Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

O homem demolidor

Author & Punisher

 

A noite de quarta-feira no Musicbox Lisboa não é recomendada aos ouvidos mais sensíveis, mas nem por isso deixa de estar já esgotada. Além dos Mão Morta, que prometem estrear temas do próximo álbum, a segunda data do Jameson Urban Routes deste ano vai contar com AUTHOR & PUNISHER, projecto de um homem só de Tristan Shone.

 

Não que o norte-americano precise de companhia quando traz drone e dub machines criadas por ele - aliando a formação de engenheiro mecânico ao percurso musical -, que lhe têm garantido actuações ruidosas e caóticas como poucas. Entre o industrial, o noise e o doom metal, as esculturas sonoras suscitam comparações ao lado mais explosivo dos Ministry, Nine Inch Nails ou Godflesh, embora a já considerável discografia de Shone tenha vindo a assegurar-lhe um lugar próprio e imponente.

 

"Beastland", o sexto álbum, editado há poucos dias, deverá ser o centro das atenções neste regresso a Portugal - o projecto estreou-se por cá em 2015 -, mas diz quem viu que esta música ganha outro peso e estridência ao vivo, tanto pelo poderio instrumental como pelas palavras mais gritadas do que cantadas. "NIHIL STRENGTH", um dos temas do novo disco, é a aposta oficial da fase mais recente e um aperitivo esmagador do que poderá ouvir-se na sala lisboeta e no Maus Hábitos, no Porto - que recebe Shone na quarta-feira, 25 de Outubro:

 

 

A noite da caçadora escondida

De volta a Portugal com um dos melhores álbuns de rock do ano, ANNA CALVI defendeu bem as canções de "Hunter" no Capitólio, em Lisboa, no passado sábado. Mas se a música foi sedutora, as (limitadas) condições de visibilidade do palco cortaram parte do encanto.

 

Anna Calvi Capitólio

 

No segundo e último concerto nacional da digressão europeia em torno de "Hunter" - depois de ter actuado no Hard Club, no Porto, na noite de sexta-feira -, ANNA CALVI foi recebida por uma sala composta e pronta a descobrir, ao vivo, a faceta mais crua e visceral da britânica, que diz ter neste terceiro álbum o seu conjunto de canções mais directo e auto-biográfico - e dominado, como nunca antes, por letras ligadas às questões de género e sexualidade.

Mas se a cantautora nunca deixou de ser pelo menos competente ao longo de pouco mais de uma hora - tal como a sua banda de dois elementos, nas percussões e teclados -, foi quase sempre mais fácil ouvi-la do que vê-la durante boa parte do tempo. Exceptuando as duas ou três canções em que se aproximou do público, através do microfone mais à frente do palco, contemplar CALVI e os músicos sem ter espectadores a limitarem a vista terá sido uma tarefa difícil para muitos, tirando talvez para quem se encontrava nas primeiras filas - consequência de um espectáculo cujo público estava de pé e com a artista quase à mesma altura.

A situação foi especialmente frustrante nos momentos em que a cantora se baixou e deitou no palco, tornando impossível acompanhar o que se passava para quem não estava perto dela, tendo em conta que a actuação não contou com ecrãs que permitissem ver o que ali ia decorrendo.

 

hunter

 

Ainda assim, e isso foi uma prova de carisma e talento, a voz de "Suzanne & I" manteve o público interessado e aparentemente rendido. Não que o efeito tenha sido imediato: "Indies or Paradise", "As a Man" ou "Hunter", todos temas do novo álbum, marcaram um arranque tão correcto como contido, sem especiais desvios face ao que se ouve no disco e aquém da carga mais efervescente que vinca a nova faceta de CALVI (confirmar nas fotos promocionais e videoclips mais recentes).

Mas a partir da recta final de "Don't Beat The Girl Out Of My Boy", preenchida com uivos sucessivos entre um dos maiores episódios de euforia instrumental, a britânica foi ganhando outra segurança e tomando o pulso do palco e do público. Mulher de vermelho num cenário escarlate, com aura imponente e sempre acompanhada da guitarra, acabaria por se tornar cúmplice dos espectadores sem perder a pose nem precisar de os atiçar com mimos - dirigiu-se a eles apenas para breves cumprimentos, agradecimentos e apresentação da banda.

