Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

A escola do rock ainda tem bons alunos

Cherry Glazerr

 

Com dois EP e dois álbuns no currículo desde 2013, os CHERRY GLAZERR têm mostrado ser uma das revelações do rock norte-americano a ter debaixo de olho. Em "Apocalipstick", editado no início de 2017, o trio de Los Angeles trocou os ambientes lo-fi do disco de estreia, "Haxel Princess" (2014), por canções mais encorpadas, grandiosas e polidas, sem perder a garra adolescente pelo caminho - Clementine Creevy, a vocalista, guitarrista e compositora, formou a banda aos 15 anos.

 

Agora, enquanto continua a levar o segundo álbum a vários palcos (incluindo uma passagem pelo Coachella e as primeira partes dos Portugal. The Man ou The Breeders), o grupo começa a moldar os contornos do terceiro e parece reforçar a viragem sonora.

 

"JUICY SOCKS", o novo single, volta a canalizar ecos do grunge e do rock alternativo à anos 90 enquanto faz tangentes à dream pop e ao shoegaze, um pouco na linha do que os também relativamente recentes Speedy OrtizChastity Belt têm feito - os primeiros com mais sarcasmo, os segundos com mais doses de negrume. E entre a calmaria do arranque e a explosão de um refrão pegajoso, acrescenta um passo seguro a um percurso em crescendo, guiado por uma voz carismática - com a medida certa de doçura e ansiedade. É banda para continuar a acompanhar, portanto:

 

 

Uma questão de confiança

Confidence Man

 

Dos Human League aos Scissor Sisters, passando pelos New Young Pony Club, Hercules & Love Affair, LCD Soundsystem ou B-52s... A música dos CONFIDENCE MAN não será a mais original do mundo, mas o caldeirão de referências (quase sempre boas) resulta a favor de um álbum de estreia capaz de animar uma festa, da primeira à última faixa, com um balanço empolgante e sentido de humor.

 

O facto de o quarteto australiano não se levar muito a sério ajuda a que "Confident Music for Confident People" comprove as pistas promissoras deixadas pelos singles (ou pelas remisturas de gente como Lindstrøm ou Andrew Weatherall) através de canções que repescam o lado mais colorido e bamboleante da new wave, do acid house, do funk-punk ou da synthpop sem que a receita saia requentada.

 

Essa confiança também passa pela vertente visual, como o comprova o videoclip do novo single, "DON'T YOU KNOW I'M IN A BAND", onde os vocalistas Janet Planet e Sugar Bones dançam pelas páginas de uma revista mantendo uma pose simultaneamente blasé e descontraída... e que já se vai tornando imagem de marca depois dos vídeos de "Boyfriend (Repeat)" e "Better Sit Down Boy":

 

 

Intuição feminina (e chilena)

Javiera Mena

 

Ao lado dos Dënver ou de Gepe, JAVIERA MENA está entre os nomes que se têm destacado na (cada vez mais movimentada) cena electropop chilena, com um crescimento assinalável nos últimos anos tanto dentro como fora de portas.

 

Depois de "Esquemas Juveniles" (2006), "Mena" (2010) e "Otra Era" (2014), "Espejo" é o álbum que se segue e chega já a 27 de Abril, num regresso a cenários dançáveis sugerido pelo primeiro single, "Dentro de ti", editado no final do ano passado.

 

O novo aperitivo para o disco, "INTUICIÓN", volta a acelerar o ritmo, embora em ambientes um pouco diferentes dos habituais no percurso da cantautora. Apesar das influências inesperadas de reggaeton, território sempre ardiloso, o tema resulta num dos singles mais eficazes da chilena, tirando partido da produção do espanhol El Guincho e da participação curta, mas incisiva, de Li Saumet, vocalista dos colombianos Bomba Estéreo.

 

A colaboração latina tem sido comparada ao que poderia soar Shakira inspirada pela indietronica, com a aura festiva a saltar para um videoclip filmado nas ruas de Benidorm - ainda que as imagens conjuguem a celebração com acessos de melancolia e deambulações solitárias pela noite dentro:

 

 

Animais nocturnos (ou só mais uma festa em São Paulo)

Ladytron The Animals

 

Os LADYTRON podem ter estado sete anos sem gravar, mas parecem ter conseguido captar o espírito dos tempos no regresso. Na semana em que Lula da Silva volta a gerar manchetes um pouco por todo o lado, o quarteto britânico estreia o videoclip de "THE ANIMALS", o seu novo single (revelado em Fevereiro), inspirado no clima de tensão que se tem vivido no Brasil.

 

Filmado em São Paulo, cidade de eleição de Daniel Hunt nos últimos anos (onde entretanto formou o projecto paralelo Tamoios), o vídeo percorre vários espaços emblemáticos locais enquanto acompanha três jovens amigos, partindo das suas experiências para desenhar um retrato simultaneamente "violento, sensorial e lúdico" que expõe contrastes "culturais, de género, espirituais e identitários", diz o grupo.

 

Entre a festa e o caos, sobressai um olhar que insinua a intolerância e homofobia de alguns meios embrulhado numa energia visual a remeter para ambientes de Gregg Araki ou Xavier Dolan (não por acaso, dois nomes associados ao cinema queer). Essa sensibilidade, aliada ao lado narrativo, talvez ajude a explicar porque é que a banda apresenta o resultado como uma curta-metragem - assinada por Fernando Nogari, que se estrou no formato depois da realização de videoclips com "What Young People Call Music" (2017), obra de contornos documentais que já conjugava cultura juvenil e musical.

 

"THE ANIMALS" é, para já, o único inédito do sexto álbum dos LADYTRON revelado, até porque o disco ainda não foi gravado e só deverá chegar mais para o final do ano. Mas se a canção já tinha dado a entender que o quarteto continua a fazer música confiável, é bom ver que a gestão da imagem também se mantém sedutora: