Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Viagens a Itália

Duas novidades, uma revisitação: "Cuori Puri", "Happy Winter" e "A Melhor Juventude" foram três eventuais portas de entrada para a 11ª FESTA DO CINEMA ITALIANO, que arrancou há quase uma semana em Lisboa e está prestes a espalhar-se pelo país (e fora dele). 

 

Cuori puri

 

"CUORI PURI", de Roberto De Paolis: Estreia nas longas-metragens de um realizador até aqui com experiência nas curtas, é uma bela história de amor em tempos de crise (económica, mas também familiar ou de fé) que equilibra com sensibilidade a vertente pessoal e comunitária. A relação entre uma estudante, cuja rotina está entregue à Igreja e ao voluntariado, e um rapaz mais velho, segurança de um parque de estacionamento, é acompanhada com um realismo à flor da pele, palpável nos actores ou nos espaços, e surge como porto de abrigo para um quotidiano sem grandes horizontes à vista.

 

Mas aqui nem o amor salva tudo e "CUORI PURI" tem a perspicácia de não oferecer soluções fáceis, conseguindo também evitar juízos sobre a religião (a ambiguidade da mãe "beata" da protagonista é um dos trunfos, assim como a eloquência inspiradora do catequista) ou a marginalidade (o filme não desculpabiliza as personagens, mas dá conta da espiral descendente que a falta de oportunidades pode encorajar). A crise migratória, e a relação com a comunidade cigana em particular, também passa por aqui, sem que De Paolis sujeite o argumento ao peso desse ou de outros temas: no final fica um retrato cru, verosímil e comovente de união e sacrifício, com um realizador e dois jovens actores (Selene Caramazza e Simone Liberati) a reter.

 

 3,5/5

 

Happy Winter

 

"HAPPY WINTER", de Giovanni Totaro: Não falta potencial visual e humano ao cenário que este documentário explora, mas a primeira vertente acaba por entusiasmar mais do que a segunda. O que é pena, porque o passeio pela praia de Modello, na Sicília - que acolhe mais de mil cabanas habitadas por outras tantas famílias ao longo de todo o Verão - resulta cansativo ao longo de noventa minutos. Uma hora de duração seria mais do que suficiente, tendo em conta que Giovanni Totaro é demasiado redundante no que mostra e sobretudo no que tem para dizer, deixando um olhar que se fica muitas vezes pelo anedótico.

 

Há belas imagens, mas a estética (e profundidade) é mais condizente com a de um videoclip, território no qual a narrativa parece cair quando recorre à música como condimento. Nada contra, só que enquanto documentário talvez o resultado fosse mais proveitoso caso apostasse numa gravidade que só se insinua mais para o final, sobretudo nas cenas com um vendedor de gelados e refrigerantes (a "personagem" mais forte de um relato que se torna disperso entre as conversas de amigas de meia-idade ou a campanha de um aspirante a político local). Afinal, a festa comunitária estival é, para muitos turistas, uma resposta (ou pelo menos um escape) ao desemprego, mas os espectadores nunca chegam a mergulhar a fundo nesse filme.

 

 2/5

 

A Melhor Juventude

 

"A MELHOR JUVENTUDE", de Marco Tullio Giordana: 15 anos depois da estreia, a saga que está entre as mais celebradas do cinema italiano recente teve direito a reposição, em duas sessões muito concorridas e com a presença do realizador. Percebe-se o motivo do culto que atravessa gerações: quem não se deixar intimidar pelas mais de seis horas de duração (divididas em duas partes) encontra aqui um melodrama de recorte superior, centrado na história de uma família da classe média desde os anos 60 até à viragem do milénio.

 

Foi claramente um "labour of love" para o realizador e para a equipa, com as origens televisivas (começou por ser pensado como uma série da RAI) a não deixarem grandes vestígios num resultado final que é muitas vezes grande cinema, ancorado num elenco em estado de graça e num cineasta generoso, que lhe dá tempo, espaço e atenção. Apesar do óptimo nível interpretativo, torna-se difícil não destacar os protagonistas: Luigi Lo Cascio na pele de Nicola, Alessio Boni como Matteo, os dois irmãos em torno os quais as outras figuras orbitam. O primeiro, idealista e altruísta, é o que estará mais próximo da visão do mundo proposta pelo filme - assente num optimismo obstinado, embora não ingénuo nem imune a crises. Mas é o segundo que acaba por se impor como personagem mais magnética e intrigante, a motivar o olhar sobre uma solidão e inquietação viscerais, contraponto irónico de um filme que também deixa uma ode sincera e calorosa aos laços familiares.

 

A crónica deslumbrada do crescimento, lado a lado com dor da perda, convive com um retrato das mudanças na sociedade italiana ao longo de décadas, do qual a abordagem à doença mental ou às revoltas juvenis (e à iniciação no terrorismo) vai ganhando um peso particular. Pode parecer demasiada ambição, mas Giordana nunca cai em tentações épicas e opta antes pelo drama de câmara, embora nunca sisudo - pelo contrário, há aqui uma vivacidade contagiante. Obra-prima? Talvez não chegue a tanto: a primeira parte leva o seu tempo a acertar o passo, a segunda tem mais dificuldades em separar o essencial do acessório - e nunca consegue recuperar a urgência depois do adeus a uma das personagens centrais. Mas não haverá outro filme assim, dentro ou fora de portas.

 

4/5