Canções como "I'll Be Your Man" ou "Desire", duas das obrigatórias do álbum de estreia homónimo (editado em 2011), ficaram entre os momentos flamejantes de um alinhamento que também oscilou entre os sussurros aveludados de "No More Words", outra repescada da estreia, ou da recente "Smimming Pool" - com o quase silêncio a mostrar-se tão potente como a distorção atormentada.

 

Anna Calvi Capitólio 2

 

Por outro lado, "Alpha" e sobretudo a irresistível "Wish" resultaram quase festivas, ao condimentarem um rock simultaneamente agreste e elegante com um embalo dançável. E foi decididamente uma ANNA CALVI mais solta a que dominou o último terço da actuação, aproximando-se do desvario e quebra de barreiras que percorre "Hunter" com uma postura ainda teatral, mas menos metida consigo próprio do que no arranque.

Ainda mais expansivo, o encore serviu "Ghost Rider", versão dos Suicide incluída no EP "Strange Weather" (2014), final ansioso e enigmático de um espectáculo que teria sido mais memorável noutra sala ou, eventualmente, num Capitólio só com lugares sentados. Em todo o caso, a relação da britânica com o público português não parece ter sido beliscada e um concerto destes dá alguma razão, mais uma vez, aos elogios fervorosos de Brian Eno enquanto se vai afastando, tal como o novo disco, de territórios próximos da em tempos (muito) comparada PJ Harvey. ANNA CALVI está a encontrar o seu lugar, espera-se que num próximo regresso possamos vê-lo tão bem como o ouvimos...

 

3/5

 

 

Artigo originalmente publicado no SAPO Mag. Fotos: Carlos Sousa Vieira

 

O regresso do navegante da lua

THE SOFT MOON já não é uma novidade em palcos nacionais, mas o regresso mais recente de Luis Vasquez trouxe as novas canções de "Criminal" ao RCA Club, em Lisboa, na passada sexta-feira. E comprovou que está aqui uma força (sempre negra) a ter em conta - sobretudo ao vivo.

 

The Soft Moon RCA Club

 

Com quatro álbuns e um EP no currículo, THE SOFT MOON tem-se mostrado, desde inícios da década, como um dos nomes mais consistentes na exploração de cruzamentos entre territórios pós-punk, industriais e góticos, com passagens pela EBM ou coldwave. Não será uma combinação inédita, nem a mais original, mas Luiz Vasquez, o mentor do projecto, parece ter um conhecimento enciclopédico dos domínios que percorre e consegue desbravar recantos inesperados, apesar das muitas influências óbvias e assumidas - dos Joy Division aos NEU!, passando pelos The Cure, Nitzer Ebb ou Nine Inch Nails, a lista é longa e sempre de tons turvos.

 

Se o norte-americano ainda não terá editado um registo ao nível dos mais marcantes das suas referências, nem por isso tem deixado de ser um cantor, compositor, produtor e multi-instrumentista a gerar culto e entusiasmo. E embora os discos não tenham proposto grandes viragens sonoras, há uma aproximação ao formato canção - em especial nos mais recentes, "Deeper" (2015) e "Criminal" (2018) - que contrasta com a penumbra atmosférica dos primeiros dias ao encontrar refrães fortes no meio do desespero.

 

The Soft Moon RCA Club 2

 

O regresso mais recente a Lisboa permitiu atestar isso mesmo, entre momentos tendencialmente instrumentais e outros onde a voz se insurgiu e tentou controlar os acontecimentos. Apresentando-se no formato banda, ao lado de dois músicos que, tal como ele, foram alternando instrumentos - guitarra, baixo, teclas, programações, vários tipos de percussão - , Vasquez não gastou muitas mais palavras além das que deixou nas canções, ficando-se por uma breve saudação, despedida e agradecimentos. Mas também ninguém terá sentido grande falta delas ao longo de um concerto que, apesar de ter durado pouco mais de uma hora, conseguiu agregar quase duas dezenas de temas a um ritmo imparável - e nem deixou a sensação de ter sabido a pouco, tirando talvez no encore de apenas duas canções.

