Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Um novo quarteto fantástico

Mount Kimbie.jpg

Ano novo, vida nova: os MOUNT KIMBIE de 2024 são bem diferentes da versão surgida há cerca de 15 anos. Se o projecto britânico arrancou como uma dupla composta por Dominic Maker e Kai Campos, a formação actual é a de um quarteto, depois de ter acolhido os antigos colaboradores Andrea Balency-Béarn e Marc Pell. Mas as mudanças não ficam por aí: em vez de guiadas por um modelo tendencialmente electrónico e assente nas possibilidades do dubstep, as canções mais recentes exploram as fronteiras do shoegaze ou do pós-punk e cedem protagonismo às guitarras.

Foi assim em "Dumb Guitar", tema editado no final do ano passado, e volta a ser em "FISHBRAIN", single texturalmente ainda mais sugestivo e próximo dos caminhos indie rock de vistas largas dos conterrâneos Sorry.

A nova canção chega com o anúncio do quarto álbum, "The Sunset Violent", nascido entre a Califórnia e Londres, previsto para 5 de Abril e a convocar o antigo cúmplice King Krule em duas faixas. E também está confirmada uma nova digressão, com datas dos dois lados do Atlântico mas nenhuma em Portugal. Para já, podemos vê-los numa versão animada no videoclip, realizado pela artista multidisciplinar Tegen Williams:

Regresso em tom de azul (com trip-hop e industrial a acompanhar)

Chelsea_Wolfe_photo-credit-Ebru-Yildiz.jpg

Os últimos anos de CHELSEA WOLFE têm sido feitos de colaborações. Entre o disco de estreia do projecto paralelo Mr. Piss, ao lado do baterista Jess Gowrie ("Self-Surgery ", 2020), um álbum com os Converge ("Bloodmoon: I", 2021) e a participação na banda sonora de "X" (2022), filme de terror de Ti West (para a qual cantou uma versão de Arthur Fields e conviveu com os sintetizadores de Tyler Bates), a norte-americana foi alargando a distância face ao seu último registo a solo - "Birth of Violence", de 2019.

Mas 2024 traz finalmente novidades nesse departamento, e já esta semana: "SHE REACHES OUT TO SHE REACHES OUT TO SHE" vê a luz do dia (e o negro da noite, mais apropriado a esta música) na próxima sexta-feira, 9 de Fevereiro, e resulta de uma experiência de catarse, do corte de laços e de um processo de renascimento. O sétimo álbum de uma discografia iniciada há quase 15 anos (com "The Grime and the Glow", de 2010) também é apresentado como fruto de um gesto libertador e empoderador, que talvez tenha reflexo no facto de ser o primeiro da sua autora editado pela Loma Vista Recordings.

She Reaches Out To She Reaches Out To She.jpg

O novo caminho, no entanto, não prescinde de algumas companhias: Dave Sitek, dos TV on the Radio, encarregou-se da produção de canções para as quais contribuíram Ben Chisholm, Bryan Tulao e Jess Gowrie, músicos que não são nomes estranhos a este percurso. O formato de banda é especialmente notório nos acessos mais robustos dos primeiros singles, viagens entre a carga hipnótica do trip-hop e explosões de guitarras mais próximas do rock industrial do que do doom metal de outros tempos.

"EVERYTHING TURNS BLUE", o avanço mais recente, deixa um belo exemplo dessa fusão que tanto traz lembranças dos Nine Inch Nails como de uns Massive Attack na viragem do milénio. E os três temas anteriores reforçam a ideia de que pelo menos meio disco já está ganho - boas notícias para quem tinha saudades de uma voz que já fez a ponte entre a folk e o gótico e tem mais territórios em vista.