Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

gonn1000

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Muitos discos, alguns filmes, séries e livros de vez em quando, concertos quando sobra tempo

Viver e morrer na Pensilvânia

É um dos regressos televisivos do ano: Kate Winslet volta a ter um papel no pequeno ecrã e isso basta para querer espreitar "MARE OF EASTTOWN". Mas há mais motivos para ter a nova minissérie da HBO Portugal debaixo de olho.

Mare of Easttown.jpg

Entre o cansaço, o cinismo e a exasperação, Mare Sheehan acumula os papéis de mãe, avó(!), ex-mulher, antiga promessa do desporto local e detective veterana em Easttown, uma pequena cidade fictícia da Pensilvânia. Que é como quem diz, está aqui um papel à medida de Kate Winslet, naquele que é o regresso da britânica a uma produção televisiva como actriz principal depois da já distante "Mildred Pierce", de Todd Haynes, outra minissérie da HBO.

Admita-se que, se não fosse por ela, a nova aposta da plataforma de streaming não teria muitos elementos distintivos, pelo menos à primeira vista. Articulando drama familiar e moldes do policial, "MARE OF EASTTOWN" apresenta um relato do quotidiano pardacento numa comunidade onde pouco acontece e ainda menos muda, pelo menos até o assassinato de uma adolescente ter passado a ocupar a agenda das autoridades locais durante o último ano - e sem que o autor do crime tenha sido encontrado.

Mare of Easttown 2.jpg

Coube a Mare conduzir a investigação e esse processo frustrante (relembrando por acusações da mãe da vítima, sua antiga colega de liceu) condiz com uma vida pessoal conturbada, que envolve o luto de um filho e uma relação com o ex-marido que, enfim, podia ser mais harmoniosa (e não ajuda que ele seja o seu novo vizinho, já com companheira e tudo).

Ao partir desta premissa, "MARE OF EASTTOWN" lembra séries como "The Killing", "Broadchurch" ou "Happy Valley", mas o primeiro episódio mostra não só que ter aqui Kate Winslet faz a diferença (para já, assenta como uma luva numa figura simultaneamente carismática e contraditória) como Brad Ingelsby, o criador e argumentista, parece saber do que está a falar. Afinal, o showrunner (que escreveu o recente "O Caminho de Volta", de Gavin O'Connor, elevado por um dos melhores papéis de Ben Affleck) é natural de uma localidade semelhante da Pensilvânia e rodeia a protagonista de um grupo expressivo de secundários, defendidos por gente como Jean Smart (a sua mãe, que não deixa nada por dizer), Guy Peters (estranho numa terra estranha e novo interesse amoroso) ou Evan Peters (que ainda não aparece no arranque, mas vai ser parceiro de investigação).

Mare of Easttown 3.jpg

Na realização está Craig Zobel, cuja obra no cinema tem dividido opiniões (de "Obediência" a "A Caçada") e que lida agora com um argumento à partida menos extremado do que os de alguns dos seus filmes. O norte-americano encarrega-se dos sete episódios e mostra mão segura no primeiro, ao acompanhar as jornadas individuais de Mare e de uma adolescente (interpretada por Cailee Spaeny, com contenção e vulnerabilidade no ponto) que acabarão por se cruzar quase inevitavelmente nos próximos capítulos. O cruzamento não deverá ser muito favorável para nenhuma delas, como revelam os minutos finais deste capítulo introdutório, mas pode vir a alimentar um dos mistérios televisivos mais aliciantes dos últimos tempos...

O primeiro episódio de "MARE OF EASTTOWN" está disponível na HBO Portugal desde 19 de Abril. A plataforma de streaming estreia novos episódios todas as segundas-feiras.