 

Com o alinhamento que revisitou todos os discos, "Criminal" acabou por ser o mais predominante e tão bem acolhido como os anteriores por uma sala repleta. Da revolta à la Trent Reznor de "Burn" à igualmente inquieta "The Pain" ou à mais contida "Give Something", com a voz a aventurar-se por tons agudos, as canções soaram ainda mais urgentes do que no álbum - e o mesmo poderá dizer-se dos temas dos registos mais antigos.

 

"Far", hino propulsivo tão enérgico como angustiado, é bem capaz de ter sido o grande momento da noite, ainda que o patamar se tenha mantido quase sempre elevado. "Deeper", "Wrong" e "Want" - no arranque, a meio e no final, respectivamente - viram Vasquez trocar a guitarra pelos bongos, em acessos tribais que tornaram o cenário mais apocalíptico. Já "Insides" ou "Parallels" mergulharam numa faceta hipnótica que não comprometeu a intensidade.

 

The Soft Moon - Criminal

 

O trabalho de iluminação foi acompanhando as temperaturas das canções, entre tons negros, azulados ou escarlate, sem que se sentisse a falta de mais elementos cénicos: bastou a névoa que sublinhou o efeito dramático e a entrega evidente da banda. Vasquez, especialmente irrequieto, manteve um entusiasmo comparável ao dos fãs das primeiras filas, dançando, saltando e contorcendo-se, com a linguagem corporal a falar mais do que a verbal. Regresso garantido? Depois de uma actuação tão incisiva e ocasionalmente esmagadora, não há grandes dúvidas.

 

A abrir a noite, os WHISPERING SONS foram uma aposta mais do que competente. Também influenciados pelo pós-punk, os belgas destacaram-se não tanto pelas canções mas pela construção de ambientes, com mais espaço para surpresas do que a voz de Fenne Kuppens, ainda um pouco encostada a alguns ícones sombrios q.b. dos anos 80. O grupo define a sua música como nervosa e desesperada, características  dominantes do álbum de estreia, "Image", apresentado numa actuação envolvente e atmosférica, com pontes para algum shoegaze de boa linhagem, até mesmo na atitude dos elementos da banda - todos metidos consigo mesmos. A excepção foi o vocalista, que se dirigiu frequentemente ao público e terá conquistado grande parte dele enquanto deixou aqui um cartão de visita apelativo.

 

4/5

 

 

Ainda crua como sushi (mas com um álbum quente a caminho)

De volta aos discos e aos palcos, NENEH CHERRY tem actuado em algumas (escassas) salas europeias, com concertos que revelam já grande parte do que esperar do próximo álbum. Um dos mais recentes decorreu no Café de la Danse, em Paris, e o André Gonçalves conta como foi - num texto que é o primeiro de um autor convidado deste blog.

 

Neneh Cherry Paris

 

"Querem '7 Seconds' ou 'Buffalo Stance'?"

O relógio marca já uma hora de concerto. Ela tinha já avisado entre canções que a duração iria ser essa, mas pelos vistos lá descobre uma folga, uma surpresa.


Ela é Neneh Cherry, possivelmente a artista pop/punk mais subestimada da contemporaneidade. Não é por falta de currículo ou até de boas companhias: a sueca radicada no Reino Unido é afinal uma das artistas pioneiras do trip-hop; é também enteada do artista de jazz Don Cherry, e teve o privilégio de contar na sua infância com a presença de outros grandes, como Miles Davis, de quem se sentou ao colo, muito antes de a vermos aqui, cinquentona, no Café de la Danse, em Paris, por onde passou a 26 de Setembro.
 
E que visão. Esta "cereja" não aparenta gostar de remoer muito tempo no passado, ou nas suas ligações privilegiadas, aproveitando assim um encore para despejar dois "clássicos" ("I've Got You Under My Skin" e "Manchild") e pedir então ao público que optar por mais um. "7 Seconds ou Buffalo Stance?", lança.

