Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Um susto por dia, não sabe o bem que lhe fazia

O terror volta a tomar conta da Avenida da Liberdade, em Lisboa, pela 13ª vez e com direito a sexta-feira 13 pelo caminho, em mais uma edição do MOTELX. Há sustos garantidos a partir desta terça-feira, no Cinema São Jorge.

 

Midsommar.jpg

 

A decorrer até domingo, 15 de Setembro, o Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa arranca com "Ma", o novo filme de Tate Taylor ("As Serviçais"), e volta a propor longas e curtas metragens, documentários, sessões especiais, uma secção infantil, novidades e recordações que vão de "Alien - O Oitavo Passageiro" ao não menos mítico "Plan 9 From Outer Space" ou "Sexta-Feira 13" (numa data a condizer).

 

Entre os convidados incluem-se Ari Aster, que vem apresentar "Midsommar - O Ritual" em antestreia (depois do sucesso de "Hereditário") e terá uma masterclass a seu cargo. Jack Taylor, referência do cinema exploitation espanhol, também vai estar presente, e João Pedro Rodrigues ("O Fantasma", "Morrer Como um Homem") é o curador da secção de curtas portuguesas.

 

Com terror mais ou menos explícito e gráfico, mais ou menos realista ou estilizado, cómico ou inquietante, oferta não falta logo desde quase todas as manhãs até ao início da madrugada (também não poderiam faltar sessões da meia-noite, algumas em dose dupla). Para começar sem medos nem hesitações, ficam cinco sugestões especialmente promissoras:

 

Bacurau.jpg

 

Terça-feira, 10, às 18h00 e às 21h20: "BACURAU", de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles: O cineasta de "O Som ao Redor" e "Aquarius" realiza o seu novo filme a quatro mãos com o seu director de arte habitual num dos títulos-chave do cinema brasileiro dos últimos meses. Distinguido com o Prémio do Júri na edição mais recente do Festival de Cannes, propõe uma mistura ficção científica, western e terror numa história decorrida no interior do Brasil num futuro próximo. O arranque parte do desaparecimento repentino da aldeia do sertão que dá nome ao filme. E o que se segue tem sido aplaudido como uma das alegorias mais fortes e originais sobre o país vistas no grande ecrã.

 

Something Else.jpg

 

Quarta-feira, 11, às 21h30: "SOMETHING ELSE", de Christian Stella e Jeremy Gardner: Depois da comédia negra "Tex Montana Will Survive!" (2015), a dupla norte-americana cruza romance e códigos do monster movie no relato de um homem a caminho da insanidade. Gardner, que também assinou a aventura de culto "O Exército de Zombies" (de 2012, e que apresentou no MOTELX no ano seguinte), interpreta um protagonista particularmente azarado, que tem de lidar com o desaparecimento da namorada enquanto começa a ser ameaçado por uma criatura da floresta. Aaron Moorehead e Justin Benson, autores do surpreendente "O Interminável", encarregam-se da produção e o segundo também faz parte do elenco.

 

The Golden Glove.jpg

 

Quinta-feira, 12, às 21h35: "O BAR LUVA DOURADA", de Fatih Akin: De "Head On - A Esposa Turca" a "Do Outro Lado", passando por "Soul Kitchen" ou "Uma Mulher Não Chora", o realizador alemão de ascendência turca já experimentou vários registos e o seu novo filme mantém a tendência. Ambientado na Hamburgo dos anos 70, é o biopic de Fritz Honka, assassino em série particularmente sádico, a partir do livro "The Golden Glove", de Heinz Strunk. Apontado como o filme mais cru e violento do percurso de Akin, tem tido reacções díspares e deu que falar na edição mais recente do Festival de Berlim (de onde saiu com uma nomeação para Melhor Filme).

 

Come to Daddy.jpg

 

Domingo, 15, às 21h35: "COME TO DADDY", de Ant Timpson: Elijah Wood é o protagonista desta estreia na realização de um nome até aqui associado à produção (quase sempre de filmes de terror e arredores). Aqui os sustos andam lado a lado com o humor de contornos negros e as fronteiras entre géneros prometem ser ténues, à medida que um homem tenta reencontrar o pai mas acaba por se arrepender da ideia. A aposta do realizador neo-zelandês tem sido apresentada como a antítese dos filmes de reconciliação familiar e há quem destaque a entrega do actor principal entre os trunfos - e com um dos seus desempenhos mais extremos.

 

The Wind.jpg

 

Domingo, 15, às 21h50: "THE WIND", de Emma Tammi: Estreia na ficção de uma realizadora vinda dos documentários, esta viagem ao interior desértico dos EUA do século XIX tem tido alguns elogios pela habilidade na construção de ambientes e na gestão da tensão. Movendo-se entre o thriller, o western e o terror, retrata as experiências de uma mulher solitária e paranóica que diz ser vítima de assombrações, embora ninguém à sua volte acredite nela... pelo menos no início.