Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Da zona de conforto à zona de perigo

Ladytron 2019 3.jpg

 

Uma das grandes canções de 2019 já tem videoclip. "DEADZONE", pico do novo álbum dos LADYTRON, homónimo, é também o novo single do quarteto de Liverpool, sucessor dos promissores mas não tão intensos "The Animals" e "The Island"

 

Se o título do tema já parecia dever alguma coisa ao universo de David Cronenberg (a remeter para o filme de 1983 traduzido em Portugal como "Zona de Perigo"), o videoclip leva mais longe essa aproximação ao lembrar situações e ambientes de "Crash" (1996). Faz sentido: a canção é uma das mais densas e opressivas do disco, com o quarteto a abordar a pop electrónica como poucos nos últimos anos, e as consequências de um acidente automóvel dão imagens apropriadas aos tormentos a que a letra alude.

 

Ecos da mitologia dos zombies, de George Romero a "The Walking Dead", também parecem contaminar o vídeo de Bryan M. Ferguson, realizador que já está familiarizado com cenários negros (através de colaborações anteriores com os Ladytron ou os Boy Harsher, por exemplo). "Imaginem estar no meio de um sonho e serem incapazes de gritar ou de se mexer e de, em última instância, não saberem se estão vivos ou mortos. Essa é a zona da morte", explica à FLOOD Magazine a vocalista Helen Marnie, cujos sussuros se conjugam com a dinâmica críptica da canção e apresentam uma banda no seu melhor:

 

 

Visões de Berlim em modo turvo e electrónico

Boy Harsher 2019 4.jpg

 

Apesar de terem editado o segundo álbum, "Careful", este ano e de contarem com uma agenda de concertos preenchida, tanto na Europa como na América do Norte, os BOY HARSHER encontraram tempo para reeditar um EP com temas inéditos. "Country Girl Uncut" recupera as quatro canções do esgotado "Country Girl" (2017), acrescenta quatro temas novos e já pode ser ouvido nos serviços de streaming - a edição física chega daqui a uns dias, a 11 de Outubro.

 

Se as faixas mais curtas, "February" e "Swing", servem sobretudo para tornar a atmosfera do alinhamento mais nebulosa, funcionando como um interlúdio e um epílogo, respectivamente, "Electric" e "SEND ME A VISION" apostam no formato canção e asseguram que Augustus Muller e Jae Matthews continuam inspirados. A segunda é também o novo single e não fica a dever nada a "Face the Fire", "LA" e outros dos momentos altos de "Careful", estando muito longe de uma sobra para preencher alinhamento.

 

 

O videoclip, realizado por Muller, é uma homenagem a Berlim, cidade onde o duo norte-americano tem sido particularmente feliz - esgotou a muito reputada discoteca Berghain em Março e vai voltar a palcos da capital alemã para dois concertos em Dezembro.

 

Filmado em Kreuzberg, tem influência assumida de "As Asas do Desejo", de Wim Wenders, e parte do estado de solidão e desespero que motivou o tema. Não que os BOY HARSHER estejam sozinhos: entre as ruas que as imagens captam encontramos alguns ilustres cuja música também tem partido do cruzamento entre darkwave, synth-pop e EBM, como Tamaryn, Shannon Funchess (Light Asylum), Cameron Findlay (Kontravoid, ex-Parallels), Eric Burton (Rabit) ou Sally Dige, entre outros. Boas companhias para um dos singles mais estimulantes da temporada, e com complemento visual à medida:

 

 

Um acidente que vale a pena parar para ver (e ouvir)

Jenny Hval.jpg

 

As melhores canções de JENNY HVAL são aquelas em que a sensibilidade pop e o gosto pelo experimentalismo se equilibram, e ao longo de seis álbuns já há uma dose generosa de pérolas com essa combinação na obra da norueguesa.

 

Mas esse ponto de encontro raramente é mantido durante todo o alinhamento de um disco, o que torna a música da cantautora (e escritora) demasiado virada para dentro mais vezes do que seria desejável. O próximo, no entanto, talvez possa marcar a diferença. Agendado para esta sexta-feira, "The Practice of Love" foi antecedido por dois singles apelativos,  "Ashes To Ashes" e "High Alice", aos quais se juntou agora "ACCIDENT", outro bom prenúncio.

 

A vincar, mais uma vez, um interesse acrescido pelos sintetizadores, a canção é simultaneamente acessível e enigmática, e confirma que HVAL continua a saber desenhar um ambiente onírico sem dificuldades. O tom existencial da letra tem seguimento no videoclip, protagonizado pela mãe da realizadora, Zia Anger, e com inspiração no universo feminino, na maternidade, "na produção e na reprodução", descreve a norueguesa. "Nem toda a gente vai gostar ou entendê-lo. (...) Mas é o mais próximo que estamos da magia", acrescenta. Nada como ver e ouvir para tirar as dúvidas:

 

 

Esta estreia ainda rende

Letrux.jpg

 

Dois anos depois da edição, o álbum de estreia de LETRUX continua a percorrer palcos e a propor alguma da pop brasileira mais inspirada do momento. "Letrux em Noite de Climão" é daqueles discos que começam logo bem, com "VAI RENDER", e o tema foi escolhido para novo single depois de faixas como "Ninguém Perguntou por Você".

 

Meditativa e atmosférica, não será das canções mais imediatas do alinhamento mas é uma porta de entrada envolvente para o universo de Letícia Novaes. E surge agora acompanhada de um videoclip centrado em pontos de viragem na rotina de três mulheres, que dão corpo à urgência de evasão que percorre o disco.

 

 

A melhor descrição talvez seja mesmo a de alguns fãs da cantora no Youtube. "Essa música se encaixou perfeitamente para abrir o álbum. Parece que diz 'senta e escuta que lá vem história boa'. (Rómulo Silva). "Fiquei com dó das plantinhas, mas ficou incrível... Retratou o desejo de todo mundo em alguns momentos de mandar pro inferno td." (Lucas Andrade). "Tem palpável o climão de fim, de encerramento, reencontro com o início e despedida do tempo vivido. o fogo e determinação das personagens em destruir pra recomeçar e libertar é notório." (Talita Silva)

 

Enfim, um belo motivo para (re)descobrir um álbum de estreia promissor, com a particularidade de a sua autora replicar a imagem da capa no final do vídeo - referência que não tem passado despercebida junto de muitos fãs, tendo em conta outros comentários online.