O grosso da actuação é então usado para promover o seu novo álbum, "Broken Politics" (com data de lançamento já para o próximo dia 19 de Outubro) - o sucessor de "Blank Project" de há cinco anos. Não há fraude: a artista cumprimenta o público e diz ao que vem. Aproveita para acrescentar a diferença face ao "projecto em branco" anterior; uma maior introspecção, que se verificou também no tempo que este último álbum levou a cozer face ao anterior, feito praticamente numa sessão, acredite-se ou não.

 

IMG-20180929-WA0002

 

A sua indumentária é logo uma declaração de intenções: um casaco/sweat meio tigresse a fazer pendant com as calças (totalmente anti-modas), que depois se vai despindo ("Está muito calor") para revelar uma t-shirt com frase feminista provocadora: "What do Women Want" (sem ponto de interrogação à vista, mesmo assim).

"Fallen Leaves" abre o mote. Facilmente entendemos que estamos perante a equipa que ajudou a trabalhar naquele que permanece um dos grandes regressos do novo século: as batidas minimalistas de Four Tet são por esta altura indistinguíveis de qualquer outro produtor. Mas não se deixe o leitor enganar: por detrás de tanto minimalismo e introspecção, há uma banda completa, há todo um conjunto de instrumentos - começando logo pela harpa, que aqui e ali rouba atenções, estando fora do que esperávamos de nova aventura entre esta sueca "terrible" e o britânico igualmente "inconformado" com tendências atuais, fiel à sua sonoridade.

"Shot Gun Shack" surge logo de seguida, numa versão ainda mais solta do que a disponibilizada há umas semanas - ficamos a esperar que esta versão esteja mais próxima de uma versão final de álbum; não que a versão single, por assim dizer, seja má; mas estamos oficialmente encantados com o rumo que este projecto está a tomar...

"Faster than the Truth" e "Natural Skin Deep" continuam a cumprir a melhor das expectativas, sendo das faixas mais uptempo aqui apresentadas. "Synchronized Devotion" abranda um pouco o ritmo, num diálogo com o espectador, uma canção em tom de confissão. "São as minhas políticas a viver num jam lento" fala a letra, enquanto Neneh revela o seu signo astrológico e data de nascimento, como se estivesse num "tête a tête" informal com o público, até porque pouco depois começa a apresentar um dos membros da sua banda... Está criada a ligação emocional.

 

Neneh Cherry - Broken Politics

 

A meio do alinhamento junta-se "Kong", tema também com assinatura de Robert "Massive Attack" Del Naja, um regresso ao passado, sim (pode fazer-se aqui ponte com o mais antigo "Manchild", que virá mais adiante), mas simultaneamente uma faixa que não poderia soar diferente de tudo o que está a ser produzido neste momento - nem mesmo o que tenta soar à década de 90. Uma das grandes candidatas a canção de 2018 permanece igualmente forte ao vivo, sobretudo quando parte da letra menciona o país onde estamos ("todas as nações procuram os seus amigos em França e Itália"), retratando aqui a crise de refugiados e a incerteza em relação ao futuro, perante as ilusões desfeitas - mas uma melancolia que revela uma mensagem positiva. "Arranca a minha cabeça, ainda assim o meu mundo será sempre um pequeno risco digno de tomar". Letra mais em ligação com os eventos políticos recentes seria praticamente impossível.

Mais três canções de "Broken Politics" nos aguardam, sendo que a de encerramento deste pré-encore faz também correspondência com o encerramento do álbum em questão: "Soldier" promete ser das faixas que mais vão agarrar à primeira o ouvinte, aquela em que a instrumentação, ainda minimalista, parece atingir apropriadamente um êxtase.

E eis que chegamos então aos "greatest hits" condensados em três canções, 15 minutos. São poucas as artistas mundiais dignas de fazerem tamanha "desfeita". Mas serão também poucas as artistas cuja obra tenha demonstrado, mesmo nos seus momentos mais "acessíveis" (pensamos obviamente em "Man" de 1996, e nos seus singles "Woman" e "7 Seconds"), uma consistência qualitativa ímpar com os seus contemporâneos, rivalizando sim com os tão mais legitimados Massive Attack de Del Naja.

