Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Transe de uma noite de Verão

Yasmine Hamdan

 

Juntamente com os Mashrou' Leila, YASMINE HAMDAN será a principal artista independente libanesa a ter-se feito notar fora de portas nos últimos anos, com um percurso musical que já tem cerca de duas décadas. Depois de três álbuns com as Soapkills, dupla que formou com Zeid Hamdan na viragem do milénio, editou um disco com Mirwais (produtor de "Music" e "American Life", de Madonna), no projecto Y.A.S., em 2009, antes de apostar numa carreira a solo em 2013, com "Ya Nass" (composto e gravado com Marc Collin, dos Nouvelle Vague).

 

Ainda assim, o seu maior "palco" internacional é bem capaz de ter sido o de "Só os Amantes Sobrevivem" (2013), ao cantar e dançar e dançar numa das cenas-chave desse filme de Jim Jarmusch - mas a ligação ao cinema já vinha de trás, uma vez que é casada com o realizador palestiniano Elia Suleiman e teve alguns trabalhos como actriz.

 

"Hal", a tal canção que fascinou as personagens de Tilda Swinton e Tom Hiddleston, também ficou entre os picos da actuação da libanesa no castelo de Sines, num dos últimos concertos do Festival Músicas do Mundo, no sábado passado. E ao surgir a meio do alinhamento do espectáculo, o tema marcou a viragem entre uma faceta contida e uma postura agreste e intensa, que a obra gravada dificilmente faria antever.

 

Yasmine Hamdan FMM

Foto: FMM

 

Não foi a estreia de YASMINE HAMDAN por cá nem o último regresso - como o confirma o concerto no festival de Paredes de Coura, já a 18 de Agosto -, mas permitiu conhecer melhor uma figura que insiste em manter-se enigmática, tanto pelas poucas vezes em que se dirigiu ao público como por uma música que junta tradição árabe a heranças do trip-hop mais agreste ou de um rock próximo do shoegaze, numa linguagem que parece estar em constante mutação.

 

Esse lado mais encorpado, a milhas do híbrido pop/folk de um disco como "Al Jamilat" (2017), só é possível devido ao formato banda com o qual a cantora se apresenta ao vivo - e prova que continua a saber escolher as companhias, tendo em conta a coesão instrumental e o efeito sempre hipnótico do alinhamento.

 

Yasmine Hamdan FMM2

 

Da belíssima "Assi" às mais sombrias "Cafe" ou "Nediya", passando por um final declaradamente feminista, a fazer lembrar a fase mais aguerrida de uma PJ Harvey, foi uma actuação que vincou um nome a acompanhar, sobretudo num palco - e de preferência ao longo de mais de uma hora.

 

Nos discos também têm surgido novidades. Ao segundo álbum seguiu-se o disco de remisturas "Jamilat Reprise", editado este ano, que sujeita as canções de Hamdam às manobras de gente como Arab Music ou Matias Aguayo. A aposta oficial, no entanto, é a releitura de "DOUSS" por George Bshoum, em modo electroacústico mas a manter o travo sereno do original - uma atmosfera que também passa por um videoclip a conjugar melancolia e esperança:

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.