem parte das suas cenas. Nada que comprometa, ainda assim, a força de uma primeira obra que tem dado que falar - com o Leão de Prata de Melhor Realizador e o Prémio Luigi de Laurentiis no último Festival de Veneza entre as muitas (e merecidas) distinções.

 

 3,5/5