Para choque dos leitores - ou não, dependendo da relação com a cantora -, o público escolheu praticamente em uníssono "Buffalo Stance" para fechar este concerto. E foi um concerto tão conciso que o único ponto por onde pegar pelos mais picuinhas será, precisamente, não oferecer margem para trazer mais do que esta hora mágica.  

4/5

 

Neneh Cherry alinhamento

Nota: o alinhamento contou ainda, no final do encore, com "Buffalo Stance"

 

 

 

 

A versão de 1998 soa tão bem ou melhor em 2018

Pico criativo e comercial dos GARBAGE, "Version 2.0" celebra 20 anos em 2018 e a festa teve lugar nas dezenas de concertos da digressão europeia, centrada no segundo álbum da banda, reeditado este Verão. A passagem por Utrecht, na Holanda, confirmou (mais uma vez) a excelência do alinhamento e o carisma de Shirley Manson.

 

Garbage Utrecht

 

Os fãs dificilmente poderiam pedir mais. Todas as canções de "Version 2.0" e praticamente todos os lados B dos singles desse disco revisitados no mesmo concerto. E em alguns casos, com canções em estreia absoluta em palco nesta digressão - a 20 Years Paranoid, quase exclusivamente dedicada a um dos grandes álbuns de 1998.

 

Não é uma forma de celebração nova. O grupo de Shirley Manson já a tinha implementado no 20º aniversário do disco de estreia homónimo, em 2015, e o bom acolhimento motivou uma nova digressão, tanto na Europa como nos EUA, dedicada ao registo que apresentou ao mundo portentos como "Push It" ou "I Think I'm Paranoid".

 

Mas se singles como esses ajudaram a reforçar o lugar dos GARBAGE no mapa musical de finais dos anos 90, os outros temas de "Version 2.0" não merecem menos atenção e todos mostraram ter resistido bem ao tempo. Ponto de encontro entre guitarras e electrónica, com produção mais polida do que o disco antecessor, o álbum reforçou as influências de algum rock industrial, do trip-hop e da música de dança numa fusão mais directa e imediata, embora com camadas a redescobrir em audições sucessivas.

 

Garbage reedição

 

Ao vivo, duas décadas depois, o resultado mantém-se enérgico e empolgante, em alguns casos a beneficiar do update de alguns arranjos que não se desviam da matriz original. Na altura do lançamento do disco, os GARBAGE apresentavam a sua música como pop sci-fi e a atmosfera do concerto de Utrecht - no TivoliVredenburg, a 23 de Setembro - ajudou a dar-lhes razão.

 

Nem foi preciso ter grandes adereços em palco para traduzir um ambiente futurista, com um trabalho de iluminação meticuloso a sugerir cenários espaciais ou oníricos. As muitas citações cinéfilas ouvidas entre as canções também tiveram um papel nesse efeito: de "2001: Odisseia no Espaço" a "O Despertar da Mente", passando por "Blade Runner" ou "O Corvo", essas alusões mostraram que a paixão da banda pelo sampling não se esgota nos discos.

 

Ao contrário dessas obras de culto, "Version 2.0" foi um blockbuster inequívoco. Mas apesar da produção irrepreensível, o seu maior efeito especial é bem capaz de ter sido Shirley Manson. Ao vivo, essa suposição ganha ainda mais força: a escocesa mostrou-se tão desenvolta no charme sufocante de "Hammering In My Head" ou "Sleep Together" como na explosão garrida de "Dumb" ou "When I Grow Up", defendendo as cores do disco com pinturas, choker e collants laranja.

 

Garbage 1998

 

Mas a sua voz brilhou mais alto quando a instrumentação musculada lhe deu algumas tréguas. Foi o caso de "Medication" e "The Trick Is To Keep Breathing", baladas de recorte superior defendidas com convicção e entrega emocional. No mesmo comprimento de onda, "Thirteen", a (belíssima) versão do clássico dos Big Star, também ajudou a confirmar a versatilidade vocal de uma cantora que parece dar-se tão bem num palco rock como num cabaret. Essa impressão seria consolidada por uma "The World Is Not Enough" aveludada e insinuante, quase em atmosfera bas-fond, ou pelo dramatismo de um lado B como "Soldier Through This", relato amoroso de costela feminista .

 

Manson não se destacou só pela voz: a atitude revelou-se igualmente determinante. A vocalista foi o óbvio centro das atenções do concerto, ainda que não tenha deixado de ceder algum tempo de antena aos músicos. Logo ao início, provocou Steve Marker, que teve direito a ovação especial. Em "Can't Seem to Make You Mine", versão dos The Seeds, juntou-se a Duke Erikson nos teclados, num episódio particularmente eufórico. Mais discreto, Butch Vig manteve-se sempre atrás da bateria e esperou até ao final do concerto para se aproximar do público, ao qual atirou as baquetas entre muitos aplausos.

 

Embora a noite tenha sido uma das várias a celebrar os 20 anos de "Version 2.0", Manson acabou por convidar o público a cantar os parabéns a um dos elementos da equipa. "Vamos aproveitar que somos muitos para tornar isto ainda mais especial", incitou. E também aproveitou para cumprimentar um fã que estava a ver os GARBAGE ao vivo pela 60ª vez. "Foste a mais concertos nossos do que aqueles em que me lembro de ter participado, Greg", confessou.

 

Version 2.0

 

Houve mais agradecimentos ao longo do concerto. No final, a vocalista dedicou "Cherry Lips" ao público LGBTQ, "que nunca desistiu de nós mesmo nas alturas em que poucos nos davam atenção", e destacou a resiliência dos "incríveis freaks e geeks" que são parte considerável dos fãs do grupo desde o início. A canção foi das poucas do alinhamento que não fizeram parte das sessões de gravação de "Version 2.0" - contou-se entre os singles do álbum sucessor, o mal amado "beautifulgarbage", de 2001.

 

A outra excepção, "No Horses", é o tema mais recente dos GARBAGE e um dos mais declaradamente políticos. "Embora esta noite estejamos a celebrar um momento importante do nosso passado, preferimos olhar para o futuro", assinalou. "Tivemos muitos pedidos de outras canções mais antigas, mas preferimos oferecer-vos uma nova", acrescentou, afirmando-se ainda contra a actual obsessão generalizada pelo dinheiro - tendência que inspirou uma canção pouco optimista e com um imaginário distópico, a lembrar os dias mais assombrados de uns The Cure.

 

Se estes temas foram surpresas num alinhamento centrado no álbum de 1998, nos outros momentos a actuação não se rendeu à lógica do baralhar e voltar a dar. A meio de "Wicked Ways", intrometeu-se "Personal Jesus", dos Depeche Mode, numa fusão que fez todo o sentido e com Manson muito à vontade enquanto proto Dave Gahan. "You Look So Fine" reservou outra homenagem, talvez até mais inesperada: "Dreams", dos Fleetwood Mac, que surgiu entre o final instrumental da canção, em modo nebuloso e com uma muralha sónica próxima do shoegaze. Já "Tired of Waiting for You", dos Kinks, colou-se a "13x Forever", um dos melhores lados B dos GARBAGE - e que se manteve fresquíssimo e borbulhante ao vivo.

 

Foi com outros lados B, aliás, que o concerto arrancou. "Afterglow" e "Deadwood", dois dos mais sombrios, motivaram um arranque cinemático q.b. antes do frenesim de "Temptation Waits", o (irresistível) tema de abertura de "Version 2.0". "I am a bonfire, I am a vampire, I'm waiting for my moment", cantou Shirley Manson. E se teve, como poucos, o seu grande momento em 1998, vinte anos depois continua a ser uma figura capaz de espevitar qualquer plateia ao longo de duas horas. Grande vocalista, grande concerto, excelente revisitação de um excelente disco.

 

5/5